Danielle Lodetti: "Como desintoxicamos nosso organismo"
COMER BEM, VIVER MELHOR

Danielle Lodetti: “Como desintoxicamos nosso organismo”

Para cada tipo de toxina há uma estratégia melhor para desintoxicar o corpo, até mesmo água com limão em jejum

Por Tribuna do Ceará em Danielle Lodetti

9 de dezembro de 2016 às 08:39

Há 5 meses

Por Danielle Lodetti

No mundo em que vivemos, intoxicar o organismo e, consequentemente, desenvolver doenças, é algo muito comum (infelizmente).

Através da alimentação, nosso organismo entra em contato com várias substâncias perigosas: os agrotóxicos , o bisfenol presente em embalagens e recipientes plásticos (como garrafas Pet e recipientes para armazenar alimentos), alumínio de panelas, latas e desodorantes , Mercúrio, corantes, conservantes, medicamentos, drogas, álcool e por aí vai.

O nosso organismo possui um sistema de desintoxicação próprio que elimina estes compostos perigosos através da urina, fezes e suor. Mas então nos deparamos com outro problema: a alimentação pobre que não dá ao organismo condições de se desintoxicar. Portanto, além de o organismo receber diariamente uma quantidade imensa de toxinas ambientais, ele não possui condições de eliminá-las. E o que acontece? Doenças como Câncer, Alzheimer, depressão, autismo, alergias e desequilíbrios imunológicos.

água com limão

A ajuda de um nutricionista é fundamental para individualizar seu tratamento (FOTO: Divulgação)

Portanto, é fundamental que tomemos cuidado para evitar que nos intoxiquemos: evitando embalagens plásticas e latas amassadas, desprezando panelas arranhadas, dando preferência aos orgânicos, comendo comida de verdade, que não é cheia de corantes e conservantes, por exemplo. Além disso, nosso corpo precisa receber diariamente as substâncias de que precisa para conseguir se desintoxicar: vitaminas, minerais, fibras, muita água, ervas, temperos, algas, aminoácidos. E enfim: comida de verdade, natural e cheia de fitoquímicos.

Na comida de verdade e orgânica, nosso corpo encontra o que ele precisa para se proteger contra as agressões ambientais. Mas, no mundo em que a gente vive, temos toxinas demais e comida saudável de menos. E, por isso, estamos ficando intoxicados e doentes.

O conceito “detox” vem daí. De ajudar o corpo a eliminar as toxinas. Não é fazer dieta sem glúten e sem lactose, e sim uma dieta cheia de nutrientes que forneçam ao corpo o que ele precisa para se recuperar, além de retirarmos o que faz mal (e sim, às vezes pode ser o glúten e a lactose, mas não apenas isso).

Um exemplo: contaminação por Alumínio combatida com coentro e alga Chlorella. Para cada tipo de toxina há uma estratégia melhor para desintoxicar o corpo, até mesmo água com limão em jejum, Probióticos, suplementos específicos de vitaminas e minerais, plantas, chás e ervas. Não existe um “detox” genérico. Existe o seu “detox”.

Os modismos muitas vezes confundem nossa cabeça e saímos tomando um monte de coisas para “desintoxicar”, ou damos a um suco o nome “detox”. Antes de saber qual é o melhor detox para você, saiba do que seu organismo foi intoxicado. E, para isso, diagnóstico e a ajuda de um nutricionista são fundamentais para individualizar seu tratamento.

*Danielle Lodetti é nutricionista, especialista em fisiologia do exercício, nutrição estética, bioquímica aplicada à patologia, nutrição molecular e fitoterapia integrativa. Ela é sócia-proprietária da clínica Reviva Nutrição e proprietária da Reviva Sabor & Saúde.

A coluna “Comer bem, Viver melhor” é publicada no Tribuna do Ceará, às sextas-feiras, e vai ao ar na Rádio Tribuna BandNews (FM 101.7) nas segundas e quartas, às 8h45.

