Flávia Castelo: “¿Hola, qué tal?"
ALDEIA GLOCAL

Flávia Castelo: “¿Hola, qué tal?”

É assim que os meus dias têm começado esta semana. É como iniciamos a conversa por aqui

Por Tribuna do Ceará em Flávia Castelo

9 de agosto de 2017 às 11:22

Há 1 semana

Por Flávia Castelo

¿Hola, qué tal? É assim que os meus dias têm começado esta semana. É como iniciamos a conversa por aqui. E como estou vivendo o que li e ouvi nos últimos anos.

Todo está bien. Muy bien. Bogotá é o que explorei nos livros, palestras e conversas com os amigos. Um deles, Murilo Cavalcanti, é especialmente importante nesse caminho de descobertas. Há quase dois anos nos conhecemos no Cariri, oportunidade em que ele me apresentou um de seus escritos: ‘As lições de Bogotá e Medellin: do caos à referência mundial’. Não tardou e o presente virou referência bibliográfica na minha sala de aula. E aqui estou, com Murilo e uma turma de interessados em avanços urbanísticos: vendo e sentindo o impacto de uma cidade que efetivamente está sendo pensada para as pessoas.

Pedestre, bicicleta, transporte público, carro particular: é esta a ordem que impera nas ruas. Cenário de muito uso e ocupação para feiras, esportistas, restaurantes e festivais: fomos ao Parque da Biblioteca Virgílio Barco e parece que estão querendo bater o recorde de pipas no ar!

Aqui também tem protagonismo de crianças e jovens. No último ano da escola, eles recebem treinamento para cumprir dez meses obrigatórios de serviços comunitários. Além do exercício de cidadania, ganham meio salário mínimo e a experiência ainda pode se transformar em opção de trabalho: sempre tem os que querem continuar cuidando da casa profissionalmente.

foto-flavia

(FOTO: Flavia Castelo)

Você pode estar se perguntando ‘parque da biblioteca?’ e eu explico: eles têm bibliotecas-parque. É uma rede de espaços verdes de arte, cultura, esporte, leitura e sociabilidade. De amor a cidade.

Conheci também a Biblioteca El Tintal – dá vontade de morar lá! Sabe o que vi? Gibiteca, audioteca, salas infantis, de mídia, internet, estudo e até uma sonoteca. Porque como dizem todas as paredes de lá: “Ler é voar”. Mas o que mais gostei foi o que não vi: lâmpadas acesas. A iluminação é 100% natural e a população, mesmo atenta ao livro ou ao computador, está em contato com a natureza.

Ao perguntar se o que revolucionou os números e a qualidade de vida foram as consequências nefastas do narcotráfico, meu amigo/guia não exitou responder: “Exatamente. Parece que tiveram que chegar nos máximos indicadores de violência para Poder Público e coletividade se unirem num grande pacto pela pela vida”.

E agora, deixo uma pergunta a vocês: Vamos aprender a lição com quem está ensinando o mundo ou esperar o fundo do poço chegar?

Urbi et orbi e faça parte da ALDEIA GLOCAL em aldeiaglocal.com.br, afinal, quanto mais global, mais local.

*Flávia Castelo é Mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente pela Universidade Federal do Ceará e Doutora em Biotecnologia pela mesma instituição e pela Universidade de Antuérpia/Bélgica. Flávia é advogada, professora e mãe.

A coluna “Aldeia Glocal” é publicada no Tribuna do Ceará, às quartas-feiras, e vai ao ar na Rádio Tribuna BandNews (FM 101.7), às 9h10 e às 18h10.

Publicidade

Dê sua opinião

ALDEIA GLOCAL

Flávia Castelo: “¿Hola, qué tal?”

É assim que os meus dias têm começado esta semana. É como iniciamos a conversa por aqui

Por Tribuna do Ceará em Flávia Castelo

9 de agosto de 2017 às 11:22

Há 1 semana

Por Flávia Castelo

¿Hola, qué tal? É assim que os meus dias têm começado esta semana. É como iniciamos a conversa por aqui. E como estou vivendo o que li e ouvi nos últimos anos.

Todo está bien. Muy bien. Bogotá é o que explorei nos livros, palestras e conversas com os amigos. Um deles, Murilo Cavalcanti, é especialmente importante nesse caminho de descobertas. Há quase dois anos nos conhecemos no Cariri, oportunidade em que ele me apresentou um de seus escritos: ‘As lições de Bogotá e Medellin: do caos à referência mundial’. Não tardou e o presente virou referência bibliográfica na minha sala de aula. E aqui estou, com Murilo e uma turma de interessados em avanços urbanísticos: vendo e sentindo o impacto de uma cidade que efetivamente está sendo pensada para as pessoas.

Pedestre, bicicleta, transporte público, carro particular: é esta a ordem que impera nas ruas. Cenário de muito uso e ocupação para feiras, esportistas, restaurantes e festivais: fomos ao Parque da Biblioteca Virgílio Barco e parece que estão querendo bater o recorde de pipas no ar!

Aqui também tem protagonismo de crianças e jovens. No último ano da escola, eles recebem treinamento para cumprir dez meses obrigatórios de serviços comunitários. Além do exercício de cidadania, ganham meio salário mínimo e a experiência ainda pode se transformar em opção de trabalho: sempre tem os que querem continuar cuidando da casa profissionalmente.

foto-flavia

(FOTO: Flavia Castelo)

Você pode estar se perguntando ‘parque da biblioteca?’ e eu explico: eles têm bibliotecas-parque. É uma rede de espaços verdes de arte, cultura, esporte, leitura e sociabilidade. De amor a cidade.

Conheci também a Biblioteca El Tintal – dá vontade de morar lá! Sabe o que vi? Gibiteca, audioteca, salas infantis, de mídia, internet, estudo e até uma sonoteca. Porque como dizem todas as paredes de lá: “Ler é voar”. Mas o que mais gostei foi o que não vi: lâmpadas acesas. A iluminação é 100% natural e a população, mesmo atenta ao livro ou ao computador, está em contato com a natureza.

Ao perguntar se o que revolucionou os números e a qualidade de vida foram as consequências nefastas do narcotráfico, meu amigo/guia não exitou responder: “Exatamente. Parece que tiveram que chegar nos máximos indicadores de violência para Poder Público e coletividade se unirem num grande pacto pela pela vida”.

E agora, deixo uma pergunta a vocês: Vamos aprender a lição com quem está ensinando o mundo ou esperar o fundo do poço chegar?

Urbi et orbi e faça parte da ALDEIA GLOCAL em aldeiaglocal.com.br, afinal, quanto mais global, mais local.

*Flávia Castelo é Mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente pela Universidade Federal do Ceará e Doutora em Biotecnologia pela mesma instituição e pela Universidade de Antuérpia/Bélgica. Flávia é advogada, professora e mãe.

A coluna “Aldeia Glocal” é publicada no Tribuna do Ceará, às quartas-feiras, e vai ao ar na Rádio Tribuna BandNews (FM 101.7), às 9h10 e às 18h10.