73% dos brasileiros querem sair das mídias sociais, mas o medo de perder amigos os faz ficar
COMPORTAMENTO

73% dos brasileiros querem sair das redes sociais, mas o medo de perder amigos os faz ficar

Maioria das pessoas acredita que, ao sair das redes sociais, perderia contato com os amigos

Por Matheus Ribeiro em Tecnologia

14 de dezembro de 2016 às 06:30

Há 9 meses
Usuários temem perder históricos e lembranças digitais (FOTO: Reprodução)

Usuários temem perder históricos e lembranças digitais (FOTO: Reprodução)

Em tempos de conectividade, abandonar o celular e as redes sociais virou uma tarefa difícil para muitas pessoas. Uma pesquisa realizada pela Kaspersky Lab mostra que grande parte dos usuários quer abandonar as redes sociais porque consideram uma perda de tempo, mas o medo de perder amigos os faz ficar.

De acordo com essa pesquisa, os usuários permanecem nas mídias sociais, como Facebook e Instagram, apenas porque têm medo de perder suas recordações digitais e o contato com seus amigos.

Esse é o caso do estudante Marcílio Júnior. Segundo ele, as conversas entre amigos de forma presencial são sobre coisas do mundo virtual.

“Já abandonei e tive que voltar porque eu me senti meio excluído. Quando saía com os amigos para algum restaurante percebia que a conversa era sobre coisas que aconteciam na internet, e como eu não estava mais nas redes sociais ficava totalmente de fora”, detalha.

No Brasil, cerca de 68% das pessoas acredita que, ao sair das redes sociais, perderia contato com os amigos. Já 21% dos participantes estão menos preocupados com os amigos, mas têm medo de não conseguir recuperar lembranças digitais.

Para o advogado Victor Cavalcante, a saída das redes sociais fez com que se tornasse uma pessoa mais realista. “Nós só postamos momentos felizes. Não existe tristeza nas redes sociais, e isso não repassa a realidade na vida de muitas pessoas. Às vezes, precisamos sair desse mundo para poder pensar melhor. Hoje em dia, nós deixamos de tomar certas decisões com medo do que será publicado nas redes sociais. Isso é bem complicado”, opina.

Publicidade

Dê sua opinião

COMPORTAMENTO

73% dos brasileiros querem sair das redes sociais, mas o medo de perder amigos os faz ficar

Maioria das pessoas acredita que, ao sair das redes sociais, perderia contato com os amigos

Por Matheus Ribeiro em Tecnologia

14 de dezembro de 2016 às 06:30

Há 9 meses
Usuários temem perder históricos e lembranças digitais (FOTO: Reprodução)

Usuários temem perder históricos e lembranças digitais (FOTO: Reprodução)

Em tempos de conectividade, abandonar o celular e as redes sociais virou uma tarefa difícil para muitas pessoas. Uma pesquisa realizada pela Kaspersky Lab mostra que grande parte dos usuários quer abandonar as redes sociais porque consideram uma perda de tempo, mas o medo de perder amigos os faz ficar.

De acordo com essa pesquisa, os usuários permanecem nas mídias sociais, como Facebook e Instagram, apenas porque têm medo de perder suas recordações digitais e o contato com seus amigos.

Esse é o caso do estudante Marcílio Júnior. Segundo ele, as conversas entre amigos de forma presencial são sobre coisas do mundo virtual.

“Já abandonei e tive que voltar porque eu me senti meio excluído. Quando saía com os amigos para algum restaurante percebia que a conversa era sobre coisas que aconteciam na internet, e como eu não estava mais nas redes sociais ficava totalmente de fora”, detalha.

No Brasil, cerca de 68% das pessoas acredita que, ao sair das redes sociais, perderia contato com os amigos. Já 21% dos participantes estão menos preocupados com os amigos, mas têm medo de não conseguir recuperar lembranças digitais.

Para o advogado Victor Cavalcante, a saída das redes sociais fez com que se tornasse uma pessoa mais realista. “Nós só postamos momentos felizes. Não existe tristeza nas redes sociais, e isso não repassa a realidade na vida de muitas pessoas. Às vezes, precisamos sair desse mundo para poder pensar melhor. Hoje em dia, nós deixamos de tomar certas decisões com medo do que será publicado nas redes sociais. Isso é bem complicado”, opina.