Flávia Castelo: De Dalí e Dante todo mundo tem um pouco
ALDEIA GLOCAL

Flávia Castelo: “De Dalí e Dante todo mundo tem um pouco”

Final de semana passado fui à exposição ‘Dalí: A Divina Comédia’

Por Tribuna do Ceará em Flávia Castelo

6 de julho de 2017 às 08:52

Há 2 semanas

Por Flávia Castelo

Final de semana passado fui à exposição ‘Dalí: A Divina Comédia’. Durante aquela viagem imaginária, dos círculos infernais ao paraíso, encontrei uma amiga dos tempos de colégio.

No meio do purgatório, tocada pelas gavetas abertas e cheias de vazios que carregamos, foi outro toque que acabou com a felicidade do encontro: o do alarme. Perceba: era uma tarde de sábado, eu estava admirando as obras de arte de um dos mestres do surrealismo mundial e um barulho estridente me lembrou de não perder a sessão de ‘Um Instante de Amor’.

Reflexão e tempo interrompidos, me despedi de Ariadne e fui ao cinema. Imersa naquela narrativa onde a protagonista se apaixona pela possibilidade de amar, só voltei a lembrar que não tenho tempo pra nada – ou, tenho tempo pra tudo, quando acenderam as luzes. Acho que estou precisando de um Feng Shui para gavetas. Para quem não conhece, o Dicionário de Português licenciado da Oxford University Press explica que é uma “ciência e arte chinesas, de origem filosófica taoista, que têm por objetivo organizar os espaços com o fim de atrair influências benéficas da Natureza”.

anjo

O Anjo Caído (FOTO: Reprodução)

Mas, antes desse trato do visível e do invisível, no dia seguinte voltei ao centro cultural e tentei perceber mais e melhor o diálogo entre razão e fé nos cantos épicos de Dante Alighieri. Com tanta informação e beleza acumuladas, o impacto emocional foi inevitável e, mais uma vez, aquela sensação de carregar o mundo nas costas.

Vou acabar me convencendo, segundo diz outra amiga, que eu sou a própria imagem de várias gavetas abertas. Olhando para o meu quarto, sou obrigada a concordar mesmo. Principalmente, porque no lugar de parar pra arrumar, divago sobre o que faço com o tempo e comigo – pelo tempo – e me dá aquela vontade de viajar sem tempo a perder. Sem tempo a ganhar.

Urbi et orbi e faça parte da ALDEIA GLOCAL em aldeiaglocal.com.br, afinal, quanto mais global, mais local.

*Flávia Castelo é Mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente pela Universidade Federal do Ceará e Doutora em Biotecnologia pela mesma instituição e pela Universidade de Antuérpia/Bélgica. Flávia é advogada, professora e mãe.

A coluna “Aldeia Glocal” é publicada no Tribuna do Ceará, às quartas-feiras, e vai ao ar na Rádio Tribuna BandNews (FM 101.7), às 9h10 e às 18h10.

Publicidade

Dê sua opinião

ALDEIA GLOCAL

Flávia Castelo: “De Dalí e Dante todo mundo tem um pouco”

Final de semana passado fui à exposição ‘Dalí: A Divina Comédia’

Por Tribuna do Ceará em Flávia Castelo

6 de julho de 2017 às 08:52

Há 2 semanas

Por Flávia Castelo

Final de semana passado fui à exposição ‘Dalí: A Divina Comédia’. Durante aquela viagem imaginária, dos círculos infernais ao paraíso, encontrei uma amiga dos tempos de colégio.

No meio do purgatório, tocada pelas gavetas abertas e cheias de vazios que carregamos, foi outro toque que acabou com a felicidade do encontro: o do alarme. Perceba: era uma tarde de sábado, eu estava admirando as obras de arte de um dos mestres do surrealismo mundial e um barulho estridente me lembrou de não perder a sessão de ‘Um Instante de Amor’.

Reflexão e tempo interrompidos, me despedi de Ariadne e fui ao cinema. Imersa naquela narrativa onde a protagonista se apaixona pela possibilidade de amar, só voltei a lembrar que não tenho tempo pra nada – ou, tenho tempo pra tudo, quando acenderam as luzes. Acho que estou precisando de um Feng Shui para gavetas. Para quem não conhece, o Dicionário de Português licenciado da Oxford University Press explica que é uma “ciência e arte chinesas, de origem filosófica taoista, que têm por objetivo organizar os espaços com o fim de atrair influências benéficas da Natureza”.

anjo

O Anjo Caído (FOTO: Reprodução)

Mas, antes desse trato do visível e do invisível, no dia seguinte voltei ao centro cultural e tentei perceber mais e melhor o diálogo entre razão e fé nos cantos épicos de Dante Alighieri. Com tanta informação e beleza acumuladas, o impacto emocional foi inevitável e, mais uma vez, aquela sensação de carregar o mundo nas costas.

Vou acabar me convencendo, segundo diz outra amiga, que eu sou a própria imagem de várias gavetas abertas. Olhando para o meu quarto, sou obrigada a concordar mesmo. Principalmente, porque no lugar de parar pra arrumar, divago sobre o que faço com o tempo e comigo – pelo tempo – e me dá aquela vontade de viajar sem tempo a perder. Sem tempo a ganhar.

Urbi et orbi e faça parte da ALDEIA GLOCAL em aldeiaglocal.com.br, afinal, quanto mais global, mais local.

*Flávia Castelo é Mestre em Desenvolvimento e Meio Ambiente pela Universidade Federal do Ceará e Doutora em Biotecnologia pela mesma instituição e pela Universidade de Antuérpia/Bélgica. Flávia é advogada, professora e mãe.

A coluna “Aldeia Glocal” é publicada no Tribuna do Ceará, às quartas-feiras, e vai ao ar na Rádio Tribuna BandNews (FM 101.7), às 9h10 e às 18h10.