Psicoterapeuta indica comportamentos que podem ajudar a superar o luto

A DOR DA PERDA

Psicoterapeuta indica comportamentos que podem ajudar a superar o luto

Especialistas afirmam que cada pessoa convive com a dor da perda de forma diferente, mas o primeiro ano após a morte tende a ser o mais difícil.

Por TV Jangadeiro em Jornal Jangadeiro

3 de novembro de 2018 às 07:00

Há 2 semanas
Segundo especialistas, o primeiro ano após a morte tende a ser o mais difícil (FOTO: Reprodução TV Jangadeiro)

Segundo especialistas, o primeiro ano após a morte tende a ser o mais difícil (FOTO: Reprodução TV Jangadeiro)

Uma pesquisa do Sindicato dos Cemitérios e Crematórios Particulares do Brasil indica que 48% dos brasileiros não estão prontos para lidar com a morte de outra pessoa, especialmente um ente querido.

Especialistas afirmam que cada pessoa convive com a dor da perda de forma diferente, mas o primeiro ano após a morte tende a ser o mais difícil.

A psicoterapeuta Ana Raquel Sales explica que, para muitos, o luto está associado a sentimentos ruins, como tristeza, raiva e remorso. Mas destaca que o importante é não negar a existência da dor, nem deixar que ela se transforme em depressão. “A dor sempre vai existir na perda, mas pode ser uma dor mais tranquila, sem pesos desnecessários”, comenta.

Veja todos os detalhes no vídeo do Jornal Jangadeiro, da TV Jangadeiro/SBT:

Veja outros vídeos do Jornal Jangadeiro.

Publicidade

Dê sua opinião

A DOR DA PERDA

Psicoterapeuta indica comportamentos que podem ajudar a superar o luto

Especialistas afirmam que cada pessoa convive com a dor da perda de forma diferente, mas o primeiro ano após a morte tende a ser o mais difícil.

Por TV Jangadeiro em Jornal Jangadeiro

3 de novembro de 2018 às 07:00

Há 2 semanas
Segundo especialistas, o primeiro ano após a morte tende a ser o mais difícil (FOTO: Reprodução TV Jangadeiro)

Segundo especialistas, o primeiro ano após a morte tende a ser o mais difícil (FOTO: Reprodução TV Jangadeiro)

Uma pesquisa do Sindicato dos Cemitérios e Crematórios Particulares do Brasil indica que 48% dos brasileiros não estão prontos para lidar com a morte de outra pessoa, especialmente um ente querido.

Especialistas afirmam que cada pessoa convive com a dor da perda de forma diferente, mas o primeiro ano após a morte tende a ser o mais difícil.

A psicoterapeuta Ana Raquel Sales explica que, para muitos, o luto está associado a sentimentos ruins, como tristeza, raiva e remorso. Mas destaca que o importante é não negar a existência da dor, nem deixar que ela se transforme em depressão. “A dor sempre vai existir na perda, mas pode ser uma dor mais tranquila, sem pesos desnecessários”, comenta.

Veja todos os detalhes no vídeo do Jornal Jangadeiro, da TV Jangadeiro/SBT:

Veja outros vídeos do Jornal Jangadeiro.