Águeda Muniz: Felicidade para uma feliz cidade

CIDADES EM TRANSFORMAÇÃO

Águeda Muniz: “Felicidade para uma feliz cidade”

Como você se relaciona com seus pares?

Por Tribuna do Ceará em Águeda Muniz

30 de Maio de 2017 às 08:52

Há 7 meses

Por Águeda Muniz

Quando se fala em cidades em transformação, muitos podem entender que a mudança, o desenvolvimento se dará por meio de novas tecnologias, empreendimentos, regulações. Sim, estes são imprescindíveis. Mas o que não pode faltar mesmo em uma cidade? Muitos vão responder saúde, educação. Outros vão responder infraestrutura, espaços públicos ordenados, transporte de qualidade. Cidadania também não pode faltar.

Mas sabe o que não pode faltar mesmo? O ser cidadão. E o ser cidadão é aquele que vive a cidade, que olha para o outro e deseja ajudar, que enxerga no apoio às necessidades do outro, uma forma de ser cidadão, de ajudar e assim se sentir parte da cidade. Escrevo isto porque quanto maior a cidade, quanto mais cosmopolita seja ela, menos importância tem as pessoas que nela vivem.

Cidades em Transformação fala do modo de como convivemos com o próximo. De como nos relacionamos com nossos pares. E os pares aqui não são somente àqueles que fazem parte da nossa família, colegas de trabalho ou mesmo nossos amigos. Os pares são os demais cidadãos que dia a dia cruzam conosco na rua, que nos telefonam, que nos atendem em alguma emergência. O porteiro do seu prédio, a pessoa que faz a limpeza do seu apartamento, a pessoa que está no carro ao lado, no ponto do ônibus…

Escrevo isto lembrando do José Luís, da Ronaldinha e de tantas outras pessoas que todos os dias, por conta de um encontro, deixam ou deixaram meu dia mais feliz. Conheço Ronaldinha, catadora de material reciclado, há quase cinco anos. Há tempos não a encontrava. Dia desses, passando pelo centro da cidade e em plena Praça José de Alencar ouço: “Ei, doutora! Está lembrada de mim?”. Claro que eu estava! Era a Ronaldinha, vendendo água mineral na praça. E foi uma felicidade só receber um abraço de quem não via há tempos. Deu tempo de saber que aquela é uma segunda renda para ela e que seu filho estava precisando de um emprego.

O que dizer das mensagens de “bom dia” via WhatsApp? Muita gente não gosta de receber. Pode ter certeza que quando enviada com carinho, respeito vale muito! E assim faz o José Luís, porteiro do prédio onde resido. Atencioso e dedicado ao trabalho, diariamente manda mensagens de incentivo a dias melhores. Sair de casa todos os dias e mesmo de dentro do carro poder acenar e desejar ou receber um “bom dia” e um “bom trabalho” das pessoas que moram ou trabalham nos arredores de onde você mora, ser ajudado em um momento inesperado por alguém que você não conhece, tudo isto faz parte do “ser cidadão”. Da mesma forma é ceder seu assento no ônibus para alguém que, naquela hora, precisa mais que você.

Além de infraestrutura, espaços públicos, transporte, saúde, educação, nossas cidades precisam mais de alma, de calor humano, de sentimento. “Trate cada pessoa com respeito”. A sua felicidade pode estar na maneira de você fazer uma feliz cidade! Até semana que vem com mais Cidades em Transformação!

* Águeda Muniz é Doutora em Arquitetura e Urbanismo e titular da Secretaria Municipal de Urbanismo e Meio Ambiente de Fortaleza.

A coluna “Cidades em Transformação” é publicada no Tribuna do Ceará, às terça-feiras, e vai ao ar na Rádio Tribuna BandNews (FM 101.7) às 9h10 de terça-feira.

Publicidade

Dê sua opinião

CIDADES EM TRANSFORMAÇÃO

Águeda Muniz: “Felicidade para uma feliz cidade”

Como você se relaciona com seus pares?

Por Tribuna do Ceará em Águeda Muniz

30 de Maio de 2017 às 08:52

Há 7 meses

Por Águeda Muniz

Quando se fala em cidades em transformação, muitos podem entender que a mudança, o desenvolvimento se dará por meio de novas tecnologias, empreendimentos, regulações. Sim, estes são imprescindíveis. Mas o que não pode faltar mesmo em uma cidade? Muitos vão responder saúde, educação. Outros vão responder infraestrutura, espaços públicos ordenados, transporte de qualidade. Cidadania também não pode faltar.

Mas sabe o que não pode faltar mesmo? O ser cidadão. E o ser cidadão é aquele que vive a cidade, que olha para o outro e deseja ajudar, que enxerga no apoio às necessidades do outro, uma forma de ser cidadão, de ajudar e assim se sentir parte da cidade. Escrevo isto porque quanto maior a cidade, quanto mais cosmopolita seja ela, menos importância tem as pessoas que nela vivem.

Cidades em Transformação fala do modo de como convivemos com o próximo. De como nos relacionamos com nossos pares. E os pares aqui não são somente àqueles que fazem parte da nossa família, colegas de trabalho ou mesmo nossos amigos. Os pares são os demais cidadãos que dia a dia cruzam conosco na rua, que nos telefonam, que nos atendem em alguma emergência. O porteiro do seu prédio, a pessoa que faz a limpeza do seu apartamento, a pessoa que está no carro ao lado, no ponto do ônibus…

Escrevo isto lembrando do José Luís, da Ronaldinha e de tantas outras pessoas que todos os dias, por conta de um encontro, deixam ou deixaram meu dia mais feliz. Conheço Ronaldinha, catadora de material reciclado, há quase cinco anos. Há tempos não a encontrava. Dia desses, passando pelo centro da cidade e em plena Praça José de Alencar ouço: “Ei, doutora! Está lembrada de mim?”. Claro que eu estava! Era a Ronaldinha, vendendo água mineral na praça. E foi uma felicidade só receber um abraço de quem não via há tempos. Deu tempo de saber que aquela é uma segunda renda para ela e que seu filho estava precisando de um emprego.

O que dizer das mensagens de “bom dia” via WhatsApp? Muita gente não gosta de receber. Pode ter certeza que quando enviada com carinho, respeito vale muito! E assim faz o José Luís, porteiro do prédio onde resido. Atencioso e dedicado ao trabalho, diariamente manda mensagens de incentivo a dias melhores. Sair de casa todos os dias e mesmo de dentro do carro poder acenar e desejar ou receber um “bom dia” e um “bom trabalho” das pessoas que moram ou trabalham nos arredores de onde você mora, ser ajudado em um momento inesperado por alguém que você não conhece, tudo isto faz parte do “ser cidadão”. Da mesma forma é ceder seu assento no ônibus para alguém que, naquela hora, precisa mais que você.

Além de infraestrutura, espaços públicos, transporte, saúde, educação, nossas cidades precisam mais de alma, de calor humano, de sentimento. “Trate cada pessoa com respeito”. A sua felicidade pode estar na maneira de você fazer uma feliz cidade! Até semana que vem com mais Cidades em Transformação!

* Águeda Muniz é Doutora em Arquitetura e Urbanismo e titular da Secretaria Municipal de Urbanismo e Meio Ambiente de Fortaleza.

A coluna “Cidades em Transformação” é publicada no Tribuna do Ceará, às terça-feiras, e vai ao ar na Rádio Tribuna BandNews (FM 101.7) às 9h10 de terça-feira.