Publicidade

Dê sua opinião

COMER BEM, VIVER MELHOR

Danielle Lodetti: “Como desintoxicamos nosso organismo”

Para cada tipo de toxina há uma estratégia melhor para desintoxicar o corpo, até mesmo água com limão em jejum

Por Tribuna do Ceará em Danielle Lodetti

9 de dezembro de 2016 às 08:39

Há 5 meses

Por Danielle Lodetti

No mundo em que vivemos, intoxicar o organismo e, consequentemente, desenvolver doenças, é algo muito comum (infelizmente).

Através da alimentação, nosso organismo entra em contato com várias substâncias perigosas: os agrotóxicos , o bisfenol presente em embalagens e recipientes plásticos (como garrafas Pet e recipientes para armazenar alimentos), alumínio de panelas, latas e desodorantes , Mercúrio, corantes, conservantes, medicamentos, drogas, álcool e por aí vai.

O nosso organismo possui um sistema de desintoxicação próprio que elimina estes compostos perigosos através da urina, fezes e suor. Mas então nos deparamos com outro problema: a alimentação pobre que não dá ao organismo condições de se desintoxicar. Portanto, além de o organismo receber diariamente uma quantidade imensa de toxinas ambientais, ele não possui condições de eliminá-las. E o que acontece? Doenças como Câncer, Alzheimer, depressão, autismo, alergias e desequilíbrios imunológicos.

água com limão

A ajuda de um nutricionista é fundamental para individualizar seu tratamento (FOTO: Divulgação)

Portanto, é fundamental que tomemos cuidado para evitar que nos intoxiquemos: evitando embalagens plásticas e latas amassadas, desprezando panelas arranhadas, dando preferência aos orgânicos, comendo comida de verdade, que não é cheia de corantes e conservantes, por exemplo. Além disso, nosso corpo precisa receber diariamente as substâncias de que precisa para conseguir se desintoxicar: vitaminas, minerais, fibras, muita água, ervas, temperos, algas, aminoácidos. E enfim: comida de verdade, natural e cheia de fitoquímicos.

Na comida de verdade e orgânica, nosso corpo encontra o que ele precisa para se proteger contra as agressões ambientais. Mas, no mundo em que a gente vive, temos toxinas demais e comida saudável de menos. E, por isso, estamos ficando intoxicados e doentes.

O conceito “detox” vem daí. De ajudar o corpo a eliminar as toxinas. Não é fazer dieta sem glúten e sem lactose, e sim uma dieta cheia de nutrientes que forneçam ao corpo o que ele precisa para se recuperar, além de retirarmos o que faz mal (e sim, às vezes pode ser o glúten e a lactose, mas não apenas isso).

Um exemplo: contaminação por Alumínio combatida com coentro e alga Chlorella. Para cada tipo de toxina há uma estratégia melhor para desintoxicar o corpo, até mesmo água com limão em jejum, Probióticos, suplementos específicos de vitaminas e minerais, plantas, chás e ervas. Não existe um “detox” genérico. Existe o seu “detox”.

Os modismos muitas vezes confundem nossa cabeça e saímos tomando um monte de coisas para “desintoxicar”, ou damos a um suco o nome “detox”. Antes de saber qual é o melhor detox para você, saiba do que seu organismo foi intoxicado. E, para isso, diagnóstico e a ajuda de um nutricionista são fundamentais para individualizar seu tratamento.

*Danielle Lodetti é nutricionista, especialista em fisiologia do exercício, nutrição estética, bioquímica aplicada à patologia, nutrição molecular e fitoterapia integrativa. Ela é sócia-proprietária da clínica Reviva Nutrição e proprietária da Reviva Sabor & Saúde.

A coluna “Comer bem, Viver melhor” é publicada no Tribuna do Ceará, às sextas-feiras, e vai ao ar na Rádio Tribuna BandNews (FM 101.7) nas segundas e quartas, às 8h45.