Roberto Costa: "Quer economizar? Leia o manual"

SEM QUILÔMETROS

Roberto Costa: “Quer economizar? Leia o manual”

Se a economia é assunto do momento, a forma de dirigir e manter o veículo é fundamental

Por Roberta Tavares em Roberto Costa

3 de dezembro de 2016 às 06:10

Há 1 ano

Por Roberto Costa

No Brasil, manual de instruções é apenas um livreto sem importância que acompanha o produto. Dentro da teoria, muita gente estraga o produto, utiliza de forma antieconômica ou com desgaste excessivo, além de acabar pagando por serviços de manutenção desnecessários, pois no mesmo vai estar claro a forma de resolver.

Com o advento da internet e a chegada dos manuais eletrônicos, imaginou-se que tal situação deixaria, pelo menos em parte, de existir, mas a premissa não se cumpriu, e muitos continuam com os mesmos hábitos e vícios do passado.

Com os veículos motorizados, a situação pode até ser pior, pois envolve um volume de informações muito grande. E, a partir delas, a utilização correta do meio de transporte que necessita de condução correta, não só para evitar prejuízos, mas também para manter a segurança pessoal e de toda a coletividade embarcada ou não.

A maior preocupação geral e, em particular, nestes momentos de crise é economizar gerando mitos e pseudas verdades que nascem aos quatro cantos, formando uma geração de mestres na arte de utilizar um veículo, mestres estes que nunca foram ao Manual de Instruções e criaram uma verdadeira enciclopédia de erros.

Com informações trazidas nos Manuais, é possível responder muitas perguntas de real interesse. Se a economia é assunto do momento, a forma de dirigir e manter o veículo é fundamental.

Muitos perguntam qual a maneira de gastar menos combustível. A primeira não está no veículo e, sim, na logística diária de cada um. É importante logo cedo saber quais as obrigações do dia, evitando trajetos repetidos ou sem importância. No caso da utilização de dois veículos, saber se com apenas um, mesmo que andando lotado, as necessidades não seriam cumpridas, evitando gastos com combustível e manutenção por desgaste.

Andar com mais peso desde que dentro dos parâmetros informados pelo fabricante não vai estragar seu carro e o aumento no consumo gerado ainda trará lucro visto que está utilizando apenas um veículo.

Se o dia a dia requerer a utilização de estradas, saiba que aumentar a velocidade não vai gerar problemas ao motor do seu carro que foi planejado para tal fim. Mas elevar em demasia os giros do motor ao esticar as marchas vai trazer consumo extra, mais temperatura e um desgaste acima do normal que, com o tempo, vai trazer um custo extra na manutenção e riscos de apagar a qualquer momento. Os motores modernos possuem limitador de rotações, mas este equipamento não faz milagres eternos, apenas atenua o abuso do momento.

Pneus descalibrados são prejuízo em dobro (FOTO: Divulgação)

Pneus descalibrados são prejuízo em dobro (FOTO: Divulgação)

Procure saber qual a faixa de rotações ideais para o funcionamento do motor e, tendo conta-giros, seja obediente e não tendo use a sensibilidade e o ouvido para “sentir” quando o barulho cresce de forma acima do normal e troque de marcha. Atenção ao pé esquerdo para não apoiar no pedal da embreagem e além de desgastar todo o sistema ainda vai fazer o motor trabalhar forçado.

Acessórios, tais como ar-condicionado e direção hidráulica, podem aumentar o consumo de combustível, mas o custo-benefício é plenamente positivo graças ao conforto e segurança que oferecem.

Pneus descalibrados são prejuízo em dobro. Primeiro pelo desgaste excessivo da banda de rodagem e depois com o aumento do atrito, gerando consumo de combustível. Calibre os pneus do seu carro a cada abastecimento ou, no máximo, a cada 10 dias, sempre frios. Ou seja, o ideal é pela manhã logo nos primeiros quilômetros rodados.

Ainda na garagem, antes de ligar o motor pela primeira vez no dia, veja os níveis dos óleos e da água. Motor quente oferece uma leitura distorcida, e muitos já colocarem óleo e água em excesso, trazendo problemas que vão de um simples vazamento ao famoso “calço hidráulico”, que quebra bielas trazendo uma perda quase total ao motor.

Seguindo estas regras básicas, além de conseguir uma boa economia, o motorista ainda vai trafegar com segurança. Lembre que seguir as normas de trânsito, ter calma e bom senso ainda são formas de viver bem.

*Roberto Costa é jornalista especializado em veículos há 40 anos e autor do blog www.robertopcosta.blogspot.com.br. Com experiência em áreas de vendas, marketing e pós-venda em distribuidores de veículos, atuou também na organização e vistorias de carros em competições automotoras. 

A coluna “Sem Quilômetros” é publicada no Tribuna do Ceará, aos sábados, e vai ao ar na Rádio Tribuna BandNews (FM 101.7) às segundas e quartas-feiras, às 7h10, e na Edição da Noite, a partir das 18h.

