Férias: tempo de descanso, revisão e planejamento
ARTIGO

Férias: tempo de descanso, revisão e planejamento

Cada indivíduo é único e deve-se buscar a estratégia que melhor se adapte ao seu estilo de vida

Por Tribuna do Ceará em Opinião

27 de julho de 2017 às 09:26

Há 3 meses
estudando

(FOTO: Flickr/ Creative Commons/scui3asteveo)

Por Thássilo Antunes

Estudar durante o recesso escolar como uma alternativa ao tempo mal gasto durante o período de aulas pode ser perigoso para a continuidade do aluno no segundo semestre letivo, principalmente se ele pertence ao Ensino Fundamental ou Médio. Os períodos de estudos devem ser inseridos na vida do estudante de forma gradual e contínua durante a época de aula, sempre buscando a melhor forma de inserção, já que não existe uma fórmula pronta de como estudar. Cada indivíduo é único e deve-se buscar a estratégia que melhor se adapte ao seu estilo de vida.

Já no fim do Ensino Médio, quando os alunos se preparam para concorrer a uma vaga na universidade, surgem muitas dúvidas sobre o que fazer para se preparar. Alguns começam a se preocupar em estudar além das aulas apenas nessa fase e sofrem nesse processo de adaptação, já que estudar ainda não faz parte do seu cotidiano; não se tornou um hábito. Nesse contexto, estudar todos os fins de semana e no recesso escolar não é o caminho para se recuperar algo que ficou para trás.

Um plano de estudos equilibrado permite que os alunos continuem fazendo atividades prazerosas, suportando melhor a pressão e se preparando de forma saudável para o vestibular. Quando os candidatos conseguem bom desempenho no primeiro semestre e optam por estudar no recesso, é bom que ele o faça de forma cuidadosa, pois o segundo semestre tende a ser muito desgastante e desafiador. Dividir o período de recesso entre descanso e estudo deve ser uma boa opção.

Durante a segunda semana, a sugestão é estudar nos mesmos horários que suas aulas regulares, fazendo seu corpo retomar os hábitos adquiridos durante a primeira etapa. Montar grupos de estudo para esse período pode ajudar na melhor readaptação, pois nessa troca, os conteúdos revisados podem apresentar ângulos diferentes e cria uma dinâmica menos desgastante para cada candidato.
Escolher a revisão de conteúdos já vistos em aula a partir de erros em avaliações realizadas no primeiro semestre também é uma boa estratégia, já que revisar todos os conteúdos de todas as disciplinas é contra produtivo, uma tarefa que não traz benefícios e pode ser considerada inalcançável. Revise o que menos sabe e as questões erradas mostram exatamente isso.

Educadores e educandos estão imersos em um mundo de novas ideias, informações e reflexões que, com o passar dos anos, reflete na criação de estratégias de estudo além da sala de aula. Esse desenvolvimento ajuda não só na consolidação de novas ideias, como também na recuperação do desgaste psíquico que todo esse processo promove, e isso é fundamental para alunos e professores, partes diretamente envolvidas na construção de novos saberes.

*Thássilo Antunes é autor e professor do Sistema de Ensino pH

Publicidade

Dê sua opinião

ARTIGO

Férias: tempo de descanso, revisão e planejamento

Cada indivíduo é único e deve-se buscar a estratégia que melhor se adapte ao seu estilo de vida

Por Tribuna do Ceará em Opinião

27 de julho de 2017 às 09:26

Há 3 meses
estudando

(FOTO: Flickr/ Creative Commons/scui3asteveo)

Por Thássilo Antunes

Estudar durante o recesso escolar como uma alternativa ao tempo mal gasto durante o período de aulas pode ser perigoso para a continuidade do aluno no segundo semestre letivo, principalmente se ele pertence ao Ensino Fundamental ou Médio. Os períodos de estudos devem ser inseridos na vida do estudante de forma gradual e contínua durante a época de aula, sempre buscando a melhor forma de inserção, já que não existe uma fórmula pronta de como estudar. Cada indivíduo é único e deve-se buscar a estratégia que melhor se adapte ao seu estilo de vida.

Já no fim do Ensino Médio, quando os alunos se preparam para concorrer a uma vaga na universidade, surgem muitas dúvidas sobre o que fazer para se preparar. Alguns começam a se preocupar em estudar além das aulas apenas nessa fase e sofrem nesse processo de adaptação, já que estudar ainda não faz parte do seu cotidiano; não se tornou um hábito. Nesse contexto, estudar todos os fins de semana e no recesso escolar não é o caminho para se recuperar algo que ficou para trás.

Um plano de estudos equilibrado permite que os alunos continuem fazendo atividades prazerosas, suportando melhor a pressão e se preparando de forma saudável para o vestibular. Quando os candidatos conseguem bom desempenho no primeiro semestre e optam por estudar no recesso, é bom que ele o faça de forma cuidadosa, pois o segundo semestre tende a ser muito desgastante e desafiador. Dividir o período de recesso entre descanso e estudo deve ser uma boa opção.

Durante a segunda semana, a sugestão é estudar nos mesmos horários que suas aulas regulares, fazendo seu corpo retomar os hábitos adquiridos durante a primeira etapa. Montar grupos de estudo para esse período pode ajudar na melhor readaptação, pois nessa troca, os conteúdos revisados podem apresentar ângulos diferentes e cria uma dinâmica menos desgastante para cada candidato.
Escolher a revisão de conteúdos já vistos em aula a partir de erros em avaliações realizadas no primeiro semestre também é uma boa estratégia, já que revisar todos os conteúdos de todas as disciplinas é contra produtivo, uma tarefa que não traz benefícios e pode ser considerada inalcançável. Revise o que menos sabe e as questões erradas mostram exatamente isso.

Educadores e educandos estão imersos em um mundo de novas ideias, informações e reflexões que, com o passar dos anos, reflete na criação de estratégias de estudo além da sala de aula. Esse desenvolvimento ajuda não só na consolidação de novas ideias, como também na recuperação do desgaste psíquico que todo esse processo promove, e isso é fundamental para alunos e professores, partes diretamente envolvidas na construção de novos saberes.

*Thássilo Antunes é autor e professor do Sistema de Ensino pH