Rosier Alexandre: “Então é Natal"

QUAL O SEU EVEREST?

Rosier Alexandre: “Então é Natal”

Que tal neste Natal, em vez de presentes que são meros símbolos consumistas, trocarmos mais carinho e mais manifestações de paz?

Por Tribuna do Ceará em Rosier Alexandre

25 de dezembro de 2017 às 09:20

Há 7 meses

Então é Natal, a festa cristã, festa que muitos comemoram sem pensar no seu verdadeiro sentido. Inicialmente era um momento de celebrar o nascimento anual do Deus Sol, porém a Igreja Católica passou a comemorar o nascimento de Jesus Cristo como motivo para atrair mais seguidores para o cristianismo.

Hoje, o lado mais lembrado é o comercial, esquecemos o Deus Sol, assim como o sentido cristão, e deixamos o mercado explorar apenas o lado comercial. Enquanto a comemoração ocorre no dia 25 de dezembro, os lojistas começam a decorar suas lojas ainda em outubro e iniciam as promoções natalinas que vendem todos os bens de consumo: roupas, brinquedos, calçados, eletrônicos e comidas, menos o verdadeiro sentido natalino.

Mas aqui não quero falar apenas do lado cristão, quero trazer o lado espiritual. Independente da crença que professamos, todos devemos cuidar da nossa espiritualidade, não importa se você segue a Jesus Cristo, Alá, Brahma, Jeová, Khishna, Buda ou qualquer outro. Todos os movimentos espirituais genuínos pregam a compaixão, a justiça, a retidão, a verdade e o amor.

Se seguirmos isso, estamos todos alinhados com as leis imutáveis da felicidade plena e da tranquilidade de espírito. A paz começa dentro de cada um de nós, não podemos esperar ou pretender que inicie através dos outros, também não precisamos bens materiais ou status de poder para contribuir com a promoção da paz, basta intenção e atitude.

As igrejas são apenas meios físicos onde as pessoas se encontram, não um meio em si mesmo. O que realmente faz a diferença são as nossas atitudes e aqui quero destacar uma experiência que vi acontecer no Nepal e foi marcante para a minha vida; um templo religioso sendo compartilhado por pessoas de duas religiões distintas, algo raro de se ver, mas ao mesmo tempo de um significado muito profundo, afinal, por que não usar os mesmos templos se somos todos filhos do mesmo criador?

Que tal neste Natal, em vez de presentes que são meros símbolos consumistas, trocarmos mais carinho e mais manifestações de paz? Que tal uma visita pessoal aquele amigo que não vê a algum tempo? Que tal um encontro de família onde todos possam conversar entre si e celebrar e fortalecer a paz e a união familiar?

Te desejo um feliz e abençoado natal, com o meu abraço do tamanho do Everest.

*Rosier Alexandre é graduado em marketing, palestrante, consultor organizacional e alpinista profissional.

A coluna “Qual o seu Everest?” é publicada no Tribuna do Ceará todas as segundas-feiras e também vai ao ar na Tribuna BandNews (FM 101.7), às 9h10.

Publicidade

Dê sua opinião

QUAL O SEU EVEREST?

Rosier Alexandre: “Então é Natal”

Que tal neste Natal, em vez de presentes que são meros símbolos consumistas, trocarmos mais carinho e mais manifestações de paz?

Por Tribuna do Ceará em Rosier Alexandre

25 de dezembro de 2017 às 09:20

Há 7 meses

Então é Natal, a festa cristã, festa que muitos comemoram sem pensar no seu verdadeiro sentido. Inicialmente era um momento de celebrar o nascimento anual do Deus Sol, porém a Igreja Católica passou a comemorar o nascimento de Jesus Cristo como motivo para atrair mais seguidores para o cristianismo.

Hoje, o lado mais lembrado é o comercial, esquecemos o Deus Sol, assim como o sentido cristão, e deixamos o mercado explorar apenas o lado comercial. Enquanto a comemoração ocorre no dia 25 de dezembro, os lojistas começam a decorar suas lojas ainda em outubro e iniciam as promoções natalinas que vendem todos os bens de consumo: roupas, brinquedos, calçados, eletrônicos e comidas, menos o verdadeiro sentido natalino.

Mas aqui não quero falar apenas do lado cristão, quero trazer o lado espiritual. Independente da crença que professamos, todos devemos cuidar da nossa espiritualidade, não importa se você segue a Jesus Cristo, Alá, Brahma, Jeová, Khishna, Buda ou qualquer outro. Todos os movimentos espirituais genuínos pregam a compaixão, a justiça, a retidão, a verdade e o amor.

Se seguirmos isso, estamos todos alinhados com as leis imutáveis da felicidade plena e da tranquilidade de espírito. A paz começa dentro de cada um de nós, não podemos esperar ou pretender que inicie através dos outros, também não precisamos bens materiais ou status de poder para contribuir com a promoção da paz, basta intenção e atitude.

As igrejas são apenas meios físicos onde as pessoas se encontram, não um meio em si mesmo. O que realmente faz a diferença são as nossas atitudes e aqui quero destacar uma experiência que vi acontecer no Nepal e foi marcante para a minha vida; um templo religioso sendo compartilhado por pessoas de duas religiões distintas, algo raro de se ver, mas ao mesmo tempo de um significado muito profundo, afinal, por que não usar os mesmos templos se somos todos filhos do mesmo criador?

Que tal neste Natal, em vez de presentes que são meros símbolos consumistas, trocarmos mais carinho e mais manifestações de paz? Que tal uma visita pessoal aquele amigo que não vê a algum tempo? Que tal um encontro de família onde todos possam conversar entre si e celebrar e fortalecer a paz e a união familiar?

Te desejo um feliz e abençoado natal, com o meu abraço do tamanho do Everest.

*Rosier Alexandre é graduado em marketing, palestrante, consultor organizacional e alpinista profissional.

A coluna “Qual o seu Everest?” é publicada no Tribuna do Ceará todas as segundas-feiras e também vai ao ar na Tribuna BandNews (FM 101.7), às 9h10.