Publicidade

Auto Blog Ceará

por Sílvio Mauro

Toyota anuncia Corolla híbrido com motor a combustão flex

Por silviomauro em Lançamento

17 de Abril de 2019

A Toyota confirmou hoje, em evento no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo do Estado de São Paulo, que o Novo Corolla (a foto é do modelo comercializado fora do Brasil, o daqui deverá ter algumas diferenças) brasileiro será equipado com propulsão híbrida flex. Na ocasião, estiveram presentes o Governador de São Paulo, João Doria, o presidente da Toyota do Brasil, Rafael Chang, dentre outros membros do governo estadual, entidades e da montadora.

A 12ª geração do Corolla será montada sobre a plataforma TNGA (Toyota New Global Architecture, ou Nova Arquitetura Global da Toyota, em tradução para o português), que já equipa veículos da marca como o Prius, o SUV compacto C-HR e o sedã grande Camry. O modelo tem previsão de chegada às concessionárias no último trimestre de 2019. Para os mercados latino-americanos onde o veículo é exportado – Argentina, Paraguai, Uruguai, Chile, Peru e Colômbia – a Toyota planeja sua comercialização a partir do primeiro semestre de 2020.

Desenvolvimento do propulsor híbrido flex
Até chegar à formatação do primeiro protótipo, a Toyota realizou diversos testes em escala de laboratório, que tiveram início há quase quatro anos, em meados de 2015. O projeto colocou lado a lado as equipes de engenharia da Toyota Motor Corporation, no Japão, e da Toyota do Brasil, para somar esforços e buscar sintonia entre as tecnologias híbrida e flexfuel.

Em março de 2018, a Toyota anunciou os testes de rodagem com um protótipo híbrido flex no Brasil construído sobre a plataforma de um modelo Prius. A ideia foi colocar à prova a durabilidade do carro em diversos tipos de estradas para avaliar o conjunto motor-transmissão quando abastecido com etanol.

Processo de modernização
O Novo Corolla será produzido na fábrica da Toyota em Indaiatuba, localizada no interior de São Paulo. O local vem sendo modernizado e está passando por diversas melhorias em sua estrutura desde setembro do ano passado, quando foi anunciado investimento de R$ 1 bilhão na unidade. Este foi o primeiro investimento da indústria automotiva nacional após o anúncio do Programa Rota 2030.

O anúncio e a confirmação do Corolla como o primeiro automóvel híbrido flex do mundo faz parte de um conjunto de esforços da Toyota no cumprimento de metas ambientais ambiciosas, previstas no seu Desafio Ambiental 2050. A visão corporativa, anunciada pela matriz Toyota Motor Corporation, em 2015, compreende seis desafios de sustentabilidade. Dentre eles, reduzir os impactos negativos causados por automóveis ao meio ambiente para o mais próximo possível de zero, gerando diversos benefícios para o meio ambiente e a comunidade.

O Desafio Ambiental Global 2050 visa neutralizar a emissão de CO2 até a metade do século em novos veículos, no ciclo de vida dos produtos e nas unidades industriais da Toyota de todo o mundo. Outras missões são a diminuição no consumo de água, incentivar a reciclagem e estabelecer uma sociedade que esteja em harmonia e preserve a natureza.

Publicidade aqui

leia tudo sobre

Toyota anuncia Corolla híbrido com motor a combustão flex

Por silviomauro em Lançamento

17 de Abril de 2019

A Toyota confirmou hoje, em evento no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo do Estado de São Paulo, que o Novo Corolla (a foto é do modelo comercializado fora do Brasil, o daqui deverá ter algumas diferenças) brasileiro será equipado com propulsão híbrida flex. Na ocasião, estiveram presentes o Governador de São Paulo, João Doria, o presidente da Toyota do Brasil, Rafael Chang, dentre outros membros do governo estadual, entidades e da montadora.

A 12ª geração do Corolla será montada sobre a plataforma TNGA (Toyota New Global Architecture, ou Nova Arquitetura Global da Toyota, em tradução para o português), que já equipa veículos da marca como o Prius, o SUV compacto C-HR e o sedã grande Camry. O modelo tem previsão de chegada às concessionárias no último trimestre de 2019. Para os mercados latino-americanos onde o veículo é exportado – Argentina, Paraguai, Uruguai, Chile, Peru e Colômbia – a Toyota planeja sua comercialização a partir do primeiro semestre de 2020.

Desenvolvimento do propulsor híbrido flex
Até chegar à formatação do primeiro protótipo, a Toyota realizou diversos testes em escala de laboratório, que tiveram início há quase quatro anos, em meados de 2015. O projeto colocou lado a lado as equipes de engenharia da Toyota Motor Corporation, no Japão, e da Toyota do Brasil, para somar esforços e buscar sintonia entre as tecnologias híbrida e flexfuel.

Em março de 2018, a Toyota anunciou os testes de rodagem com um protótipo híbrido flex no Brasil construído sobre a plataforma de um modelo Prius. A ideia foi colocar à prova a durabilidade do carro em diversos tipos de estradas para avaliar o conjunto motor-transmissão quando abastecido com etanol.

Processo de modernização
O Novo Corolla será produzido na fábrica da Toyota em Indaiatuba, localizada no interior de São Paulo. O local vem sendo modernizado e está passando por diversas melhorias em sua estrutura desde setembro do ano passado, quando foi anunciado investimento de R$ 1 bilhão na unidade. Este foi o primeiro investimento da indústria automotiva nacional após o anúncio do Programa Rota 2030.

O anúncio e a confirmação do Corolla como o primeiro automóvel híbrido flex do mundo faz parte de um conjunto de esforços da Toyota no cumprimento de metas ambientais ambiciosas, previstas no seu Desafio Ambiental 2050. A visão corporativa, anunciada pela matriz Toyota Motor Corporation, em 2015, compreende seis desafios de sustentabilidade. Dentre eles, reduzir os impactos negativos causados por automóveis ao meio ambiente para o mais próximo possível de zero, gerando diversos benefícios para o meio ambiente e a comunidade.

O Desafio Ambiental Global 2050 visa neutralizar a emissão de CO2 até a metade do século em novos veículos, no ciclo de vida dos produtos e nas unidades industriais da Toyota de todo o mundo. Outras missões são a diminuição no consumo de água, incentivar a reciclagem e estabelecer uma sociedade que esteja em harmonia e preserve a natureza.