Publicidade

Dê sua opinião

SEM QUILÔMETROS

Roberto Costa: “Quer economizar? Leia o manual”

Se a economia é assunto do momento, a forma de dirigir e manter o veículo é fundamental

Por Roberta Tavares em Roberto Costa

3 de dezembro de 2016 às 06:10

Há 1 ano

Por Roberto Costa

No Brasil, manual de instruções é apenas um livreto sem importância que acompanha o produto. Dentro da teoria, muita gente estraga o produto, utiliza de forma antieconômica ou com desgaste excessivo, além de acabar pagando por serviços de manutenção desnecessários, pois no mesmo vai estar claro a forma de resolver.

Com o advento da internet e a chegada dos manuais eletrônicos, imaginou-se que tal situação deixaria, pelo menos em parte, de existir, mas a premissa não se cumpriu, e muitos continuam com os mesmos hábitos e vícios do passado.

Com os veículos motorizados, a situação pode até ser pior, pois envolve um volume de informações muito grande. E, a partir delas, a utilização correta do meio de transporte que necessita de condução correta, não só para evitar prejuízos, mas também para manter a segurança pessoal e de toda a coletividade embarcada ou não.

A maior preocupação geral e, em particular, nestes momentos de crise é economizar gerando mitos e pseudas verdades que nascem aos quatro cantos, formando uma geração de mestres na arte de utilizar um veículo, mestres estes que nunca foram ao Manual de Instruções e criaram uma verdadeira enciclopédia de erros.

Com informações trazidas nos Manuais, é possível responder muitas perguntas de real interesse. Se a economia é assunto do momento, a forma de dirigir e manter o veículo é fundamental.

Muitos perguntam qual a maneira de gastar menos combustível. A primeira não está no veículo e, sim, na logística diária de cada um. É importante logo cedo saber quais as obrigações do dia, evitando trajetos repetidos ou sem importância. No caso da utilização de dois veículos, saber se com apenas um, mesmo que andando lotado, as necessidades não seriam cumpridas, evitando gastos com combustível e manutenção por desgaste.

Andar com mais peso desde que dentro dos parâmetros informados pelo fabricante não vai estragar seu carro e o aumento no consumo gerado ainda trará lucro visto que está utilizando apenas um veículo.

Se o dia a dia requerer a utilização de estradas, saiba que aumentar a velocidade não vai gerar problemas ao motor do seu carro que foi planejado para tal fim. Mas elevar em demasia os giros do motor ao esticar as marchas vai trazer consumo extra, mais temperatura e um desgaste acima do normal que, com o tempo, vai trazer um custo extra na manutenção e riscos de apagar a qualquer momento. Os motores modernos possuem limitador de rotações, mas este equipamento não faz milagres eternos, apenas atenua o abuso do momento.

Pneus descalibrados são prejuízo em dobro (FOTO: Divulgação)

Pneus descalibrados são prejuízo em dobro (FOTO: Divulgação)

Procure saber qual a faixa de rotações ideais para o funcionamento do motor e, tendo conta-giros, seja obediente e não tendo use a sensibilidade e o ouvido para “sentir” quando o barulho cresce de forma acima do normal e troque de marcha. Atenção ao pé esquerdo para não apoiar no pedal da embreagem e além de desgastar todo o sistema ainda vai fazer o motor trabalhar forçado.

Acessórios, tais como ar-condicionado e direção hidráulica, podem aumentar o consumo de combustível, mas o custo-benefício é plenamente positivo graças ao conforto e segurança que oferecem.

Pneus descalibrados são prejuízo em dobro. Primeiro pelo desgaste excessivo da banda de rodagem e depois com o aumento do atrito, gerando consumo de combustível. Calibre os pneus do seu carro a cada abastecimento ou, no máximo, a cada 10 dias, sempre frios. Ou seja, o ideal é pela manhã logo nos primeiros quilômetros rodados.

Ainda na garagem, antes de ligar o motor pela primeira vez no dia, veja os níveis dos óleos e da água. Motor quente oferece uma leitura distorcida, e muitos já colocarem óleo e água em excesso, trazendo problemas que vão de um simples vazamento ao famoso “calço hidráulico”, que quebra bielas trazendo uma perda quase total ao motor.

Seguindo estas regras básicas, além de conseguir uma boa economia, o motorista ainda vai trafegar com segurança. Lembre que seguir as normas de trânsito, ter calma e bom senso ainda são formas de viver bem.

*Roberto Costa é jornalista especializado em veículos há 40 anos e autor do blog www.robertopcosta.blogspot.com.br. Com experiência em áreas de vendas, marketing e pós-venda em distribuidores de veículos, atuou também na organização e vistorias de carros em competições automotoras. 

A coluna “Sem Quilômetros” é publicada no Tribuna do Ceará, aos sábados, e vai ao ar na Rádio Tribuna BandNews (FM 101.7) às segundas e quartas-feiras, às 7h10, e na Edição da Noite, a partir das 18h.