Danielle Lodetti: “Você conta calorias?"
COMER BEM, VIVER MELHOR

Danielle Lodetti: “Você conta calorias?”

Quanto menos calórico, melhor? Grande engano! Calorias são apenas detalhes, mas não a razão por escolher alimento A ou B

Por Tribuna do Ceará em Danielle Lodetti

10 de fevereiro de 2017 às 09:01

Há 8 meses

Por Danielle Lodetti

Num momento em que a nutrição, saúde e beleza andam em alta, você já deve ter sido orientado a sempre olhar a tabela nutricional e os ingredientes do que está comprando para garantir que ele seja saudável, não é? Ótima dica, desde que gente saiba como ler estas informações.

Porém, o que me preocupa é o fato de muitas pessoas escolherem os alimentos pelas calorias que eles possuem, pensando “quanto menos calórico, melhor”. Grande engano! Calorias são apenas detalhes, mas não a razão por escolher alimento A ou B.

Muitos alimentos industrializados atraem o consumidor pelo fato de terem baixas calorias ou serem “light” ou “diet”, porém, muitas vezes, eles possuem ingredientes quem não fazem bem à saúde. Portanto, mesmo pouco calórico, ele pode trazer alguns prejuízos para seu organismo e auxiliar no aparecimento de doenças, inclusive a obesidade.

“Nossa, alimento de baixa caloria também pode engordar?”. Sim, uma vez que ele pode conter substâncias que alteram o metabolismo, atrapalham ou alteram a ação de hormônios, alteram a nossa flora de bactérias intestinais. O corpo não fabrica gordura apenas quando comemos calorias em excesso, e sim quando alguma parte do metabolismo tem dificuldades. Por isso, comer um biscoito diet, cheio de adoçantes, que pode até ser menos calórico que a versão com açúcar, mas não significa que você pode comer tranquila ou de que ele não vai engordar você.

A maioria dos adoçantes usados na indústria não faz bem à saúde. E quando a saúde sofre, não podemos esperar que a estética esteja bem. Outra grande armadilha é a do açúcar que vem “disfarçado” de xarope de glicose, xarope de milho, frutose, maltodextrina. Muitas vezes há dois ou três nomes destes nos mesmos alimentos. Isto é açúcar, sim, e já sabemos como o açúcar é um grande mal e deve ser evitado ao máximo.

Há alguns alimentos que têm as calorias beeeeem baixinhas, mas possuem estes nomes no rótulo. Vale a pena? De jeito nenhum! Baixa caloria, mas baixíssima qualidade! Não vale. Comer um alimento que faz mal só porque ele tem baixas calorias não está com nada. TEMOS QUE NOS PREOCUPAR COM A QUANTIDADE CALÓRICA, SIM. MAS JUNTO A ELA, QUALIDADE! QUALIDADE CALÓRICA.

Esta união é que norteia a prescrição de um nutricionista. Manter a dieta dentro das calorias desejadas, mas sempre escolhendo alimentos com ingredientes saudáveis. As pessoas têm medo de comer abacate, castanhas, leite de coco, azeite de oliva porque os cham muito calóricos. Sim, eles são alimentos cheios de gordura e, portanto, mais calóricos. Mas eles possuem qualidade, contém nutrientes que fazem bem à saúde. Por isso, mesmo trazendo um pouco mais de calorias para a dieta, eles ajudam o organismo a funcionar bem.

Se a gente comer na quantidade correta, está tudo bem! Não troque suas castanhas no lanchinho por uma barrinha de cereais diet, por favor! Você pode até reduzir as calorias, mas não garante em nada sua saúde nem sua magreza. Sei que parece confuso. Imagino que você deva chegar na prateleira do supermercado e enlouquecer com tantos produtos, rótulos e tabelas. Mas algumas regras simples ajudam:

1. Prefira comida de verdade. Menos pacotinhos, saquinhos, caixinhas, latinhas e pozinhos.
2. Existem vários produtos industrializados que são legais. Por isso, olhe no rótulo e veja se ele não possui ingredientes com nomes esquisitos. Se tiver, evite,
3. Evite alimentos que tenham “gordura vegetal” na composição. É a pior gordura que existe,
4. Evite alimentos com adoçantes. Se tiver Sucralose, Ciclamato, Sacarina, Aspartame, fuja!
5. Procure orientação de seu nutricionista. Sim, é um serviço que nem sempre é barato. Mas é investimento. Comer bem faz você economizar com medicamentos, com roupas maiores ( porque você engordou), aumenta sua produtividade e sua qualidade de vida. Eu garanto: Vale a pena.

*Danielle Lodetti é nutricionista, especialista em fisiologia do exercício, nutrição estética, bioquímica aplicada à patologia, nutrição molecular e fitoterapia integrativa. Ela é sócia-proprietária da clínica Reviva Nutrição e proprietária da Reviva Sabor & Saúde.

A coluna “Comer bem, Viver melhor” é publicada no Tribuna do Ceará, às sextas-feiras, e vai ao ar na Rádio Tribuna BandNews (FM 101.7) nas segundas e quartas, às 8h45.

