Roberto Costa: "Pneu também tem prazo de validade"

SEM QUILÔMETROS

Roberto Costa: “Pneu também tem prazo de validade”

Nos pneus, é preciso conhecer a nomenclatura, bem como o local onde são exibidas as datas de fabricação e prazo de validade para não ter surpresas desagradáveis

Por Tribuna do Ceará em Roberto Costa

8 de outubro de 2016 às 06:15

Há 1 ano

Por Roberto Costa

Diversas partes do automóvel, por vários motivos, sofrem desgaste e, em alguns casos, tal situação é grave, chegando a ter prazo de validade. O óleo, por exemplo, além da verificação na embalagem deve ser utilizado durante a quilometragem informada pelo fabricante do veículo ou um ano. O que acontecer primeiro.

Lendo o Manual do Veículo, é possível saber os prazos de validade de diversos componentes, mas existem outros, onde os cuidados são específicos do motorista, especialmente depois que são substituídos pela primeira vez. Neste caso, os pneus merecem atenção especial.

Os fabricantes de pneus informam que, entre a data de fabricação e o final de seu uso, o prazo não deve passar de cinco anos. Na hora da compra, jamais ter mais de dois anos de produzido, ou seja, muito sulco na banda de rodagem não representa a segurança que você precisa.

Estar estocado em local apropriado não muda a situação, pois a borracha, antes de virar pneu, passou por diversos processos, recebeu adição de produtos químicos, além de uma espécie de cozimento para que todas as partes se unam formando o produto que sofrerá transformações com o tempo, mesmo sem uso.

Ao contrário dos produtos vendidos em supermercados onde data de fabricação e prazo de validade estão facilmente à mostra, nos pneus é preciso conhecer a nomenclatura, bem como o local onde tais informações estão estampadas. Nessa hora, muito estoque velho acaba indo parar nas ruas e avenidas.

O DOT , Department of Transportation dos Estados Unidos, criou normas que acabaram se tornando internacionais e utilizadas por todos os fabricantes para que se identifique origem, data de fabricação, medida etc. Tais informações estão grafadas na lateral, mas isso não basta, pois é preciso decifrar a mensagem com conhecimento específico e, assim, tal utilidade acaba ficando apenas nas mãos dos profissionais da área, visto que o comprador dificilmente vai se preocupar em fazer tal pesquisa.

O DOT funciona da seguinte forma:
DOT AX 4016 =
40 = SEMANA QUE O PNEU FOI FABRICADO (O ano tem 52 semanas)
16 = O ANO QUE O PNEU FOI FABRICADO

Colunista indica cuidados com os pneus (FOTO: Flickr/Creative Commons/Impactbumper)

Colunista indica cuidados com os pneus (FOTO: Flickr/Creative Commons/Impactbumper)

Com tais informações, é possível na hora da compra saber há quanto tempo o pneu está estocado e se vale a pena comprar, pois o mesmo deverá estar rodando em um prazo de até dois anos. Como já citamos, mesmo estocado, existe degradação da borracha, que vulgarmente é chamada de ‘ressecagem’.

Não é conveniente estocar pneus usados. Caso seja necessário, alguns cuidados devem ser tomados para diminuir a degradação, começando por uma boa lavagem e uma limpeza para a retirada de corpos estranhos que estejam presos à banda de rodagem e guardar sempre à sombra e em locais de baixa temperatura. Lembrando sempre que, após cinco anos de fabricado, é desaconselhado sua utilização.

Muitos ainda imaginam que pneu é comprar igual ao original, montar, calibrar, balancear, e sair por aí!

*Roberto Costa é jornalista especializado em veículos há 40 anos e autor do blog www.robertopcosta.blogspot.com.br. Com experiência em áreas de vendas, marketing e pós-venda em distribuidores de veículos, atuou também na organização e vistorias de carros em competições automotoras. 

A coluna “Sem Quilômetros” é publicada no Tribuna do Ceará, aos sábados, e vai ao ar na Rádio Tribuna BandNews (FM 101.7) às segundas e quartas-feiras, às 7h10, e na Edição da Noite, a partir das 18h.

