Rosier Alexandre: À procura da felicidade
QUAL O SEU EVEREST?

Rosier Alexandre: “À procura da felicidade”

Curiosamente a felicidade plena está mais próxima de um por do sol e o cheiro de uma flor que de um carro novo e um restaurante caro

Por Tribuna do Ceará em Rosier Alexandre

31 de julho de 2017 às 08:38

Há 3 semanas

Por Rosier Alexandre

Quando falamos em felicidade, muitos olhos brilham. Todos querem ser feliz, inclusive eu. Na verdade, vivemos à procura da felicidade. Porém sabemos que a tão desejada felicidade é coisa rara. Alguns acham que necessitam de muito dinheiro para atingi-la, outros acham que dinheiro não tem nenhuma importância; ambos estão errados. Dinheiro tem a sua importância nas nossas vidas, afinal de contas, a felicidade não combina com contas atrasadas. Mas dinheiro não é determinante.

Eu sei o quanto é bom fazer uma viagem turística, mas guardo ótimas recordações de quando a única atividade turística que eu tinha acesso era subir a Serra da Aratanha aos domingos. Naquela época, eu tomava água nas cachoeira e tudo que comia era banana encontrada na trilha. Eu sei também que o conforto de um hotel é bom, mas jamais vou esquecer a experiência de estar dentro de uma pequena barraca no alto de uma montanha isolada do mundo urbano e tecnológico.

Eu viajei pelos sete continentes, convivi com gente de diversas etnias e classes sociais, visitei grandes metrópoles e importantes atrativos turísticos, porém os momentos mais marcantes e que vão fazer parte da minha história foram ao lado de pessoas muito simples, alguns tribais da Papua Nova Guiné e outros do interior da Tanzânia. Curiosamente a felicidade plena está mais próxima de um por do sol e o cheiro de uma flor que de um carro novo e um restaurante caro.

sunset

(FOTO: Flickr/ Creative Commons/ Xander John Dacyon)

Coisas muito simples como escutar o barulho das ondas do mar, escutar o vento balançando as árvores, sentir a brisa bater no rosto, observar um céu estrelado ou ouvir os pássaros cantarem nos proporcionam momentos de plena felicidade e custam muito pouco. O preço pode ser uma pequena caminhada até uma praia ou um parque.

Que tal no próximo momento livre trocar o shopping center por uma atividade de contato com a natureza? Garanto que vai lhe fazer muito bem. Use todos os seus talentos para buscar a felicidade, mas não esqueça: ela não está em compras ou viagens internacionais, está dentro de você mesmo.

Tenha uma excelente semana com o meu abraço do tamanho do Everest.

*Rosier Alexandre é graduado em marketing, palestrante, consultor organizacional e alpinista profissional.

A coluna “Qual o seu Everest?” é publicada no Tribuna do Ceará todas as segundas-feiras e também vai ao ar na Tribuna BandNews (FM 101.7), às 9h10.

Publicidade

Dê sua opinião

QUAL O SEU EVEREST?

Rosier Alexandre: “À procura da felicidade”

Curiosamente a felicidade plena está mais próxima de um por do sol e o cheiro de uma flor que de um carro novo e um restaurante caro

Por Tribuna do Ceará em Rosier Alexandre

31 de julho de 2017 às 08:38

Há 3 semanas

Por Rosier Alexandre

Quando falamos em felicidade, muitos olhos brilham. Todos querem ser feliz, inclusive eu. Na verdade, vivemos à procura da felicidade. Porém sabemos que a tão desejada felicidade é coisa rara. Alguns acham que necessitam de muito dinheiro para atingi-la, outros acham que dinheiro não tem nenhuma importância; ambos estão errados. Dinheiro tem a sua importância nas nossas vidas, afinal de contas, a felicidade não combina com contas atrasadas. Mas dinheiro não é determinante.

Eu sei o quanto é bom fazer uma viagem turística, mas guardo ótimas recordações de quando a única atividade turística que eu tinha acesso era subir a Serra da Aratanha aos domingos. Naquela época, eu tomava água nas cachoeira e tudo que comia era banana encontrada na trilha. Eu sei também que o conforto de um hotel é bom, mas jamais vou esquecer a experiência de estar dentro de uma pequena barraca no alto de uma montanha isolada do mundo urbano e tecnológico.

Eu viajei pelos sete continentes, convivi com gente de diversas etnias e classes sociais, visitei grandes metrópoles e importantes atrativos turísticos, porém os momentos mais marcantes e que vão fazer parte da minha história foram ao lado de pessoas muito simples, alguns tribais da Papua Nova Guiné e outros do interior da Tanzânia. Curiosamente a felicidade plena está mais próxima de um por do sol e o cheiro de uma flor que de um carro novo e um restaurante caro.

sunset

(FOTO: Flickr/ Creative Commons/ Xander John Dacyon)

Coisas muito simples como escutar o barulho das ondas do mar, escutar o vento balançando as árvores, sentir a brisa bater no rosto, observar um céu estrelado ou ouvir os pássaros cantarem nos proporcionam momentos de plena felicidade e custam muito pouco. O preço pode ser uma pequena caminhada até uma praia ou um parque.

Que tal no próximo momento livre trocar o shopping center por uma atividade de contato com a natureza? Garanto que vai lhe fazer muito bem. Use todos os seus talentos para buscar a felicidade, mas não esqueça: ela não está em compras ou viagens internacionais, está dentro de você mesmo.

Tenha uma excelente semana com o meu abraço do tamanho do Everest.

*Rosier Alexandre é graduado em marketing, palestrante, consultor organizacional e alpinista profissional.

A coluna “Qual o seu Everest?” é publicada no Tribuna do Ceará todas as segundas-feiras e também vai ao ar na Tribuna BandNews (FM 101.7), às 9h10.