Rosier Alexandre: “Pessoas - o maior patrimônio de uma empresa"

QUAL O SEU EVEREST?

Rosier Alexandre: “Pessoas – o maior patrimônio de uma empresa”

Cada livro que leio, procuro fazer uma leitura crítica observando fatores e comportamentos que produzem resultados

Por Tribuna do Ceará em Rosier Alexandre

11 de junho de 2018 às 16:45

Há 4 meses

Eu sou apaixonado por aventuras. Na minha biblioteca, tenho dezenas de livros narrando expedições aos lugares mais isolados e perigosos da terra, desde o Everest até a Antártica. Cada livro que leio, procuro fazer uma leitura crítica observando fatores e comportamentos que produzem resultados.

Estudando a corrida ao Polo Sul, encontramos muitos aprendizados de gestão e liderança. Em 1911 duas esquipes: uma inglesa e uma norueguesa partiram para uma disputa acirrada por algo que colocaria os vencedores para sempre na história da humanidade, seriam os primeiros homens a alcançarem o Polo Sul.

A equipe inglesa liderada por Robert Falcon Scott, possuía mais recursos e melhores condições técnicas que a equipe norueguesa que era liderada por Roald Amundsen.

Era grande a superioridade técnica da equipe inglesa, no entanto a equipe norueguesa chegou primeiro ao destino e todos os seus membros retornaram para suas casas com uma conquista histórica. Já a equipe inglesa, apesar dos recursos abundantes, tinha um líder amador, louco por fama, autoritário e com mania de grandeza. Todos estes elementos fez a equipe inglesa ter um baixo desempenho e os fez chegarem ao Polo Sul somente 35 dias depois da equipe norueguesa e, para completar, no retorno sofreram uma grande tragédia. O líder Scott e seus 5 companheiros morreram devido à combinação de exaustão, fome e frio extremo.

Quando analisamos os diários de bordo das duas expedições, vemos claramente o que influenciou o resultado final. A superioridade em recursos e equipamentos da equipe inglesa não foi suficiente para vencer o time norueguês que tinha um líder carismático, focado e competente.

O que fez a diferença foi o fator humano. Um líder reuniu um grupo de pessoas, formou um time e foi muito além da sua carência de equipamentos e produziu os resultados que planejou.

O diferencial nas organizações nunca foi máquinas e nem será, mas as pessoas. Gente é o maior ativo das organizações, portanto, respeite e valorize o que realmente faz a diferença: as pessoas!

Te desejo uma excelente semana, com o me abraço do tamanho do Everest.

*Rosier Alexandre é graduado em marketing, palestrante, consultor organizacional e alpinista profissional.

A coluna “Qual o seu Everest?” é publicada no Tribuna do Ceará todas as segundas-feiras e também vai ao ar na Tribuna BandNews (FM 101.7), às 9h10.

Publicidade

Dê sua opinião

QUAL O SEU EVEREST?

Rosier Alexandre: “Pessoas – o maior patrimônio de uma empresa”

Cada livro que leio, procuro fazer uma leitura crítica observando fatores e comportamentos que produzem resultados

Por Tribuna do Ceará em Rosier Alexandre

11 de junho de 2018 às 16:45

Há 4 meses

Eu sou apaixonado por aventuras. Na minha biblioteca, tenho dezenas de livros narrando expedições aos lugares mais isolados e perigosos da terra, desde o Everest até a Antártica. Cada livro que leio, procuro fazer uma leitura crítica observando fatores e comportamentos que produzem resultados.

Estudando a corrida ao Polo Sul, encontramos muitos aprendizados de gestão e liderança. Em 1911 duas esquipes: uma inglesa e uma norueguesa partiram para uma disputa acirrada por algo que colocaria os vencedores para sempre na história da humanidade, seriam os primeiros homens a alcançarem o Polo Sul.

A equipe inglesa liderada por Robert Falcon Scott, possuía mais recursos e melhores condições técnicas que a equipe norueguesa que era liderada por Roald Amundsen.

Era grande a superioridade técnica da equipe inglesa, no entanto a equipe norueguesa chegou primeiro ao destino e todos os seus membros retornaram para suas casas com uma conquista histórica. Já a equipe inglesa, apesar dos recursos abundantes, tinha um líder amador, louco por fama, autoritário e com mania de grandeza. Todos estes elementos fez a equipe inglesa ter um baixo desempenho e os fez chegarem ao Polo Sul somente 35 dias depois da equipe norueguesa e, para completar, no retorno sofreram uma grande tragédia. O líder Scott e seus 5 companheiros morreram devido à combinação de exaustão, fome e frio extremo.

Quando analisamos os diários de bordo das duas expedições, vemos claramente o que influenciou o resultado final. A superioridade em recursos e equipamentos da equipe inglesa não foi suficiente para vencer o time norueguês que tinha um líder carismático, focado e competente.

O que fez a diferença foi o fator humano. Um líder reuniu um grupo de pessoas, formou um time e foi muito além da sua carência de equipamentos e produziu os resultados que planejou.

O diferencial nas organizações nunca foi máquinas e nem será, mas as pessoas. Gente é o maior ativo das organizações, portanto, respeite e valorize o que realmente faz a diferença: as pessoas!

Te desejo uma excelente semana, com o me abraço do tamanho do Everest.

*Rosier Alexandre é graduado em marketing, palestrante, consultor organizacional e alpinista profissional.

A coluna “Qual o seu Everest?” é publicada no Tribuna do Ceará todas as segundas-feiras e também vai ao ar na Tribuna BandNews (FM 101.7), às 9h10.