Alunos do IFCE do Cariri criam reator de biodiesel mais barato do mundo
INOVAÇÃO

Alunos do IFCE do Cariri criam reator de biodiesel mais barato do mundo

Processo foi feito com a adaptação de corote, recipiente de caminhoneiros para armazenar água. São produzidos 19 L de biodiesel e 5 L de glicerina

Por Matheus Ribeiro em Tecnologia

13 de julho de 2016 às 07:00

Há 10 meses
Em Juazeiro do Norte, os estudantes do IFCE, durante a primeira etapa de implantação do projeto (FOTO: Divulgação)

Em Juazeiro do Norte, os estudantes do IFCE, durante a primeira etapa de implantação do projeto (FOTO: Divulgação)

No tempo em que o preço da gasolina assusta os motoristas, três estudantes cearenses do Instituto Federal do Ceará (IFCE), do campus de Juazeiro do Norte, a 490 quilômetros de Fortaleza, descobriram uma solução para isso. Cícero Paulo dos Santos, Maria Jéssica da Silva e Alanna Lucema desenvolveram no ano passado um projeto inovador de produção de biocombustível.

Com a orientação dos professores Ricardo da Fonseca e Adolfo Cabral, os alunos criaram um reator de baixo custo capaz de produzir biodiesel, glicerina e sabão. O equipamento já foi patenteado e, hoje, está sendo testado em motores de carros para verificar a utilização do biocombustível produzido.

Segundo Maria Jéssica, a ideia de realizar o projeto surgiu há quatro anos, nas olimpíadas de química da instituição de ensino. “A gente tinha uma bolsa da Petrobras em que o tema era biocombustível. A partir daí começamos a pesquisar sobre isso”. 

Visando também a reciclagem, os alunos resolveram ir fundo no projeto. “A gente foi fazer uma pesquisa de campo para desenvolver o equipamento. Fomos em 500 casas perguntando a quantidade de óleo utilizado por mês e o que cada pessoa fazia com ele após o uso. Após essa pesquisa, observamos que as pessoas não descartavam de forma adequada o óleo, e a partir disso começamos o projeto, que visa, além da economia, a sustentabilidade”, destacou a estudante.

Produção

Para fabricar o equipamento, os estudantes adaptaram um corote (espécie de reservatório d’água de caminhão) e materiais recicláveis, como vassoura, polia, madeira e garrafas de plástico. Segundo o professor Ricardo, o equipamento custa em torno de R$ 80 para ser feito e produz cerca de 20 litros de biodiesel, além de não precisar de energia para funcionar. Para a produção da substância, o equipamento mais barato encontrado atualmente no mercado custa em torno de R$ 3 mil.

O corote é colocado de pé, as torneiras de ferro do recipiente são adaptadas para retirar a glicerina e o sabão, e o reator funciona por atrito, sem a necessidade de energia elétrica. São produzidos 19 L de biodiesel e 5 L de glicerina por batelada.

Ainda conforme o orientador, o projeto se confirma tecnologicamente como o mais barato e benéfico do mundo. “Fomos na Newland e eles cederam um computador específico para realizamos testes com o equipamento. Testamos o biocombustível numa Hilux e conseguimos comprovar que o nosso equipamento diminui 4°C a temperatura, diminui 3°C de retorno de diesel para o tanque do veículo, e além de tudo isso, ele também dobra a durabilidade do motor”, ressaltou o professor.

Falta de incentivo

O projeto foi credenciado para participar da I-SWEEEP, uma importante feira de ciências voltada para estudantes do ensino médio, que ocorreu em Houston, no Texas. Além dos EUA, foi aprovado para participar de evento na capital dos Emirados Árabes Unidos, Abu Dhabi.

Entretanto, apesar do grande potencial de mercado, o projeto ainda não possui os incentivos necessários. Segundo Ricardo, é preciso ainda muito investimento para o projeto se tornar uma realidade. “Falta apoio. Temos alguns incentivos, mas nada que faça jus ao que o projeto realmente é. Isso é muito triste, mas estamos buscando cada vez mais esse incentivos”, disse.

A expectativa do professor é correspondida pelos seus alunos. Para Jéssica, o sonho é ver o seu projeto sendo executado. “A minha expectativa é que as pessoas olhem pra ele e que deem o valor que ele merece. Que ele seja realmente executado numa instituição, numa escola ou num local onde faça bem a sociedade”, completou.

