Mulheres do Nordeste têm mais dificuldade para conseguir emprego formal, aponta pesquisa

IPEA

Mulheres do Nordeste têm mais dificuldade para conseguir emprego formal, aponta pesquisa

Segundo a Pesquisa do Ipea, o perfil mais comum é de mulheres nordestinas, com idade entre 18 e 24 anos, que não concluíram o Ensino Fundamental e moram em Regiões Metropolitanas

Por TV Jangadeiro em Jornal Jangadeiro

8 de julho de 2018 às 07:00

Há 3 meses
Mulheres demoram mais para conseguir empregos de carteira assinada  (FOTO: Reprodução TV Jangadeiro)

Mulheres demoram mais para conseguir empregos de carteira assinada (FOTO: Reprodução TV Jangadeiro)

Uma pesquisa do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) apontou o perfil mais comum do desempregado do Brasil: mulheres nordestinas, com idade entre 18 e 24 anos, que não concluíram o Ensino Fundamental e moram em Regiões Metropolitanas.

O analista de mercado de trabalho do Instituto de Desenvolvimento do Trabalho, Erle Mesquita, explica que a falta de experiência faz os jovens terem mais dificuldade para conseguir emprego formal. Quando são mulheres, a possibilidade da maternidade é mais um fator determinante.

Segundo o IDT, esse perfil demora um mês a mais para conseguir a sonhada carteira assinada em relação aos jovens do sexo masculino. E quando conseguem, as mulheres ganham bem mesmos.

A informalidade tem sido a alternativa mais comum para driblar o desemprego. Quem tem habilidade com as mãos pode vender produtos na feira de pequenos negócios da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, que tem uma loja na Aldeota e pontos de venda em terminais e na Beira-Mar. Outra opção é apostar no empreendedorismo. A Secretaria tem projetos específicos que ajudam a desenvolver negócios para mulheres.

Quer saber como procurar apoio da Prefeitura? É só procurar a sala do empreendedor, que fica em cada regional da cidade, os Vapt-Vupts da Messejana e do Antônio Bezerra, ou ligar para o número 0800 081 4141.

Veja todos os detalhes no vídeo do Jornal Jangadeiro, da TV Jangadeiro/SBT: 

Veja outros vídeos do Jornal Jangadeiro.

Publicidade

Dê sua opinião

IPEA

Mulheres do Nordeste têm mais dificuldade para conseguir emprego formal, aponta pesquisa

Segundo a Pesquisa do Ipea, o perfil mais comum é de mulheres nordestinas, com idade entre 18 e 24 anos, que não concluíram o Ensino Fundamental e moram em Regiões Metropolitanas

Por TV Jangadeiro em Jornal Jangadeiro

8 de julho de 2018 às 07:00

Há 3 meses
Mulheres demoram mais para conseguir empregos de carteira assinada  (FOTO: Reprodução TV Jangadeiro)

Mulheres demoram mais para conseguir empregos de carteira assinada (FOTO: Reprodução TV Jangadeiro)

Uma pesquisa do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) apontou o perfil mais comum do desempregado do Brasil: mulheres nordestinas, com idade entre 18 e 24 anos, que não concluíram o Ensino Fundamental e moram em Regiões Metropolitanas.

O analista de mercado de trabalho do Instituto de Desenvolvimento do Trabalho, Erle Mesquita, explica que a falta de experiência faz os jovens terem mais dificuldade para conseguir emprego formal. Quando são mulheres, a possibilidade da maternidade é mais um fator determinante.

Segundo o IDT, esse perfil demora um mês a mais para conseguir a sonhada carteira assinada em relação aos jovens do sexo masculino. E quando conseguem, as mulheres ganham bem mesmos.

A informalidade tem sido a alternativa mais comum para driblar o desemprego. Quem tem habilidade com as mãos pode vender produtos na feira de pequenos negócios da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, que tem uma loja na Aldeota e pontos de venda em terminais e na Beira-Mar. Outra opção é apostar no empreendedorismo. A Secretaria tem projetos específicos que ajudam a desenvolver negócios para mulheres.

Quer saber como procurar apoio da Prefeitura? É só procurar a sala do empreendedor, que fica em cada regional da cidade, os Vapt-Vupts da Messejana e do Antônio Bezerra, ou ligar para o número 0800 081 4141.

Veja todos os detalhes no vídeo do Jornal Jangadeiro, da TV Jangadeiro/SBT: 

Veja outros vídeos do Jornal Jangadeiro.