Artista transforma lixão em museu e diz ter orgulho de morar no local: "Estou bem, obrigado"
CRATO

Artista transforma lixão em museu e diz ter orgulho de morar no local: “Estou bem, obrigado”

Paulinho conseguiu transformar um lugar degradante em um espaço de beleza e criatividade

Por Nordestv em Pode Contar

13 de fevereiro de 2017 às 18:28

Há 2 meses
Cearense transforma o lixão em museu das artes (FOTO: Reprodução Nordestv)

Cearense transforma lixão em museu das artes<br /> (FOTO: Reprodução Nordestv)

Você vai conhecer um lugar na cidade do Crato, no Ceará, que dificilmente é visitado por turistas ou até mesmo pelos próprios moradores da região: o lixão cratense.

O espaço ganhou um novo cenário depois que Paulinho, de 50 anos, resolveu aparecer no lixão.

Ele, que é artesão, poeta, artista plástico e pintor nômade, transformou o lugar degradante no museu do lixo. O local é dividido em “gueto do poeta” e “cemitério da arte”. Ele já foi chamado para ministrar palestras em escolas e fala que tem orgulho de morar no lixão.

“Deus me livre morar fora do lixão. Me orgulho de ser lixeiro. Eu estou bem, obrigado”. Veja mais detalhe no vídeo do Pode Contar, da Nordestv/Band:

Veja outros vídeos do Pode Contar.

Publicidade

Dê sua opinião

CRATO

Artista transforma lixão em museu e diz ter orgulho de morar no local: “Estou bem, obrigado”

Paulinho conseguiu transformar um lugar degradante em um espaço de beleza e criatividade

Por Nordestv em Pode Contar

13 de fevereiro de 2017 às 18:28

Há 2 meses
Cearense transforma o lixão em museu das artes (FOTO: Reprodução Nordestv)

Cearense transforma lixão em museu das artes<br /> (FOTO: Reprodução Nordestv)

Você vai conhecer um lugar na cidade do Crato, no Ceará, que dificilmente é visitado por turistas ou até mesmo pelos próprios moradores da região: o lixão cratense.

O espaço ganhou um novo cenário depois que Paulinho, de 50 anos, resolveu aparecer no lixão.

Ele, que é artesão, poeta, artista plástico e pintor nômade, transformou o lugar degradante no museu do lixo. O local é dividido em “gueto do poeta” e “cemitério da arte”. Ele já foi chamado para ministrar palestras em escolas e fala que tem orgulho de morar no lixão.

“Deus me livre morar fora do lixão. Me orgulho de ser lixeiro. Eu estou bem, obrigado”. Veja mais detalhe no vídeo do Pode Contar, da Nordestv/Band:

Veja outros vídeos do Pode Contar.