Águeda Muniz: "Fortaleza em Transformação"

CIDADES EM TRANSFORMAÇÃO

Águeda Muniz: “Fortaleza em Transformação”

Economia criativa não é somente o lazer e o entretenimento, mas o desenvolvimento de negócios e de atividades estratégicas

Por Tribuna do Ceará em Águeda Muniz

24 de outubro de 2017 às 12:21

Há 1 mês

Fortaleza passa por um momento de transformação. Talvez o início de um novo ciclo, de uma nova geração, de um novo momento em sua economia, em seu território, em sua sociedade.

De território inóspito para o colonizador, a cidade vem se revelando locus de oportunidades para aqueles que aqui vêm investir, como é o caso dos novos voos que conectam Fortaleza diretamente às cidades de Paris e Amsterdã, fortalecendo nossa vantagem competitiva natural que é ser a capital brasileira com melhor posição estratégica para os continentes europeu, norte-americano e africano.

Como é o caso da Fraport, empresa alemã que gere vários aeroportos internacionais e que, em Fortaleza, aterrissa para mais um desafio: fazer da cidade uma conexão mundial, por meio da gestão do Aeroporto Pinto Martins. A cidade ganha em desenvolver um ambiente mais conectado e de visibilidade internacional.

Ao propor o desenvolvimento de um distrito criativo na Praia de Iracema, a cidade investe em um bairro vocacionado para a inovação. Economia criativa não é somente o lazer e o entretenimento, mas o desenvolvimento de negócios e de atividades estratégicas que, ao mesmo tempo, envolvem tecnologia e inovação e dão a seu usuário a possibilidade de viver uma experiência, como é o caso da gastronomia, da moda, da arquitetura, do design, das novas mídias e de tantas outras formas de demonstrar que, na cidade, se pode criar uma nova atividade, um novo negócio.

Aeroporto Internacional Pinto Martins, em Fortaleza. (Foto: Falcão Júnior / Tribuna do Ceará)

Aeroporto Internacional Pinto Martins, em Fortaleza. (Foto: Falcão Júnior / Tribuna do Ceará)

Ao notabilizar-se como um distrito médico, o bairro Porangabuçu, para além de hospitais e clínicas, tem que absorver a demanda por meios de hospedagem, serviços de alimentação e lazer, bem como por moradia e, assim, possibilitar vitalidade urbana.

Neste mesmo conceito, o centro da cidade, onde a maior parte de nosso acervo histórico-arquitetônico se localiza, ao viabilizar o uso residencial, se credenciará como um dos bairros com mais possibilidades socioeconômicas.

Chegou a hora de mudar de escala para a Fortaleza que pretende ser também a melhor cidade para trabalhar, a melhor cidade para se divertir e, principalmente, a melhor cidade para viver.

* Águeda Muniz é Doutora em Arquitetura e Urbanismo e titular da Secretaria Municipal de Urbanismo e Meio Ambiente de Fortaleza.

A coluna “Cidades em Transformação” é publicada no Tribuna do Ceará, às terça-feiras, e vai ao ar na Rádio Tribuna BandNews (FM 101.7) às 9h10 de terça-feira.

Publicidade

Dê sua opinião

CIDADES EM TRANSFORMAÇÃO

Águeda Muniz: “Fortaleza em Transformação”

Economia criativa não é somente o lazer e o entretenimento, mas o desenvolvimento de negócios e de atividades estratégicas

Por Tribuna do Ceará em Águeda Muniz

24 de outubro de 2017 às 12:21

Há 1 mês

Fortaleza passa por um momento de transformação. Talvez o início de um novo ciclo, de uma nova geração, de um novo momento em sua economia, em seu território, em sua sociedade.

De território inóspito para o colonizador, a cidade vem se revelando locus de oportunidades para aqueles que aqui vêm investir, como é o caso dos novos voos que conectam Fortaleza diretamente às cidades de Paris e Amsterdã, fortalecendo nossa vantagem competitiva natural que é ser a capital brasileira com melhor posição estratégica para os continentes europeu, norte-americano e africano.

Como é o caso da Fraport, empresa alemã que gere vários aeroportos internacionais e que, em Fortaleza, aterrissa para mais um desafio: fazer da cidade uma conexão mundial, por meio da gestão do Aeroporto Pinto Martins. A cidade ganha em desenvolver um ambiente mais conectado e de visibilidade internacional.

Ao propor o desenvolvimento de um distrito criativo na Praia de Iracema, a cidade investe em um bairro vocacionado para a inovação. Economia criativa não é somente o lazer e o entretenimento, mas o desenvolvimento de negócios e de atividades estratégicas que, ao mesmo tempo, envolvem tecnologia e inovação e dão a seu usuário a possibilidade de viver uma experiência, como é o caso da gastronomia, da moda, da arquitetura, do design, das novas mídias e de tantas outras formas de demonstrar que, na cidade, se pode criar uma nova atividade, um novo negócio.

Aeroporto Internacional Pinto Martins, em Fortaleza. (Foto: Falcão Júnior / Tribuna do Ceará)

Aeroporto Internacional Pinto Martins, em Fortaleza. (Foto: Falcão Júnior / Tribuna do Ceará)

Ao notabilizar-se como um distrito médico, o bairro Porangabuçu, para além de hospitais e clínicas, tem que absorver a demanda por meios de hospedagem, serviços de alimentação e lazer, bem como por moradia e, assim, possibilitar vitalidade urbana.

Neste mesmo conceito, o centro da cidade, onde a maior parte de nosso acervo histórico-arquitetônico se localiza, ao viabilizar o uso residencial, se credenciará como um dos bairros com mais possibilidades socioeconômicas.

Chegou a hora de mudar de escala para a Fortaleza que pretende ser também a melhor cidade para trabalhar, a melhor cidade para se divertir e, principalmente, a melhor cidade para viver.

* Águeda Muniz é Doutora em Arquitetura e Urbanismo e titular da Secretaria Municipal de Urbanismo e Meio Ambiente de Fortaleza.

A coluna “Cidades em Transformação” é publicada no Tribuna do Ceará, às terça-feiras, e vai ao ar na Rádio Tribuna BandNews (FM 101.7) às 9h10 de terça-feira.