Rosier Alexandre: Diversidade - A riqueza de uma equipe

QUAL O SEU EVEREST?

Rosier Alexandre: Diversidade – A riqueza de uma equipe

O maior patrimônio de uma empresa não está na sua conta corrente e nem nas suas máquinas, mas na paixão que ela consegue imprimir

Por Tribuna do Ceará em Rosier Alexandre

23 de Abril de 2018 às 18:11

Há 4 meses

A monotonia é pobre e até triste, enquanto a diversidade é alegre e sinônimo de riqueza. Quando falo de diversidade me refiro a gênero, idade, estilo de vida, crenças religiosas, poder aquisitivo, opções políticas, cultura, etnia, formação e tudo que dá identidade a uma pessoa. A diversidade pode se manifestar no jeito de ver o mundo, na forma de cultivar crenças, como manifestar a espiritualidade, na visão política ou até mesmo no gosto musical.

Nenhum time de futebol teria bom desempenho se todos os jogadores fossem atacantes ou goleiros, para fazer brilhar a magia e os encantos do futebol, um time precisa ter jogadores com habilidades diferentes.

Assim como no time de futebol, dentro de uma empresa, para atingir bons resultados, ela necessita ter pessoas com habilidades diversas, uns mais dinâmicos, outros mais lentos, uns mais realizadores e outros planejadores, aqueles que gostam de rotina e outros que se sentem melhor em cargos onde cada dia é diferente e sem horários definidos.

Nenhum de nós, por mais inteligente que seja, será autossuficiente, o contrário, também não é saudável ser dependente. O momento mais nobre da nossa vida é quando entendemos que somos todos interdependentes e aprendemos a respeitar as pessoas independente do cargo ou hierarquia, esse é o ponto de mutação. Quando entendemos que temos alguns conhecimentos específicos que podem contribuir com uma causa e também temos humildade para saber pedir ajuda e contar com pessoas que possuem talentos diferentes dos nossos. Quando bem gerida, a diversidade cria um ambiente dinâmico que facilita a troca de conhecimentos, estimula a gestão de mudanças, favorece a criatividade e produz um ambiente que facilita a construção de soluções.

Na área corporativa não existe um papel mais importante que outro, o que existe são funções diferentes e complementares. Somente com todos juntos somando conhecimentos é que a empresa consegue a sinergia para produzir resultados. Para a empresa conseguir atingir um alto desempenho e a competitividade que o mundo moderno exige, as pessoas que constroem a empresa precisam saber colocar em relevo aquilo que os unem e não o que os separa.

O maior patrimônio de uma empresa não está na sua conta corrente e nem nas suas máquinas, mas na paixão que ela consegue imprimir nos seus colaboradores para manterem uma mente aberta para a diversidade e trabalhando de forma colaborativa.

Te desejo uma excelente semana, com o meu abraço do tamanho do Everest.

*Rosier Alexandre é graduado em marketing, palestrante, consultor organizacional e alpinista profissional.

A coluna “Qual o seu Everest?” é publicada no Tribuna do Ceará todas as segundas-feiras e também vai ao ar na Tribuna BandNews (FM 101.7), às 9h10.

Publicidade

Dê sua opinião

QUAL O SEU EVEREST?

Rosier Alexandre: Diversidade – A riqueza de uma equipe

O maior patrimônio de uma empresa não está na sua conta corrente e nem nas suas máquinas, mas na paixão que ela consegue imprimir

Por Tribuna do Ceará em Rosier Alexandre

23 de Abril de 2018 às 18:11

Há 4 meses

A monotonia é pobre e até triste, enquanto a diversidade é alegre e sinônimo de riqueza. Quando falo de diversidade me refiro a gênero, idade, estilo de vida, crenças religiosas, poder aquisitivo, opções políticas, cultura, etnia, formação e tudo que dá identidade a uma pessoa. A diversidade pode se manifestar no jeito de ver o mundo, na forma de cultivar crenças, como manifestar a espiritualidade, na visão política ou até mesmo no gosto musical.

Nenhum time de futebol teria bom desempenho se todos os jogadores fossem atacantes ou goleiros, para fazer brilhar a magia e os encantos do futebol, um time precisa ter jogadores com habilidades diferentes.

Assim como no time de futebol, dentro de uma empresa, para atingir bons resultados, ela necessita ter pessoas com habilidades diversas, uns mais dinâmicos, outros mais lentos, uns mais realizadores e outros planejadores, aqueles que gostam de rotina e outros que se sentem melhor em cargos onde cada dia é diferente e sem horários definidos.

Nenhum de nós, por mais inteligente que seja, será autossuficiente, o contrário, também não é saudável ser dependente. O momento mais nobre da nossa vida é quando entendemos que somos todos interdependentes e aprendemos a respeitar as pessoas independente do cargo ou hierarquia, esse é o ponto de mutação. Quando entendemos que temos alguns conhecimentos específicos que podem contribuir com uma causa e também temos humildade para saber pedir ajuda e contar com pessoas que possuem talentos diferentes dos nossos. Quando bem gerida, a diversidade cria um ambiente dinâmico que facilita a troca de conhecimentos, estimula a gestão de mudanças, favorece a criatividade e produz um ambiente que facilita a construção de soluções.

Na área corporativa não existe um papel mais importante que outro, o que existe são funções diferentes e complementares. Somente com todos juntos somando conhecimentos é que a empresa consegue a sinergia para produzir resultados. Para a empresa conseguir atingir um alto desempenho e a competitividade que o mundo moderno exige, as pessoas que constroem a empresa precisam saber colocar em relevo aquilo que os unem e não o que os separa.

O maior patrimônio de uma empresa não está na sua conta corrente e nem nas suas máquinas, mas na paixão que ela consegue imprimir nos seus colaboradores para manterem uma mente aberta para a diversidade e trabalhando de forma colaborativa.

Te desejo uma excelente semana, com o meu abraço do tamanho do Everest.

*Rosier Alexandre é graduado em marketing, palestrante, consultor organizacional e alpinista profissional.

A coluna “Qual o seu Everest?” é publicada no Tribuna do Ceará todas as segundas-feiras e também vai ao ar na Tribuna BandNews (FM 101.7), às 9h10.