Reportagem mostra histórias de famílias que vivem na miséria do esquecimento do poder público
SÉRIE "OS SEM PÁTRIA"

Reportagem mostra histórias de famílias que vivem na miséria do esquecimento do poder público

No Serviluz, um mecânico construiu a própria “casa” de madeira. O local improvisado abriga 13 pessoas

Por Nordestv em Pode Contar

6 de setembro de 2017 às 18:26

Há 2 meses

Muitas pessoas vivem na miséria (FOTO: Reprodução Gente na TV)

O especial “Os Sem Pátria”, do programa Pode Contar, da Nordestv/Band, mostra a realidade de cearenses que possuem longas jornadas de trabalho e sobrevivem com menos de um salário mínimo.

Serviços básicos, como saúde e educação, faltam para a parcela da população menos favorecida financeiramente. Na semana em que o país comemora o dia da pátria, é questionável se todos que vivem no Brasil sentem que fazem parte dela.

Na comunidade do Serviluz, localizada no Mucuripe, a história do montador mecânico chama atenção. Cosmo, que nunca teve condições de viver de aluguel, e muito menos de comprar uma casa, acabou construindo a sua própria “casa”. Feita de madeira, com um telhado improvisado, o local abriga 13 pessoas. A família já sofreu com invasão de água e até mesmo de esgoto.

O homem chegou a receber uma intimação para deixar a sua casa improvisada, sob ameaça de derrubarem a sua construção. Mesmo com todas as dificuldades, o mecânico nunca perdeu a fé nem a gratidão que sente por Deus. A família ainda sonha com dias melhores.

Confira mais detalhes na matéria do Pode Contar, da Nordestv/Band:

Publicidade

Dê sua opinião

SÉRIE "OS SEM PÁTRIA"

Reportagem mostra histórias de famílias que vivem na miséria do esquecimento do poder público

No Serviluz, um mecânico construiu a própria “casa” de madeira. O local improvisado abriga 13 pessoas

Por Nordestv em Pode Contar

6 de setembro de 2017 às 18:26

Há 2 meses

Muitas pessoas vivem na miséria (FOTO: Reprodução Gente na TV)

O especial “Os Sem Pátria”, do programa Pode Contar, da Nordestv/Band, mostra a realidade de cearenses que possuem longas jornadas de trabalho e sobrevivem com menos de um salário mínimo.

Serviços básicos, como saúde e educação, faltam para a parcela da população menos favorecida financeiramente. Na semana em que o país comemora o dia da pátria, é questionável se todos que vivem no Brasil sentem que fazem parte dela.

Na comunidade do Serviluz, localizada no Mucuripe, a história do montador mecânico chama atenção. Cosmo, que nunca teve condições de viver de aluguel, e muito menos de comprar uma casa, acabou construindo a sua própria “casa”. Feita de madeira, com um telhado improvisado, o local abriga 13 pessoas. A família já sofreu com invasão de água e até mesmo de esgoto.

O homem chegou a receber uma intimação para deixar a sua casa improvisada, sob ameaça de derrubarem a sua construção. Mesmo com todas as dificuldades, o mecânico nunca perdeu a fé nem a gratidão que sente por Deus. A família ainda sonha com dias melhores.

Confira mais detalhes na matéria do Pode Contar, da Nordestv/Band: