"Hoje foi Giselle, amanhã pode ser eu", afirma irmã de mulher morta em abordagem policial

CIDADE DOS FUNCIONÁRIOS

“Hoje foi Giselle, amanhã pode ser eu”, afirma irmã de mulher morta durante abordagem policial

Giselle Távora de Araújo, de 42 anos, estava conduzindo um veículo de modelo HB20 de cor branca, na Cidade dos Funcionários, em Fortaleza

Por TV Jangadeiro em Barra Pesada

13 de junho de 2018 às 16:45

Há 2 semanas
Familiares da vítima falam da ação policial (FOTO: Reprodução TV Jangadeiro)

Familiares da vítima falam da ação policial (FOTO: Reprodução TV Jangadeiro)

Familiares e amigos de Giselle Távora Araújo, de 42 anos – que foi morta durante uma abordagem policial – prestaram as últimas homenagens na manhã desta quarta-feira (13).

O clima era de dor e muita revolta pela forma como tudo aconteceu. “Era impossível a Giselle entrar em um lugar e ninguém perceber que era ela. Era uma pessoa extremamente alegre. Lamento muito o que aconteceu, porque ela tinha muita vida “, fala a amiga Joana Paula.

Outro amigo da vítima, Alexandre Sousa, repudiou a ação policial. “Queria mandar uma nota de repúdio para o secretário de Segurança Pública [André Costa] que, em nota, falou que ela não havia atendido à ordem do policial e que o tiro pegou no pneu. Eu gostaria de perguntar a ele se ela estava no pneu do carro”.

Leia também:
> Mulher morre após ser baleada por PMs por não obedecer a ordem de parada

“Isso foi um reflexo da falta de treinamento, falta de um preparo, hoje foi a Giselle, amanhã pode ser eu”, disse a irmã da vítima, Rochele Menezes.

Entenda o caso

Giselle Távora de Araújo, de 42 anos, estava conduzindo um veículo de modelo HB20 de cor branca quando equipes da Polícia Militar a abordaram. Em nota sobre o caso, a Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) informou que a motorista recebeu voz de parada, mas não obedeceu e seguiu viagem. A família, por sua vez, contesta.

Veja mais detalhes no vídeo, do Barra Pesada da TV Jangadeiro/SBT:

Veja outros vídeos do Barra Pesada.

Publicidade

Dê sua opinião

CIDADE DOS FUNCIONÁRIOS

“Hoje foi Giselle, amanhã pode ser eu”, afirma irmã de mulher morta durante abordagem policial

Giselle Távora de Araújo, de 42 anos, estava conduzindo um veículo de modelo HB20 de cor branca, na Cidade dos Funcionários, em Fortaleza

Por TV Jangadeiro em Barra Pesada

13 de junho de 2018 às 16:45

Há 2 semanas
Familiares da vítima falam da ação policial (FOTO: Reprodução TV Jangadeiro)

Familiares da vítima falam da ação policial (FOTO: Reprodução TV Jangadeiro)

Familiares e amigos de Giselle Távora Araújo, de 42 anos – que foi morta durante uma abordagem policial – prestaram as últimas homenagens na manhã desta quarta-feira (13).

O clima era de dor e muita revolta pela forma como tudo aconteceu. “Era impossível a Giselle entrar em um lugar e ninguém perceber que era ela. Era uma pessoa extremamente alegre. Lamento muito o que aconteceu, porque ela tinha muita vida “, fala a amiga Joana Paula.

Outro amigo da vítima, Alexandre Sousa, repudiou a ação policial. “Queria mandar uma nota de repúdio para o secretário de Segurança Pública [André Costa] que, em nota, falou que ela não havia atendido à ordem do policial e que o tiro pegou no pneu. Eu gostaria de perguntar a ele se ela estava no pneu do carro”.

Leia também:
> Mulher morre após ser baleada por PMs por não obedecer a ordem de parada

“Isso foi um reflexo da falta de treinamento, falta de um preparo, hoje foi a Giselle, amanhã pode ser eu”, disse a irmã da vítima, Rochele Menezes.

Entenda o caso

Giselle Távora de Araújo, de 42 anos, estava conduzindo um veículo de modelo HB20 de cor branca quando equipes da Polícia Militar a abordaram. Em nota sobre o caso, a Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) informou que a motorista recebeu voz de parada, mas não obedeceu e seguiu viagem. A família, por sua vez, contesta.

Veja mais detalhes no vídeo, do Barra Pesada da TV Jangadeiro/SBT:

Veja outros vídeos do Barra Pesada.