Série mostra a história do Centro, um dos bairros mais movimentados de Fortaleza

"CENTRO: HISTÓRIAS E DESAFIOS"

Série especial mostra história do Centro, um dos bairros mais movimentados de Fortaleza

Na primeira reportagem, você vai conhecer a história do Centro de Fortaleza, que vai muito além das compras: é lugar de moradia

Por TV Jangadeiro em Jornal Jangadeiro

29 de outubro de 2018 às 15:35

Há 2 semanas
Centro de Fortaleza vai muito além das compras (FOTO: Reprodução/TV Jangadeiro)

Centro de Fortaleza vai muito além das compras (FOTO: Reprodução/TV Jangadeiro)

Em três reportagens, a TV Jangadeiro/SBT vai mostrar a história de um dos bairros mais movimentados de Fortaleza: o Centro.

Na série “Centro: histórias e desafios”, você vai conhecer pessoas que escolheram morar no Centro, os comércios que resistem ao tempo e os que surgiram com o passar dos anos. Além dos problemas e desafios que precisam ser enfrentados.

Em um edifício na Rua Pedro I, no Centro de Fortaleza, o professor Paulo Probo mora há 20 anos. Na época, o preço do imóvel foi o atrativo, mas o tempo passou e ele percebeu que viver por na região tem suas vantagens. A principal delas: a praticidade. “Tudo perto. Tem transporte público, bancos, cartórios, lojas de todo tipo e praças, tudo ao nosso redor numa diversidade incrível”, relata.

Quando casou, Paulo e a esposa decidiram permanecer no Centro. A atividade preferida da família é visitar os equipamentos históricos e culturais do bairro, que ficam a poucos passos de casa.

O Centro é o berço da cidade de Fortaleza. Foi ao lado do antigo forte de Schoonenborch, construído pelos Holandeses, reformado pelos Portugueses e rebatizado de Fortaleza de Nossa Senhora da Assunção, onde foram erguidas as casas da primeira vila de moradores.

No início do século XIX, o Centro já concentrava as moradias da maioria dos fortalezenses, até mesmo a elite da época. Com o crescimento da população, os estabelecimentos comerciais se instalaram entre as casas. Depois vieram as fábricas e a indústria. Os espaços de poder também foram criados no Centro.

Foi o arquiteto Adolfo Herbster quem desenhou a primeira planta do Centro, com o traçado na forma de tabuleiro de xadrez, marcado por três grandes avenidas a do Imperador, Duque de Caxias e Dom Manoel, importantes até hoje. No século XX, foram erguidas as praças, como a do Ferreira e seus cafés em estilo Francês. Até quem visitava a cidade se hospedava no Centro, em hotéis como Excelsior, Palace e Lord. 

O Centro era reduto de artistas, intelectuais e escritores, alguns fundaram a padaria espiritual, uma das escolas literárias mais importantes da história do Ceará. Mas, apesar dessa movimentação, alguns moradores decidiram procurar casas em lugares mais afastados.

Hoje, o Centro faz divisa com os bairros Moura Brasil, Jacarecanga, Farias Brito, José Bonifácio, Praia de Iracema e Aldeota, e é conhecido pela força comercial. Em meio a prédios antigos transformados em lojas, alguns casarões ainda resistem como moradia. Como o da Rua Boris, que está prestes a completar 100 anos, sempre com a mesma família como residente. Até os móveis, que são da década de 20, estão preservados.

Outro que resiste, mesmo em meio a mudanças, é o Raimundo dos Queijos, na Travessa Crato. No início, em 1978, era apenas um frigorífico. Depois virou venda de queijos, paçoca, carne de sol e outras delícias típicas do Ceará. E deu certo. Tanto que o movimento do dia a dia se estendeu para os finais de semana, com cerveja gelada e petiscos. Aos domingos, quando o Centro fica deserto, as mesas de amigos lotam o calçadão, ao som de música ao vivo, o espaço vira uma confraria, ponto de encontro para diversão.

O sonho dos frequentadores é ver o Centro voltar a ser mais que um simples bairro de compras.

A reportagem desta terça-feira (30) vai mostra o potencial econômico do Centro de Fortaleza, das lojas que resistem ao tempo e das novas opções para atrair milhares de pessoas.

Veja todos os detalhes no vídeo do Jornal Jangadeiro, da TV Jangadeiro/SBT:

Veja outros vídeos do Jornal Jangadeiro.

Publicidade

Dê sua opinião

"CENTRO: HISTÓRIAS E DESAFIOS"

Série especial mostra história do Centro, um dos bairros mais movimentados de Fortaleza

Na primeira reportagem, você vai conhecer a história do Centro de Fortaleza, que vai muito além das compras: é lugar de moradia

Por TV Jangadeiro em Jornal Jangadeiro

29 de outubro de 2018 às 15:35

Há 2 semanas
Centro de Fortaleza vai muito além das compras (FOTO: Reprodução/TV Jangadeiro)

Centro de Fortaleza vai muito além das compras (FOTO: Reprodução/TV Jangadeiro)

Em três reportagens, a TV Jangadeiro/SBT vai mostrar a história de um dos bairros mais movimentados de Fortaleza: o Centro.

Na série “Centro: histórias e desafios”, você vai conhecer pessoas que escolheram morar no Centro, os comércios que resistem ao tempo e os que surgiram com o passar dos anos. Além dos problemas e desafios que precisam ser enfrentados.

Em um edifício na Rua Pedro I, no Centro de Fortaleza, o professor Paulo Probo mora há 20 anos. Na época, o preço do imóvel foi o atrativo, mas o tempo passou e ele percebeu que viver por na região tem suas vantagens. A principal delas: a praticidade. “Tudo perto. Tem transporte público, bancos, cartórios, lojas de todo tipo e praças, tudo ao nosso redor numa diversidade incrível”, relata.

Quando casou, Paulo e a esposa decidiram permanecer no Centro. A atividade preferida da família é visitar os equipamentos históricos e culturais do bairro, que ficam a poucos passos de casa.

O Centro é o berço da cidade de Fortaleza. Foi ao lado do antigo forte de Schoonenborch, construído pelos Holandeses, reformado pelos Portugueses e rebatizado de Fortaleza de Nossa Senhora da Assunção, onde foram erguidas as casas da primeira vila de moradores.

No início do século XIX, o Centro já concentrava as moradias da maioria dos fortalezenses, até mesmo a elite da época. Com o crescimento da população, os estabelecimentos comerciais se instalaram entre as casas. Depois vieram as fábricas e a indústria. Os espaços de poder também foram criados no Centro.

Foi o arquiteto Adolfo Herbster quem desenhou a primeira planta do Centro, com o traçado na forma de tabuleiro de xadrez, marcado por três grandes avenidas a do Imperador, Duque de Caxias e Dom Manoel, importantes até hoje. No século XX, foram erguidas as praças, como a do Ferreira e seus cafés em estilo Francês. Até quem visitava a cidade se hospedava no Centro, em hotéis como Excelsior, Palace e Lord. 

O Centro era reduto de artistas, intelectuais e escritores, alguns fundaram a padaria espiritual, uma das escolas literárias mais importantes da história do Ceará. Mas, apesar dessa movimentação, alguns moradores decidiram procurar casas em lugares mais afastados.

Hoje, o Centro faz divisa com os bairros Moura Brasil, Jacarecanga, Farias Brito, José Bonifácio, Praia de Iracema e Aldeota, e é conhecido pela força comercial. Em meio a prédios antigos transformados em lojas, alguns casarões ainda resistem como moradia. Como o da Rua Boris, que está prestes a completar 100 anos, sempre com a mesma família como residente. Até os móveis, que são da década de 20, estão preservados.

Outro que resiste, mesmo em meio a mudanças, é o Raimundo dos Queijos, na Travessa Crato. No início, em 1978, era apenas um frigorífico. Depois virou venda de queijos, paçoca, carne de sol e outras delícias típicas do Ceará. E deu certo. Tanto que o movimento do dia a dia se estendeu para os finais de semana, com cerveja gelada e petiscos. Aos domingos, quando o Centro fica deserto, as mesas de amigos lotam o calçadão, ao som de música ao vivo, o espaço vira uma confraria, ponto de encontro para diversão.

O sonho dos frequentadores é ver o Centro voltar a ser mais que um simples bairro de compras.

A reportagem desta terça-feira (30) vai mostra o potencial econômico do Centro de Fortaleza, das lojas que resistem ao tempo e das novas opções para atrair milhares de pessoas.

Veja todos os detalhes no vídeo do Jornal Jangadeiro, da TV Jangadeiro/SBT:

Veja outros vídeos do Jornal Jangadeiro.