Ceará é o estado com maior crescimento do número de mortes de jovens

DADO PREOCUPANTE

Ceará é o estado com maior crescimento do número de mortes violentas de jovens

O crescimento de mortes violentas de jovens com idade entre 15 e 24 anos foi de 144,1% no Ceará, entre 2007 e 2017

Por TV Jangadeiro em Jornal Jangadeiro

2 de novembro de 2018 às 16:44

Há 2 semanas
Só em 2017, foram 981 mortes de vítimas entre 10 e 19 anos (FOTO: Reprodução/TV Jangadeiro)

Só em 2017, foram 981 mortes de vítimas entre 10 e 19 anos (FOTO: Reprodução/TV Jangadeiro)

O Ceará é o estado brasileiro onde mais cresceu o número de mortes violentas de jovens. No ano passado, uma em cada cinco pessoas assassinadas tinha entre 10 e 19 anos.

O filho da cuidadora de idosos Edna Carla Sousa tinha apenas 17 anos quando morreu. Alef acompanhava um amigo que visitava a tia no bairro Curió e foi uma das vítimas da Chacina da Grande Messejana, que completa três anos em novembro.

Edna participa do movimento Mães do Curió, que luta pela prisão dos acusados da chacina. “Não é fácil, mas estamos aqui, estou de pé aqui, junto a outras mães, lutando por Justiça”.

O Ceará é o estado com maior aumento de mortes violentas de jovens com idade entre 15 e 24 anos. O dado é do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que aponta crescimento de 144,1% nesse tipo de óbito no estado entre 2007 e 2017. 

De acordo com o Comitê Cearense pela Prevenção de Homicídios na Adolescência, só no ano passado foram 981 mortes de vítimas entre 10 e 19 anos. O número é 50% maior que o registrado em 2016. Em 2017, uma em cada cinco pessoas assassinadas tinha essa idade.

O pesquisador Luís Fábio Paiva, do Laboratório de Estudos da Violência da UFC, destaca que o governo falha em não oferecer políticas sociais que deem perspectivas de futuro para os jovens mais vulneráveis que vivem nas periferias.

“Hoje não temos um planejamento que prevê o pior cenário. Então vai enxugando gelo. A nossa política de Segurança Pública é reativa: ela reage ao problema, ela não previne o problema. Eu não posso fazer projeto para 100 ou 200, tenho que fazer projeto para atender a massa, a multidão de jovens que estão sem ocupação, sem perspectiva de vida”.

Confira todos os detalhes na reportagem do Jornal Jangadeiro, da TV Jangadeiro/SBT:

Publicidade

Dê sua opinião

DADO PREOCUPANTE

Ceará é o estado com maior crescimento do número de mortes violentas de jovens

O crescimento de mortes violentas de jovens com idade entre 15 e 24 anos foi de 144,1% no Ceará, entre 2007 e 2017

Por TV Jangadeiro em Jornal Jangadeiro

2 de novembro de 2018 às 16:44

Há 2 semanas
Só em 2017, foram 981 mortes de vítimas entre 10 e 19 anos (FOTO: Reprodução/TV Jangadeiro)

Só em 2017, foram 981 mortes de vítimas entre 10 e 19 anos (FOTO: Reprodução/TV Jangadeiro)

O Ceará é o estado brasileiro onde mais cresceu o número de mortes violentas de jovens. No ano passado, uma em cada cinco pessoas assassinadas tinha entre 10 e 19 anos.

O filho da cuidadora de idosos Edna Carla Sousa tinha apenas 17 anos quando morreu. Alef acompanhava um amigo que visitava a tia no bairro Curió e foi uma das vítimas da Chacina da Grande Messejana, que completa três anos em novembro.

Edna participa do movimento Mães do Curió, que luta pela prisão dos acusados da chacina. “Não é fácil, mas estamos aqui, estou de pé aqui, junto a outras mães, lutando por Justiça”.

O Ceará é o estado com maior aumento de mortes violentas de jovens com idade entre 15 e 24 anos. O dado é do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), que aponta crescimento de 144,1% nesse tipo de óbito no estado entre 2007 e 2017. 

De acordo com o Comitê Cearense pela Prevenção de Homicídios na Adolescência, só no ano passado foram 981 mortes de vítimas entre 10 e 19 anos. O número é 50% maior que o registrado em 2016. Em 2017, uma em cada cinco pessoas assassinadas tinha essa idade.

O pesquisador Luís Fábio Paiva, do Laboratório de Estudos da Violência da UFC, destaca que o governo falha em não oferecer políticas sociais que deem perspectivas de futuro para os jovens mais vulneráveis que vivem nas periferias.

“Hoje não temos um planejamento que prevê o pior cenário. Então vai enxugando gelo. A nossa política de Segurança Pública é reativa: ela reage ao problema, ela não previne o problema. Eu não posso fazer projeto para 100 ou 200, tenho que fazer projeto para atender a massa, a multidão de jovens que estão sem ocupação, sem perspectiva de vida”.

Confira todos os detalhes na reportagem do Jornal Jangadeiro, da TV Jangadeiro/SBT: