Rosier Alexandre: “Que hoje você tenha a sua melhor segunda-feira"

QUAL O SEU EVEREST?

Rosier Alexandre: “Que hoje você tenha a sua melhor segunda-feira”

Quando você faz algo que não vê um sentido, é muito triste. Tanto é que a maioria da população vê o próprio trabalho como uma forma de martírio

Por Tribuna do Ceará em Rosier Alexandre

23 de Janeiro de 2017 às 08:58

Há 2 anos

Por Rosier Alexandre

Eu gosto de perguntar às pessoas: “Qual é o seu Everest?”. Aliás, esse é o título desta coluna. Pergunto isso porque a maioria das pessoas sequer parou algum dia para se perguntar o que está fazendo e por que está fazendo. E isso é grave!

Quando você faz algo que não vê um sentido, é muito triste. Tanto é que a maioria da população vê o próprio trabalho como uma forma de martírio. Estou falando das pessoas que odeiam a segunda-feira e amam a sexta-feira, são pessoas que só encontram prazer no fim de semana quando estão longe do seu trabalho.

Quando falo de escalar o Everest propriamente dito, você pode fazê-lo por diversos motivos. Pode ser para mudar a rotina da vida e fazer uma experiência extrema em ambiente isolado onde as reflexões são mais abundantes. Pode ser pela realização pessoal de chegar ao ponto mais alto da terra. Pode ser para testar os próprios limites e enfrentar o frio extremo, a falta de oxigênio e o imenso desconforto que as altas montanhas oferecem e, ainda assim, voltar para casa com a autoestima elevada e a autoconfiança fortalecida, sabendo que pode realizar grandes feitos desde que esteja motivado e capacitado para isso. Quem escala o Everest, descobre que pode realizar diversos outros feitos extraordinários.

Alguns podem se perguntar: “Mas isso não é muito perigoso?”. Certamente é perigoso, porém a rotina de um trabalho igual todos os dias também é um empreendimento perigoso, entediante e muito chato. Não quero com isso dizer que você precisa mudar de trabalho ou escalar o Everest para ser feliz, mas deve buscar desafios pessoais e profissionais que lhe motivem a sair da monotonia, aprender algo novo a cada dia e principalmente que encontre sentido no seu trabalho e jamais olhe para a segunda feira como um dia chato ou triste.

Que hoje você tenha a sua melhor segunda-feira, com o meu abraço do tamanho do Everest.

*Rosier Alexandre é graduado em marketing, palestrante, consultor organizacional e alpinista profissional.

A coluna “Qual o seu Everest?” é publicada no Tribuna do Ceará todas as segundas-feiras e também vai ao ar na Tribuna BandNews (FM 101.7), às 9h10.

Publicidade

Dê sua opinião

QUAL O SEU EVEREST?

Rosier Alexandre: “Que hoje você tenha a sua melhor segunda-feira”

Quando você faz algo que não vê um sentido, é muito triste. Tanto é que a maioria da população vê o próprio trabalho como uma forma de martírio

Por Tribuna do Ceará em Rosier Alexandre

23 de Janeiro de 2017 às 08:58

Há 2 anos

Por Rosier Alexandre

Eu gosto de perguntar às pessoas: “Qual é o seu Everest?”. Aliás, esse é o título desta coluna. Pergunto isso porque a maioria das pessoas sequer parou algum dia para se perguntar o que está fazendo e por que está fazendo. E isso é grave!

Quando você faz algo que não vê um sentido, é muito triste. Tanto é que a maioria da população vê o próprio trabalho como uma forma de martírio. Estou falando das pessoas que odeiam a segunda-feira e amam a sexta-feira, são pessoas que só encontram prazer no fim de semana quando estão longe do seu trabalho.

Quando falo de escalar o Everest propriamente dito, você pode fazê-lo por diversos motivos. Pode ser para mudar a rotina da vida e fazer uma experiência extrema em ambiente isolado onde as reflexões são mais abundantes. Pode ser pela realização pessoal de chegar ao ponto mais alto da terra. Pode ser para testar os próprios limites e enfrentar o frio extremo, a falta de oxigênio e o imenso desconforto que as altas montanhas oferecem e, ainda assim, voltar para casa com a autoestima elevada e a autoconfiança fortalecida, sabendo que pode realizar grandes feitos desde que esteja motivado e capacitado para isso. Quem escala o Everest, descobre que pode realizar diversos outros feitos extraordinários.

Alguns podem se perguntar: “Mas isso não é muito perigoso?”. Certamente é perigoso, porém a rotina de um trabalho igual todos os dias também é um empreendimento perigoso, entediante e muito chato. Não quero com isso dizer que você precisa mudar de trabalho ou escalar o Everest para ser feliz, mas deve buscar desafios pessoais e profissionais que lhe motivem a sair da monotonia, aprender algo novo a cada dia e principalmente que encontre sentido no seu trabalho e jamais olhe para a segunda feira como um dia chato ou triste.

Que hoje você tenha a sua melhor segunda-feira, com o meu abraço do tamanho do Everest.

*Rosier Alexandre é graduado em marketing, palestrante, consultor organizacional e alpinista profissional.

A coluna “Qual o seu Everest?” é publicada no Tribuna do Ceará todas as segundas-feiras e também vai ao ar na Tribuna BandNews (FM 101.7), às 9h10.