Rosier Alexandre: "Por que ser igual se você pode ser extraordinário?"

QUAL O SEU EVEREST?

Rosier Alexandre: “Por que ser igual se você pode ser extraordinário?”

“Extraordinário” é filme recheado de lições que qualquer um de nós pode adotar. Rosier Alexandre fez uma reflexão sobre a lição de vida

Por Tribuna do Ceará em Rosier Alexandre

12 de Fevereiro de 2018 às 14:00

Há 10 meses

Por Rosier Alexandre

Quem somos nós? Quem seremos? Estas respostas podem ser encontradas através das referências que temos. Podem ser os nossos pais, colegas de trabalho ou pessoas que admiramos e naturalmente repetimos o seu comportamento através de modelagem.

A modelagem pode ser totalmente espontânea, é quando convivemos com alguém e esta pessoa é agradável e cada vez gostamos mais de estar com ela, e assim adotamos o seu comportamento, desde a forma como ela se veste até o tom de voz.

Podemos também modelar de maneira programada, isso acontece quando – de forma consciente – entendemos que precisamos melhorar ou mudar em alguns aspectos da vida e, a partir desta constatação, estudamos a vida de alguém através de livros, revistas ou filmes e enumeramos os comportamentos e posturas que queremos adquirir e criamos meios para incorporar estes novos comportamentos.

Esta alternativa, no início, como todo processo de mudanças é mais difícil, mas à medida que você treina e persiste, as coisas vão passando a ficar mais suaves até se tornarem espontâneas. A todo momento, nós estamos modelando através das referências que conhecemos e convivemos. O desafio é identificar referências positivas e as negativas para fortalecer as positivas, e se distanciar das negativas.

Para isso você precisa querer mudar e ter força suficiente para se afastar de tudo que não te faz crescer e buscar aquilo que te acrescenta valor e verdadeiramente te enriquece. Neste período carnavalesco, enquanto alguns se dedicam completamente à folia, eu prefiro aproveitar para encontrar amigos em encontros de bate-papo, com boas conversas, também dedico um tempo para ler e ver filmes.

Ontem fui ao cinema ver o filme Extraordinário, um belíssimo filme que conta a história de Auggie Pullman, um garoto que nasceu com uma deformidade facial, o que fez com que passasse por 27 cirurgias plásticas. Somente aos 10 anos, ele irá frequentar uma escola regular, como qualquer outra criança, mas pela primeira vez. No quinto ano, ele precisa se esforçar para conseguir se encaixar em sua nova realidade.

É um filme recheado de lições que qualquer um de nós pode adotar, fica a dica do filme. Por que ser igual se podemos ser extraordinários? Bom carnaval e uma excelente semana com o meu abraço do tamanho do Everest.

*Rosier Alexandre é graduado em marketing, palestrante, consultor organizacional e alpinista profissional.

A coluna “Qual o seu Everest?” é publicada no Tribuna do Ceará todas as segundas-feiras e também vai ao ar na Tribuna BandNews (FM 101.7), às 9h10.

Publicidade

Dê sua opinião

QUAL O SEU EVEREST?

Rosier Alexandre: “Por que ser igual se você pode ser extraordinário?”

“Extraordinário” é filme recheado de lições que qualquer um de nós pode adotar. Rosier Alexandre fez uma reflexão sobre a lição de vida

Por Tribuna do Ceará em Rosier Alexandre

12 de Fevereiro de 2018 às 14:00

Há 10 meses

Por Rosier Alexandre

Quem somos nós? Quem seremos? Estas respostas podem ser encontradas através das referências que temos. Podem ser os nossos pais, colegas de trabalho ou pessoas que admiramos e naturalmente repetimos o seu comportamento através de modelagem.

A modelagem pode ser totalmente espontânea, é quando convivemos com alguém e esta pessoa é agradável e cada vez gostamos mais de estar com ela, e assim adotamos o seu comportamento, desde a forma como ela se veste até o tom de voz.

Podemos também modelar de maneira programada, isso acontece quando – de forma consciente – entendemos que precisamos melhorar ou mudar em alguns aspectos da vida e, a partir desta constatação, estudamos a vida de alguém através de livros, revistas ou filmes e enumeramos os comportamentos e posturas que queremos adquirir e criamos meios para incorporar estes novos comportamentos.

Esta alternativa, no início, como todo processo de mudanças é mais difícil, mas à medida que você treina e persiste, as coisas vão passando a ficar mais suaves até se tornarem espontâneas. A todo momento, nós estamos modelando através das referências que conhecemos e convivemos. O desafio é identificar referências positivas e as negativas para fortalecer as positivas, e se distanciar das negativas.

Para isso você precisa querer mudar e ter força suficiente para se afastar de tudo que não te faz crescer e buscar aquilo que te acrescenta valor e verdadeiramente te enriquece. Neste período carnavalesco, enquanto alguns se dedicam completamente à folia, eu prefiro aproveitar para encontrar amigos em encontros de bate-papo, com boas conversas, também dedico um tempo para ler e ver filmes.

Ontem fui ao cinema ver o filme Extraordinário, um belíssimo filme que conta a história de Auggie Pullman, um garoto que nasceu com uma deformidade facial, o que fez com que passasse por 27 cirurgias plásticas. Somente aos 10 anos, ele irá frequentar uma escola regular, como qualquer outra criança, mas pela primeira vez. No quinto ano, ele precisa se esforçar para conseguir se encaixar em sua nova realidade.

É um filme recheado de lições que qualquer um de nós pode adotar, fica a dica do filme. Por que ser igual se podemos ser extraordinários? Bom carnaval e uma excelente semana com o meu abraço do tamanho do Everest.

*Rosier Alexandre é graduado em marketing, palestrante, consultor organizacional e alpinista profissional.

A coluna “Qual o seu Everest?” é publicada no Tribuna do Ceará todas as segundas-feiras e também vai ao ar na Tribuna BandNews (FM 101.7), às 9h10.