Publicidade

Dê sua opinião

COMER BEM, VIVER MELHOR

Danielle Lodetti: “Você conta calorias?”

Quanto menos calórico, melhor? Grande engano! Calorias são apenas detalhes, mas não a razão por escolher alimento A ou B

Por Tribuna do Ceará em Danielle Lodetti

10 de fevereiro de 2017 às 09:01

Há 8 meses

Por Danielle Lodetti

Num momento em que a nutrição, saúde e beleza andam em alta, você já deve ter sido orientado a sempre olhar a tabela nutricional e os ingredientes do que está comprando para garantir que ele seja saudável, não é? Ótima dica, desde que gente saiba como ler estas informações.

Porém, o que me preocupa é o fato de muitas pessoas escolherem os alimentos pelas calorias que eles possuem, pensando “quanto menos calórico, melhor”. Grande engano! Calorias são apenas detalhes, mas não a razão por escolher alimento A ou B.

Muitos alimentos industrializados atraem o consumidor pelo fato de terem baixas calorias ou serem “light” ou “diet”, porém, muitas vezes, eles possuem ingredientes quem não fazem bem à saúde. Portanto, mesmo pouco calórico, ele pode trazer alguns prejuízos para seu organismo e auxiliar no aparecimento de doenças, inclusive a obesidade.

“Nossa, alimento de baixa caloria também pode engordar?”. Sim, uma vez que ele pode conter substâncias que alteram o metabolismo, atrapalham ou alteram a ação de hormônios, alteram a nossa flora de bactérias intestinais. O corpo não fabrica gordura apenas quando comemos calorias em excesso, e sim quando alguma parte do metabolismo tem dificuldades. Por isso, comer um biscoito diet, cheio de adoçantes, que pode até ser menos calórico que a versão com açúcar, mas não significa que você pode comer tranquila ou de que ele não vai engordar você.

A maioria dos adoçantes usados na indústria não faz bem à saúde. E quando a saúde sofre, não podemos esperar que a estética esteja bem. Outra grande armadilha é a do açúcar que vem “disfarçado” de xarope de glicose, xarope de milho, frutose, maltodextrina. Muitas vezes há dois ou três nomes destes nos mesmos alimentos. Isto é açúcar, sim, e já sabemos como o açúcar é um grande mal e deve ser evitado ao máximo.

Há alguns alimentos que têm as calorias beeeeem baixinhas, mas possuem estes nomes no rótulo. Vale a pena? De jeito nenhum! Baixa caloria, mas baixíssima qualidade! Não vale. Comer um alimento que faz mal só porque ele tem baixas calorias não está com nada. TEMOS QUE NOS PREOCUPAR COM A QUANTIDADE CALÓRICA, SIM. MAS JUNTO A ELA, QUALIDADE! QUALIDADE CALÓRICA.

Esta união é que norteia a prescrição de um nutricionista. Manter a dieta dentro das calorias desejadas, mas sempre escolhendo alimentos com ingredientes saudáveis. As pessoas têm medo de comer abacate, castanhas, leite de coco, azeite de oliva porque os cham muito calóricos. Sim, eles são alimentos cheios de gordura e, portanto, mais calóricos. Mas eles possuem qualidade, contém nutrientes que fazem bem à saúde. Por isso, mesmo trazendo um pouco mais de calorias para a dieta, eles ajudam o organismo a funcionar bem.

Se a gente comer na quantidade correta, está tudo bem! Não troque suas castanhas no lanchinho por uma barrinha de cereais diet, por favor! Você pode até reduzir as calorias, mas não garante em nada sua saúde nem sua magreza. Sei que parece confuso. Imagino que você deva chegar na prateleira do supermercado e enlouquecer com tantos produtos, rótulos e tabelas. Mas algumas regras simples ajudam:

1. Prefira comida de verdade. Menos pacotinhos, saquinhos, caixinhas, latinhas e pozinhos.
2. Existem vários produtos industrializados que são legais. Por isso, olhe no rótulo e veja se ele não possui ingredientes com nomes esquisitos. Se tiver, evite,
3. Evite alimentos que tenham “gordura vegetal” na composição. É a pior gordura que existe,
4. Evite alimentos com adoçantes. Se tiver Sucralose, Ciclamato, Sacarina, Aspartame, fuja!
5. Procure orientação de seu nutricionista. Sim, é um serviço que nem sempre é barato. Mas é investimento. Comer bem faz você economizar com medicamentos, com roupas maiores ( porque você engordou), aumenta sua produtividade e sua qualidade de vida. Eu garanto: Vale a pena.

*Danielle Lodetti é nutricionista, especialista em fisiologia do exercício, nutrição estética, bioquímica aplicada à patologia, nutrição molecular e fitoterapia integrativa. Ela é sócia-proprietária da clínica Reviva Nutrição e proprietária da Reviva Sabor & Saúde.

A coluna “Comer bem, Viver melhor” é publicada no Tribuna do Ceará, às sextas-feiras, e vai ao ar na Rádio Tribuna BandNews (FM 101.7) nas segundas e quartas, às 8h45.