Publicidade

Dê sua opinião

SEM QUILÔMETROS

Roberto Costa: “Pneu também tem prazo de validade”

Nos pneus, é preciso conhecer a nomenclatura, bem como o local onde são exibidas as datas de fabricação e prazo de validade para não ter surpresas desagradáveis

Por Tribuna do Ceará em Roberto Costa

8 de outubro de 2016 às 06:15

Há 1 ano

Por Roberto Costa

Diversas partes do automóvel, por vários motivos, sofrem desgaste e, em alguns casos, tal situação é grave, chegando a ter prazo de validade. O óleo, por exemplo, além da verificação na embalagem deve ser utilizado durante a quilometragem informada pelo fabricante do veículo ou um ano. O que acontecer primeiro.

Lendo o Manual do Veículo, é possível saber os prazos de validade de diversos componentes, mas existem outros, onde os cuidados são específicos do motorista, especialmente depois que são substituídos pela primeira vez. Neste caso, os pneus merecem atenção especial.

Os fabricantes de pneus informam que, entre a data de fabricação e o final de seu uso, o prazo não deve passar de cinco anos. Na hora da compra, jamais ter mais de dois anos de produzido, ou seja, muito sulco na banda de rodagem não representa a segurança que você precisa.

Estar estocado em local apropriado não muda a situação, pois a borracha, antes de virar pneu, passou por diversos processos, recebeu adição de produtos químicos, além de uma espécie de cozimento para que todas as partes se unam formando o produto que sofrerá transformações com o tempo, mesmo sem uso.

Ao contrário dos produtos vendidos em supermercados onde data de fabricação e prazo de validade estão facilmente à mostra, nos pneus é preciso conhecer a nomenclatura, bem como o local onde tais informações estão estampadas. Nessa hora, muito estoque velho acaba indo parar nas ruas e avenidas.

O DOT , Department of Transportation dos Estados Unidos, criou normas que acabaram se tornando internacionais e utilizadas por todos os fabricantes para que se identifique origem, data de fabricação, medida etc. Tais informações estão grafadas na lateral, mas isso não basta, pois é preciso decifrar a mensagem com conhecimento específico e, assim, tal utilidade acaba ficando apenas nas mãos dos profissionais da área, visto que o comprador dificilmente vai se preocupar em fazer tal pesquisa.

O DOT funciona da seguinte forma:
DOT AX 4016 =
40 = SEMANA QUE O PNEU FOI FABRICADO (O ano tem 52 semanas)
16 = O ANO QUE O PNEU FOI FABRICADO

Colunista indica cuidados com os pneus (FOTO: Flickr/Creative Commons/Impactbumper)

Colunista indica cuidados com os pneus (FOTO: Flickr/Creative Commons/Impactbumper)

Com tais informações, é possível na hora da compra saber há quanto tempo o pneu está estocado e se vale a pena comprar, pois o mesmo deverá estar rodando em um prazo de até dois anos. Como já citamos, mesmo estocado, existe degradação da borracha, que vulgarmente é chamada de ‘ressecagem’.

Não é conveniente estocar pneus usados. Caso seja necessário, alguns cuidados devem ser tomados para diminuir a degradação, começando por uma boa lavagem e uma limpeza para a retirada de corpos estranhos que estejam presos à banda de rodagem e guardar sempre à sombra e em locais de baixa temperatura. Lembrando sempre que, após cinco anos de fabricado, é desaconselhado sua utilização.

Muitos ainda imaginam que pneu é comprar igual ao original, montar, calibrar, balancear, e sair por aí!

*Roberto Costa é jornalista especializado em veículos há 40 anos e autor do blog www.robertopcosta.blogspot.com.br. Com experiência em áreas de vendas, marketing e pós-venda em distribuidores de veículos, atuou também na organização e vistorias de carros em competições automotoras. 

A coluna “Sem Quilômetros” é publicada no Tribuna do Ceará, aos sábados, e vai ao ar na Rádio Tribuna BandNews (FM 101.7) às segundas e quartas-feiras, às 7h10, e na Edição da Noite, a partir das 18h.