Rosier Alexandre: "Um desafio imenso - sermos nós mesmos e tolerantes com os diferentes"

QUAL O SEU EVEREST?

Rosier Alexandre: “Um desafio imenso – sermos nós mesmos e tolerantes com os diferentes”

Hoje não precisamos mais fugir de grandes predadores na natureza e nem gastar horas em busca de comida ou fazendo fogo, porém vieram outros desafios

Por Tribuna do Ceará em Rosier Alexandre

8 de outubro de 2018 às 15:54

Há 1 mês

Apesar da alta tecnologia e do excesso de recursos que a sociedade dispõe para viver, ela ainda enfrenta alguns desafios e sempre os terá. Por séculos, o maior desafio era sobreviver, permanecer vivo entre os animais selvagens e encontrar comida e garantir a vida por mais um dia.

Com o passar do tempo o homem aprendeu a dominar o fogo e inventou a roda, duas conquistas que o colocou em vantagem na corrida pela sobrevivência. Desde então, não parou mais de inventar facilidades e ganhar conforto.

Hoje não precisamos mais fugir de grandes predadores na natureza e nem gastar horas em busca de comida ou fazendo fogo, porém vieram outros desafios. O crescimento acentuado da população, a proliferação de doenças, o consumismo, a ganância da acumulação de bens e a dominação do homem sobre os seus próprios colegas. Para alguns destes males, existe solução relativamente tranquila, mas tem um deles que o homem ultramoderno não está sabendo lidar bem: que é ser ele mesmo. Manter a sua própria identidade e ser tolerante com os diferentes.

Um exemplo disso é o momento eleitoral que estamos passando, no qual as pessoas adotam paixões irracionais por um partido ou candidato e, na mesma proporção, criam rejeição a outros. Quase sempre fazem tudo sem pensar criticamente. Deixam de ver qualidade em alguns e também ficam as cegas aos defeitos de outros, e a partir disso, cria-se uma divisão de: “nós” e “eles”.

Devemos ser nós mesmos, acreditar e investir nos próprios sonhos, cultivar gostos pessoais e assumir nossas diferenças mas com respeito mútuo. Devemos valorizar o melhor de cada ser humano, aprender com ele e também contribuir para o seu crescimento.

A capacidade de conviver com pensamentos diversos e a paciência para dialogar, enxergando erros e acertos é o que faz a diferença, é o que enriquece uma sociedade, é isso que promove crescimento e evolução da humanidade.

Para deixar uma reflexão para esta semana, queria trazer um recorte de Martin Luther King que dizia: “Aprendemos a voar como os pássaros, a nadar como os peixes; mas não aprendemos a simples arte de vivermos junto como irmãos.”

Publicidade

Dê sua opinião

QUAL O SEU EVEREST?

Rosier Alexandre: “Um desafio imenso – sermos nós mesmos e tolerantes com os diferentes”

Hoje não precisamos mais fugir de grandes predadores na natureza e nem gastar horas em busca de comida ou fazendo fogo, porém vieram outros desafios

Por Tribuna do Ceará em Rosier Alexandre

8 de outubro de 2018 às 15:54

Há 1 mês

Apesar da alta tecnologia e do excesso de recursos que a sociedade dispõe para viver, ela ainda enfrenta alguns desafios e sempre os terá. Por séculos, o maior desafio era sobreviver, permanecer vivo entre os animais selvagens e encontrar comida e garantir a vida por mais um dia.

Com o passar do tempo o homem aprendeu a dominar o fogo e inventou a roda, duas conquistas que o colocou em vantagem na corrida pela sobrevivência. Desde então, não parou mais de inventar facilidades e ganhar conforto.

Hoje não precisamos mais fugir de grandes predadores na natureza e nem gastar horas em busca de comida ou fazendo fogo, porém vieram outros desafios. O crescimento acentuado da população, a proliferação de doenças, o consumismo, a ganância da acumulação de bens e a dominação do homem sobre os seus próprios colegas. Para alguns destes males, existe solução relativamente tranquila, mas tem um deles que o homem ultramoderno não está sabendo lidar bem: que é ser ele mesmo. Manter a sua própria identidade e ser tolerante com os diferentes.

Um exemplo disso é o momento eleitoral que estamos passando, no qual as pessoas adotam paixões irracionais por um partido ou candidato e, na mesma proporção, criam rejeição a outros. Quase sempre fazem tudo sem pensar criticamente. Deixam de ver qualidade em alguns e também ficam as cegas aos defeitos de outros, e a partir disso, cria-se uma divisão de: “nós” e “eles”.

Devemos ser nós mesmos, acreditar e investir nos próprios sonhos, cultivar gostos pessoais e assumir nossas diferenças mas com respeito mútuo. Devemos valorizar o melhor de cada ser humano, aprender com ele e também contribuir para o seu crescimento.

A capacidade de conviver com pensamentos diversos e a paciência para dialogar, enxergando erros e acertos é o que faz a diferença, é o que enriquece uma sociedade, é isso que promove crescimento e evolução da humanidade.

Para deixar uma reflexão para esta semana, queria trazer um recorte de Martin Luther King que dizia: “Aprendemos a voar como os pássaros, a nadar como os peixes; mas não aprendemos a simples arte de vivermos junto como irmãos.”