Publicidade

Dê sua opinião

INOVAÇÃO

Alunos do IFCE do Cariri criam reator de biodiesel mais barato do mundo

Processo foi feito com a adaptação de corote, recipiente de caminhoneiros para armazenar água. São produzidos 19 L de biodiesel e 5 L de glicerina

Por Matheus Ribeiro em Tecnologia

13 de julho de 2016 às 07:00

Há 10 meses
Em Juazeiro do Norte, os estudantes do IFCE, durante a primeira etapa de implantação do projeto (FOTO: Divulgação)

Em Juazeiro do Norte, os estudantes do IFCE, durante a primeira etapa de implantação do projeto (FOTO: Divulgação)

No tempo em que o preço da gasolina assusta os motoristas, três estudantes cearenses do Instituto Federal do Ceará (IFCE), do campus de Juazeiro do Norte, a 490 quilômetros de Fortaleza, descobriram uma solução para isso. Cícero Paulo dos Santos, Maria Jéssica da Silva e Alanna Lucema desenvolveram no ano passado um projeto inovador de produção de biocombustível.

Com a orientação dos professores Ricardo da Fonseca e Adolfo Cabral, os alunos criaram um reator de baixo custo capaz de produzir biodiesel, glicerina e sabão. O equipamento já foi patenteado e, hoje, está sendo testado em motores de carros para verificar a utilização do biocombustível produzido.

Segundo Maria Jéssica, a ideia de realizar o projeto surgiu há quatro anos, nas olimpíadas de química da instituição de ensino. “A gente tinha uma bolsa da Petrobras em que o tema era biocombustível. A partir daí começamos a pesquisar sobre isso”. 

Visando também a reciclagem, os alunos resolveram ir fundo no projeto. “A gente foi fazer uma pesquisa de campo para desenvolver o equipamento. Fomos em 500 casas perguntando a quantidade de óleo utilizado por mês e o que cada pessoa fazia com ele após o uso. Após essa pesquisa, observamos que as pessoas não descartavam de forma adequada o óleo, e a partir disso começamos o projeto, que visa, além da economia, a sustentabilidade”, destacou a estudante.

Produção

Para fabricar o equipamento, os estudantes adaptaram um corote (espécie de reservatório d’água de caminhão) e materiais recicláveis, como vassoura, polia, madeira e garrafas de plástico. Segundo o professor Ricardo, o equipamento custa em torno de R$ 80 para ser feito e produz cerca de 20 litros de biodiesel, além de não precisar de energia para funcionar. Para a produção da substância, o equipamento mais barato encontrado atualmente no mercado custa em torno de R$ 3 mil.

O corote é colocado de pé, as torneiras de ferro do recipiente são adaptadas para retirar a glicerina e o sabão, e o reator funciona por atrito, sem a necessidade de energia elétrica. São produzidos 19 L de biodiesel e 5 L de glicerina por batelada.

Ainda conforme o orientador, o projeto se confirma tecnologicamente como o mais barato e benéfico do mundo. “Fomos na Newland e eles cederam um computador específico para realizamos testes com o equipamento. Testamos o biocombustível numa Hilux e conseguimos comprovar que o nosso equipamento diminui 4°C a temperatura, diminui 3°C de retorno de diesel para o tanque do veículo, e além de tudo isso, ele também dobra a durabilidade do motor”, ressaltou o professor.

Falta de incentivo

O projeto foi credenciado para participar da I-SWEEEP, uma importante feira de ciências voltada para estudantes do ensino médio, que ocorreu em Houston, no Texas. Além dos EUA, foi aprovado para participar de evento na capital dos Emirados Árabes Unidos, Abu Dhabi.

Entretanto, apesar do grande potencial de mercado, o projeto ainda não possui os incentivos necessários. Segundo Ricardo, é preciso ainda muito investimento para o projeto se tornar uma realidade. “Falta apoio. Temos alguns incentivos, mas nada que faça jus ao que o projeto realmente é. Isso é muito triste, mas estamos buscando cada vez mais esse incentivos”, disse.

A expectativa do professor é correspondida pelos seus alunos. Para Jéssica, o sonho é ver o seu projeto sendo executado. “A minha expectativa é que as pessoas olhem pra ele e que deem o valor que ele merece. Que ele seja realmente executado numa instituição, numa escola ou num local onde faça bem a sociedade”, completou.