Cearense é um dos padeiros mais antigos do Brasil

6 DÉCADAS DE TRABALHO

Cearense é um dos padeiros mais antigos do Brasil: “sempre coloco a mão na massa”

Zé Camocim é padeiro desde 1950. Atualmente, ele revela que produz cerca de 3 mil pães em 12 horas de trabalho, em Ipueiras, no interior do Ceará

Por TV Jangadeiro em Gente na TV

4 de Março de 2018 às 07:00

Há 9 meses
Padeiro de Ipueira faz pão há 68 anos (FOTO: Reprodução TV Jangadeiro) 

Padeiro de Ipueira faz pão há 68 anos (FOTO: Reprodução TV Jangadeiro)

Zé Camocim é um dos padeiros mais antigos do Brasil. Morador de Ipueiras, no interior do Ceará, ele mostra demonstra todo o amor pelo que faz. “Estou há 68 anos fazendo e vendendo pães, faço tudo no forno a lenha”, explica.

O trabalho começa ainda no dia anterior, por volta das 23h, e segue até as 11h. São, em média, 12 horas por dia na labuta. “Sempre coloco a mão na massa. Sou feliz por causa da freguesia que gosta de mim”.

O início foi em 1950, quando Zé Camocim tinha 15 anos. “Um padeiro que me ensinou. Ele morreu e me entregou tudo”, conta. Segundo revelou na entrevista, diariamente são feitos 3 mil pães, por ele e outros quatro funcionários. “É tudo manual”, orgulha-se.

Confira todos os detalhes na reportagem do Gente na TV, da TV Jangadeiro/SBT:

Publicidade

Dê sua opinião

6 DÉCADAS DE TRABALHO

Cearense é um dos padeiros mais antigos do Brasil: “sempre coloco a mão na massa”

Zé Camocim é padeiro desde 1950. Atualmente, ele revela que produz cerca de 3 mil pães em 12 horas de trabalho, em Ipueiras, no interior do Ceará

Por TV Jangadeiro em Gente na TV

4 de Março de 2018 às 07:00

Há 9 meses
Padeiro de Ipueira faz pão há 68 anos (FOTO: Reprodução TV Jangadeiro) 

Padeiro de Ipueira faz pão há 68 anos (FOTO: Reprodução TV Jangadeiro)

Zé Camocim é um dos padeiros mais antigos do Brasil. Morador de Ipueiras, no interior do Ceará, ele mostra demonstra todo o amor pelo que faz. “Estou há 68 anos fazendo e vendendo pães, faço tudo no forno a lenha”, explica.

O trabalho começa ainda no dia anterior, por volta das 23h, e segue até as 11h. São, em média, 12 horas por dia na labuta. “Sempre coloco a mão na massa. Sou feliz por causa da freguesia que gosta de mim”.

O início foi em 1950, quando Zé Camocim tinha 15 anos. “Um padeiro que me ensinou. Ele morreu e me entregou tudo”, conta. Segundo revelou na entrevista, diariamente são feitos 3 mil pães, por ele e outros quatro funcionários. “É tudo manual”, orgulha-se.

Confira todos os detalhes na reportagem do Gente na TV, da TV Jangadeiro/SBT: