Rosier Alexandre: "A felicidade não é um destino, mas o caminho"

QUAL O SEU EVEREST?

Rosier Alexandre: “A felicidade não é um destino, mas o caminho”

Não é um pecado ser feliz, pelo contrário, é muito bom. O erro é quando existe uma busca desenfreada

Por Tribuna do Ceará em Rosier Alexandre

4 de fevereiro de 2019 às 08:48

Há 3 semanas

Hoje, estamos vivendo tempos onde uma grande parcela da sociedade busca a felicidade como objetivo final. Não é um pecado ser feliz, pelo contrário, é muito bom.

O erro é quando existe uma busca desenfreada como se fosse uma caça ao tesouro e se quer isso a qualquer preço. Algumas vezes o objetivo maior é inflar o próprio ego, seja através das redes sociais ou da aquisição de bens de consumo.

O excesso e o mal uso das redes sociais está gerando uma paranoia na vida de muita gente. Alguns fazem investimentos para produzirem fotos e postarem mostrando algo que não faz parte da sua realidade. Existe até empresa especializada em alugar jatinhos para sessão de fotos para fingir riqueza, o jatinho sequer sai do chão e o champagne é só para foto.

Atos como este mostram a solidão de quem vive no meio da multidão, denuncia a baixa estima. Estas pessoas não entenderam que exagerar nas aparências só atrai energias negativas e afasta da verdadeira felicidade.

Eu acredito que a felicidade passa longe dos excessos que vemos nas redes sociais. Não vejo problemas em alguém compartilhar momentos festivos, mas fingir algo que não é real para parecer bem na fita, isso é preocupante. Demonstra um marketing completamente distorcido: comprar o que não precisa, com o dinheiro que ele não tem para mostrar às pessoas que ele não gosta aquilo que ele não é.

A felicidade é tão mais fácil do que você imagina. Ela não é um destino, mas o caminho. Alguns pensam que para o alpinista, a felicidade é chegar ao cume, isso é um grande equívoco. A felicidade é todo o caminho, desde o momento onde a ideia vem a mente, depois se transforma em sonho, a fase de planejamento, seguido de treinos e uma longa execução, para finalmente ter a possibilidade de chegar ao cume.

Eu passei 12 anos escalando montanhas para concluir o projeto sete cumes e finalmente colocar os pés no cume do Everest e pasmem, não fiquei sequer 10 minutos no cume e valeu demais. As montanhas me ensinaram que para chegar ao cume, é preciso abrir mão de todo conforto do ambiente urbano e da segurança tão própria do lar.

Ao sair da zona de conforto, somos levados a viver nossa essência, a resgatar nossas origens, nosso espírito primitivo. Nesse processo de reconstrução, nos damos conta de que é preciso bem pouco para ser feliz. Muito menos do que você imagina. O preço que ela te cobra é apenas uma entrega totalitária, de corpo e alma naquilo que você faz todos os dias.

Te desejo uma excelente semana com o meu abraço do tamanho do Everest.

Publicidade

Dê sua opinião

QUAL O SEU EVEREST?

Rosier Alexandre: “A felicidade não é um destino, mas o caminho”

Não é um pecado ser feliz, pelo contrário, é muito bom. O erro é quando existe uma busca desenfreada

Por Tribuna do Ceará em Rosier Alexandre

4 de fevereiro de 2019 às 08:48

Há 3 semanas

Hoje, estamos vivendo tempos onde uma grande parcela da sociedade busca a felicidade como objetivo final. Não é um pecado ser feliz, pelo contrário, é muito bom.

O erro é quando existe uma busca desenfreada como se fosse uma caça ao tesouro e se quer isso a qualquer preço. Algumas vezes o objetivo maior é inflar o próprio ego, seja através das redes sociais ou da aquisição de bens de consumo.

O excesso e o mal uso das redes sociais está gerando uma paranoia na vida de muita gente. Alguns fazem investimentos para produzirem fotos e postarem mostrando algo que não faz parte da sua realidade. Existe até empresa especializada em alugar jatinhos para sessão de fotos para fingir riqueza, o jatinho sequer sai do chão e o champagne é só para foto.

Atos como este mostram a solidão de quem vive no meio da multidão, denuncia a baixa estima. Estas pessoas não entenderam que exagerar nas aparências só atrai energias negativas e afasta da verdadeira felicidade.

Eu acredito que a felicidade passa longe dos excessos que vemos nas redes sociais. Não vejo problemas em alguém compartilhar momentos festivos, mas fingir algo que não é real para parecer bem na fita, isso é preocupante. Demonstra um marketing completamente distorcido: comprar o que não precisa, com o dinheiro que ele não tem para mostrar às pessoas que ele não gosta aquilo que ele não é.

A felicidade é tão mais fácil do que você imagina. Ela não é um destino, mas o caminho. Alguns pensam que para o alpinista, a felicidade é chegar ao cume, isso é um grande equívoco. A felicidade é todo o caminho, desde o momento onde a ideia vem a mente, depois se transforma em sonho, a fase de planejamento, seguido de treinos e uma longa execução, para finalmente ter a possibilidade de chegar ao cume.

Eu passei 12 anos escalando montanhas para concluir o projeto sete cumes e finalmente colocar os pés no cume do Everest e pasmem, não fiquei sequer 10 minutos no cume e valeu demais. As montanhas me ensinaram que para chegar ao cume, é preciso abrir mão de todo conforto do ambiente urbano e da segurança tão própria do lar.

Ao sair da zona de conforto, somos levados a viver nossa essência, a resgatar nossas origens, nosso espírito primitivo. Nesse processo de reconstrução, nos damos conta de que é preciso bem pouco para ser feliz. Muito menos do que você imagina. O preço que ela te cobra é apenas uma entrega totalitária, de corpo e alma naquilo que você faz todos os dias.

Te desejo uma excelente semana com o meu abraço do tamanho do Everest.