Rosier Alexandre: "O que você está carregando na sua bagagem"?

QUAL O SEU EVEREST?

Rosier Alexandre: “O que você está carregando na sua bagagem”?

Nossos medos e inseguranças são totalmente inúteis e até atrapalham uma parte significativa da nossa vida

Por Tribuna do Ceará em Rosier Alexandre

27 de agosto de 2018 às 15:14

Há 4 meses

Esta semana ouvi um filósofo falando com muita convicção que a ignorância era uma benção. Ele se referia ao fato de os mais jovens serem destemidos, desapegados a bens materiais e não terem muita preocupação com o futuro e com a própria segurança.

Ele enfatizou que aos 52 anos, quanto mais ele envelhece mais ele tem medo. Afirmou ainda que não sai de casa sem uma bolsa cheia de remédios, sem um guarda-chuvas, sem a reserva de hotel, que leva até o papel higiênico na mala e mais um monte de tranqueiras, e que para entrar numa piscina, jamais ele salta, ele antes coloca a ponta do pé para sentir a temperatura da água, em seguida molha até o joelho e muito lentamente vai entrando até a cintura e assim continua o ritual. Ele ainda enfatiza que a consciência nos torna covardes.

Eu discordo dele do começo ao fim. Para começar, o seu comportamento metódico lhe distancia da vida e nem traz segurança muito menos felicidade. Depois, a ignorância é uma lástima e quanto aos jovens que se jogam na piscina e na vida, estão certos. Nem eles e nem eu, devemos pautar nossa vida no medo e no terrorismo e sim na leveza de viver plenamente sem a angústia da busca pela segurança que jamais estará garantida. E o foco excessivo no futuro estraga o presente.

Nossos medos e inseguranças são totalmente inúteis e até atrapalham uma parte significativa da nossa vida. Eu pessoalmente, quero cada dia diminuir o tamanho da mala para aumentar a qualidade da minha experiência de viajante e de vivente. Como diz o sábio filósofo Mario Sérgio Cortella: “quem envelhece são as máquinas”. Eu entendo que as pessoas não podem parar o tempo, mas aqueles que sabem viver com sabedoria, cada dia se desapegam de inseguranças, medos e inutilidades e vivem mais intensamente.

Eu gosto das incertezas e dos inesperados. Assim, cada dia é novo e com isso eu também me renovo. Anote isso e nunca esqueça: A vida é muito curta para ser ocupada por medos e preocupações. Deixe os seus medos de lado, viva a aventura da sua vida, escale o seu Everest, conquiste os seus sonhos.

Te desejo uma excelente semana, com o meu abraço do tamanho do Everest.

*Rosier Alexandre é graduado em marketing, palestrante, consultor organizacional e alpinista profissional.

A coluna “Qual o seu Everest?” é publicada no Tribuna do Ceará todas as segundas-feiras e também vai ao ar na Tribuna BandNews (FM 101.7), às 9h10.

Publicidade

Dê sua opinião

QUAL O SEU EVEREST?

Rosier Alexandre: “O que você está carregando na sua bagagem”?

Nossos medos e inseguranças são totalmente inúteis e até atrapalham uma parte significativa da nossa vida

Por Tribuna do Ceará em Rosier Alexandre

27 de agosto de 2018 às 15:14

Há 4 meses

Esta semana ouvi um filósofo falando com muita convicção que a ignorância era uma benção. Ele se referia ao fato de os mais jovens serem destemidos, desapegados a bens materiais e não terem muita preocupação com o futuro e com a própria segurança.

Ele enfatizou que aos 52 anos, quanto mais ele envelhece mais ele tem medo. Afirmou ainda que não sai de casa sem uma bolsa cheia de remédios, sem um guarda-chuvas, sem a reserva de hotel, que leva até o papel higiênico na mala e mais um monte de tranqueiras, e que para entrar numa piscina, jamais ele salta, ele antes coloca a ponta do pé para sentir a temperatura da água, em seguida molha até o joelho e muito lentamente vai entrando até a cintura e assim continua o ritual. Ele ainda enfatiza que a consciência nos torna covardes.

Eu discordo dele do começo ao fim. Para começar, o seu comportamento metódico lhe distancia da vida e nem traz segurança muito menos felicidade. Depois, a ignorância é uma lástima e quanto aos jovens que se jogam na piscina e na vida, estão certos. Nem eles e nem eu, devemos pautar nossa vida no medo e no terrorismo e sim na leveza de viver plenamente sem a angústia da busca pela segurança que jamais estará garantida. E o foco excessivo no futuro estraga o presente.

Nossos medos e inseguranças são totalmente inúteis e até atrapalham uma parte significativa da nossa vida. Eu pessoalmente, quero cada dia diminuir o tamanho da mala para aumentar a qualidade da minha experiência de viajante e de vivente. Como diz o sábio filósofo Mario Sérgio Cortella: “quem envelhece são as máquinas”. Eu entendo que as pessoas não podem parar o tempo, mas aqueles que sabem viver com sabedoria, cada dia se desapegam de inseguranças, medos e inutilidades e vivem mais intensamente.

Eu gosto das incertezas e dos inesperados. Assim, cada dia é novo e com isso eu também me renovo. Anote isso e nunca esqueça: A vida é muito curta para ser ocupada por medos e preocupações. Deixe os seus medos de lado, viva a aventura da sua vida, escale o seu Everest, conquiste os seus sonhos.

Te desejo uma excelente semana, com o meu abraço do tamanho do Everest.

*Rosier Alexandre é graduado em marketing, palestrante, consultor organizacional e alpinista profissional.

A coluna “Qual o seu Everest?” é publicada no Tribuna do Ceará todas as segundas-feiras e também vai ao ar na Tribuna BandNews (FM 101.7), às 9h10.