Rosier Alexandre: "Como captar de recursos para realizar projetos?"
QUAL O SEU EVEREST?

Rosier Alexandre: “Como captar de recursos para realizar projetos?”

O que sugiro a quem deseja iniciar um projeto esportivo ou um negócio é que deixe de pedir e proponha negócios

Por Tribuna do Ceará em Rosier Alexandre

13 de março de 2017 às 15:11

Há 3 meses

Por Rosier Alexandre

Tendo escalado a maior montanha de cada continente e feito três expedições ao Everest, a maior montanha da terra e a mais cara para escalar, muita gente passou a me consultar para saber como viabilizar projetos esportivos e novos negócios. Antes explico que nunca fui um atleta patrocinado, na verdade nem atleta sou. Eu cultivei um sonho que exigia força, treinamento e planejamento do nível de um atleta olímpico. No entanto, sou um administrador de empresas, eu dirijo uma empresa de consultoria que faz palestras e treinamentos para formação de líderes e planejamento estratégico. As escaladas que fiz foi por hobby.

O que sugiro a quem deseja iniciar um projeto esportivo ou um negócio é que, ao buscarem parceiros, não peçam nada, afinal as empresas ralam muito para sobreviver no Brasil, elas não podem sair distribuindo dinheiro, deixe de pedir e proponha negócios. E para isso, você precisa oferecer algum benefício para o seu parceiro, pode ser uma melhoria interna de algum processo, pode ser uma associação a um conceito ou até exposição da marca. Pense no seu projeto como um negócio, nenhuma empresa se mantém viva trocando seis por meia dúzia, então se pergunte: O que eu ofereço para o meu parceiro é maior que a participação dele no projeto? Ele terá ganhos reais comigo?

Alguns atletas insistem no erro de dizer, mas meu projeto custa muito pouco, são apenas 4 ou 5 mil dólares. Eu lhes digo: dinheiro não é problema, caro é o que não traz resultados. A companhia aérea que investe até 428 milhões dólares em um Airbus A380 é a mesma que já me negou um apoio de 5 mil dólares. Existe algo de errado nisso? De forma alguma, a empresa investe uma montanha de dinheiro na aeronave que traz resultados e deixou de investir 5 mil dólares no meu projeto porque eu não consegui mostrar benefícios pra ela, se alguém errou foi eu.

Portanto, entenda uma coisa, caro é o que não traz resultados. Antes de bater na porta de uma empresa para buscar parceria lembre que empresas nascem para fazer negócios e você precisa ter algo novo, uma ideia inédita, algo que faça a diferença, que seja único.

Bote a cabeça para trabalhar e tenha uma excelente semana com grandes negócios! Com meu abraço do tamanho do Everest.

*Rosier Alexandre é graduado em marketing, palestrante, consultor organizacional e alpinista profissional.

A coluna “Qual o seu Everest?” é publicada no Tribuna do Ceará todas as segundas-feiras e também vai ao ar na Tribuna BandNews (FM 101.7), às 9h10.

Publicidade

Dê sua opinião

QUAL O SEU EVEREST?

Rosier Alexandre: “Como captar de recursos para realizar projetos?”

O que sugiro a quem deseja iniciar um projeto esportivo ou um negócio é que deixe de pedir e proponha negócios

Por Tribuna do Ceará em Rosier Alexandre

13 de março de 2017 às 15:11

Há 3 meses

Por Rosier Alexandre

Tendo escalado a maior montanha de cada continente e feito três expedições ao Everest, a maior montanha da terra e a mais cara para escalar, muita gente passou a me consultar para saber como viabilizar projetos esportivos e novos negócios. Antes explico que nunca fui um atleta patrocinado, na verdade nem atleta sou. Eu cultivei um sonho que exigia força, treinamento e planejamento do nível de um atleta olímpico. No entanto, sou um administrador de empresas, eu dirijo uma empresa de consultoria que faz palestras e treinamentos para formação de líderes e planejamento estratégico. As escaladas que fiz foi por hobby.

O que sugiro a quem deseja iniciar um projeto esportivo ou um negócio é que, ao buscarem parceiros, não peçam nada, afinal as empresas ralam muito para sobreviver no Brasil, elas não podem sair distribuindo dinheiro, deixe de pedir e proponha negócios. E para isso, você precisa oferecer algum benefício para o seu parceiro, pode ser uma melhoria interna de algum processo, pode ser uma associação a um conceito ou até exposição da marca. Pense no seu projeto como um negócio, nenhuma empresa se mantém viva trocando seis por meia dúzia, então se pergunte: O que eu ofereço para o meu parceiro é maior que a participação dele no projeto? Ele terá ganhos reais comigo?

Alguns atletas insistem no erro de dizer, mas meu projeto custa muito pouco, são apenas 4 ou 5 mil dólares. Eu lhes digo: dinheiro não é problema, caro é o que não traz resultados. A companhia aérea que investe até 428 milhões dólares em um Airbus A380 é a mesma que já me negou um apoio de 5 mil dólares. Existe algo de errado nisso? De forma alguma, a empresa investe uma montanha de dinheiro na aeronave que traz resultados e deixou de investir 5 mil dólares no meu projeto porque eu não consegui mostrar benefícios pra ela, se alguém errou foi eu.

Portanto, entenda uma coisa, caro é o que não traz resultados. Antes de bater na porta de uma empresa para buscar parceria lembre que empresas nascem para fazer negócios e você precisa ter algo novo, uma ideia inédita, algo que faça a diferença, que seja único.

Bote a cabeça para trabalhar e tenha uma excelente semana com grandes negócios! Com meu abraço do tamanho do Everest.

*Rosier Alexandre é graduado em marketing, palestrante, consultor organizacional e alpinista profissional.

A coluna “Qual o seu Everest?” é publicada no Tribuna do Ceará todas as segundas-feiras e também vai ao ar na Tribuna BandNews (FM 101.7), às 9h10.