Rosier Alexandre: "Propósito De Vida"

QUAL O SEU EVEREST?

Rosier Alexandre: “Propósito De Vida”

Felicidade não é cargo e nem salário, felicidade tem a ver com se sentir útil, se sentir importante. E o dinheiro?

Por Tribuna do Ceará em Rosier Alexandre

21 de Maio de 2018 às 09:00

Há 1 mês

Estamos passando por uma revolução tecnológica que está influenciando a sociedade e transformando tudo numa velocidade jamais vista antes. Com esta revolução somos todos hiper estimulados de diversas maneiras: lucro, produtividade, competição, felicidade, eficiência, qualidade vida, segurança, riqueza.

No entanto, este excesso de estímulos e cobranças não está fazendo bem a sociedade, a felicidade que vemos nas redes sociais não está na mesma intensidade na vida das pessoas.

Como cita Augusto Cury, esta pressão está criando uma síndrome do pensamento acelerado e não está trazendo felicidade, pelo contrário, está nos adoecendo. É urgente a necessidade de uma mudança, e não se trata de romper com o sistema e fugir de tudo isso, mas é preciso conquistar o equilíbrio, porém para mudar são questionados princípios, valores e crenças que nos acompanharam durante anos, talvez a vida inteira e isso não é nada fácil, afinal só mudamos através de um profundo aprendizado ou um grande sofrimento.

Uma maneira de restaurar o equilíbrio perdido é identificando um propósito de vida, o que você também pode chamar de missão. Para identificar o seu propósito da sua vida basta descobrir para que você serve, sua razão existir. Para facilitar e lhe ajudar a sintetizar isso, responda a 5 perguntinhas bem objetivas:

1. Quem sou eu? Aqui descreva como você se vê.
2. O que eu faço com maestria? Aqui descreva algumas coisas que você gosta de fazer e escolha aquela que quando você faz, esquece o relógio e o mundo, não vê o tempo passar.
3. Para quem eu faço? Descreva qual é o público que se destina aquilo que você faz. Quem tem interesse por esta sua habilidade.
4. O que as pessoas precisam? Identifique qual é a necessidade do público que você identificou.
5. O que elas ganham com isso? Nesta última pergunta você vai identificar qual é o benefício que este público vai receber através do que você faz, a proposta de valor que você entrega.

Talvez você se pergunte: “o que eu vou ganhar com isso?”, esqueça essa pergunta, fuja dessa tentação. Felicidade não é cargo e nem salário, felicidade tem a ver com se sentir útil, se sentir importante. E o dinheiro?
Isso é apenas consequência de algo muito bem feito. Para encerrar quero compartilhar um pensamento que literalmente me ajudou a chegar no cume da maior montanha do planeta: “Se algo vale a pena ser feito, vale a pena ser muito bem feito”.

Te desejo uma excelente semana, com o meu abraço do tamanho do Everest.

*Rosier Alexandre é graduado em marketing, palestrante, consultor organizacional e alpinista profissional.

A coluna “Qual o seu Everest?” é publicada no Tribuna do Ceará todas as segundas-feiras e também vai ao ar na Tribuna BandNews (FM 101.7), às 9h10.

Publicidade

Dê sua opinião

QUAL O SEU EVEREST?

Rosier Alexandre: “Propósito De Vida”

Felicidade não é cargo e nem salário, felicidade tem a ver com se sentir útil, se sentir importante. E o dinheiro?

Por Tribuna do Ceará em Rosier Alexandre

21 de Maio de 2018 às 09:00

Há 1 mês

Estamos passando por uma revolução tecnológica que está influenciando a sociedade e transformando tudo numa velocidade jamais vista antes. Com esta revolução somos todos hiper estimulados de diversas maneiras: lucro, produtividade, competição, felicidade, eficiência, qualidade vida, segurança, riqueza.

No entanto, este excesso de estímulos e cobranças não está fazendo bem a sociedade, a felicidade que vemos nas redes sociais não está na mesma intensidade na vida das pessoas.

Como cita Augusto Cury, esta pressão está criando uma síndrome do pensamento acelerado e não está trazendo felicidade, pelo contrário, está nos adoecendo. É urgente a necessidade de uma mudança, e não se trata de romper com o sistema e fugir de tudo isso, mas é preciso conquistar o equilíbrio, porém para mudar são questionados princípios, valores e crenças que nos acompanharam durante anos, talvez a vida inteira e isso não é nada fácil, afinal só mudamos através de um profundo aprendizado ou um grande sofrimento.

Uma maneira de restaurar o equilíbrio perdido é identificando um propósito de vida, o que você também pode chamar de missão. Para identificar o seu propósito da sua vida basta descobrir para que você serve, sua razão existir. Para facilitar e lhe ajudar a sintetizar isso, responda a 5 perguntinhas bem objetivas:

1. Quem sou eu? Aqui descreva como você se vê.
2. O que eu faço com maestria? Aqui descreva algumas coisas que você gosta de fazer e escolha aquela que quando você faz, esquece o relógio e o mundo, não vê o tempo passar.
3. Para quem eu faço? Descreva qual é o público que se destina aquilo que você faz. Quem tem interesse por esta sua habilidade.
4. O que as pessoas precisam? Identifique qual é a necessidade do público que você identificou.
5. O que elas ganham com isso? Nesta última pergunta você vai identificar qual é o benefício que este público vai receber através do que você faz, a proposta de valor que você entrega.

Talvez você se pergunte: “o que eu vou ganhar com isso?”, esqueça essa pergunta, fuja dessa tentação. Felicidade não é cargo e nem salário, felicidade tem a ver com se sentir útil, se sentir importante. E o dinheiro?
Isso é apenas consequência de algo muito bem feito. Para encerrar quero compartilhar um pensamento que literalmente me ajudou a chegar no cume da maior montanha do planeta: “Se algo vale a pena ser feito, vale a pena ser muito bem feito”.

Te desejo uma excelente semana, com o meu abraço do tamanho do Everest.

*Rosier Alexandre é graduado em marketing, palestrante, consultor organizacional e alpinista profissional.

A coluna “Qual o seu Everest?” é publicada no Tribuna do Ceará todas as segundas-feiras e também vai ao ar na Tribuna BandNews (FM 101.7), às 9h10.