Sindicato dos Agentes Penitenciários aponta que presos tem regalias e comandam assaltos a bancos

CRISE PRISIONAL

Sindicato dos Agentes Penitenciários aponta que presos têm regalias e comandam assaltos a bancos

Suposta carta de denúncia também ressalta problemas e teria sido entregue ao secretário de Justiça

Por Rosana Romão em Segurança Pública

25 de Maio de 2016 às 06:30

Há 2 anos
(Imagem: reprodução)

(Imagem: reprodução)

Circula por meio de aplicativos de mensagens uma carta que seria de autoria de um agente penitenciário destinada ao Secretário de Justiça do Ceará, Hélio Leitão. O texto inicia pedindo respeito à categoria e depois faz várias denúncias e reivindicações.

O diretor do Sindicato dos Agentes Penitenciários do Ceará, Natanael Andrade, disse desconhecer a carta, todavia confirmou algumas informações que foram relatadas e fez mais denúncias, como a de que há regalias para os presos autorizadas pela Sejus.

“Desde já digo ao senhor que respeite a minha categoria, porque o senhor não está lidando com qualquer um. Lave a boca antes de nos chamar de irresponsáveis, porque essa adjetivo cai bem ao senhor e a sua gestão. E vale salientar que o senhor nada mais é do que um estrangeiro na SEJUS, um ser passageiro que chegou, instaurou uma crise e agora procura um bode expiatório pra culpar”, diz a carta direcionada a Hélio Leitão, onde a autoria é desconhecida.

“Não posso afirmar que realmente foi um agente penitenciário que escreveu. Pode ser, mas também pode não ser. No entanto, tem muitas verdades”, afirma o diretor do sindicato. Ele confirma a falta de equipamentos, como detector de metais e afirma que gestão de Hélio Leitão, desde 2015, ficou a desejar. “Tem que se tomar uma atitude e mostrar que os presos precisam cumprir a sua pena e não dar regalias como estão dando para eles”, cobra.

“Cerca de 70 a 80% dos crimes de assaltos a bancos, por exemplo, são proporcionados dentro dos presídios do Ceará. Precisamos de equipamentos, treinamentos, uma série de coisas. Não temos equipamentos para fazer as vistorias coletando os aparelhos celulares, por exemplo”, reclama. Ele caracteriza o trabalho da Secretaria de Justiça como falho e afirma que não há diálogo entre a pasta e o sindicato dos agentes penitenciários.

Entre as soluções para a superlotação de presídios, ele não discorda da opção de liberar os presos em liberdade provisória. “Todas as alternativas são válidas, contanto que não tragam prejuízos para a sociedade. Você não pode soltar o preso por soltar, porque ele traz riscos à sociedade. Com certeza, a melhor alternativa é fazer um trabalho de reeducação”, indica Natanael Andrade.

“Nós avisamos que isso não vem acontecendo de ontem ou de hoje. Estamos trazendo fatos antigos. Mas eles não gostam de escutar as pessoas. Tem agentes penitenciários saindo das suas folgas para poder ajudar o estado que, na verdade, não quer ser ajudado”, finaliza Natanael Andrade. Procurada pela reportagem, a Secretaria de Justiça do Estado do Ceará disse que não irá se pronunciar sobre o assunto. 

Entenda o caso

Uma série de rebeliões simultâneas ocorreu em pelo menos oito presídios do Ceará, na manhã e início da tarde de sábado (21). As rebeliões tiveram início após deflagração de greve por parte do Sindicato dos Agentes Penitenciários do Ceará, na sexta-feira (20). Com a greve, foram suspensas as visitas do fim de semana, prejudicando a alimentação dos presídios, o que gerou a revolta.

Em decisão liminar proferida na sexta, a greve foi declarada ilegal por decisão da desembargadora Terese Neumann, apontando crime de desobediência por parte do sindicato dos agentes prisionais, fato que também será investigado pelo Ministério Público. No domingo (22), o governador Camilo Santana solicitou o apoio da Força Nacional de Segurança para conter a crise no sistema prisional.

Sistema Prisional

O Governo do Estado confirma que as CPPLs II, III e IV estão completamente destruídas em termos de infraestrutura prisional. A Unidade Prisional de Caucaia, conhecida popularmente como Carrapicho, foi parcialmente danificada, enquanto o Instituto Penal Feminino registrou somente um pequeno motim. Em nota, a Procuradoria Geral da Justiça informou que vai investigar os motins, as mortes, a paralisação dos agentes prisionais e os prejuízos.

Acompanhe o caso:

24 de maio – Sejus confirma transferência de presos e já contabiliza 18 mortos em rebeliões no Ceará

24 de maio – “Sistema prisional do Ceará é uma bomba relógio”, critica Conselho Penitenciário

24 de maio – “Estamos dormindo no cimento, sem comida nem água”, revela preso em ligação telefônica

23 de maio – Camilo Santana solicita apoio da Força Nacional para conter crise em presídios

23 de maio – Rebelião no “Carrapicho” marca 3º dia de crise do sistema penitenciário no Ceará

23 de maio – Prints de Whatsapp revelam conversa entre presos durante rebeliões no Ceará

23 de maio – Carta que seria do Comando Vermelho pede fim de matança em presídios do Ceará

22 de maio – Chega ao fim greve de agentes penitenciários após onda de rebeliões no Ceará

21 de maio – Presos compartilham vídeos de quebra-quebra em rebelião na CPPL 4

21 de maio – Ministério Público vai apurar se agentes penitenciários tiveram culpa por caos em presídios

21 de maio – Série de rebeliões simultâneas ocorre em 8 presídios do Ceará

Publicidade

Dê sua opinião

CRISE PRISIONAL

Sindicato dos Agentes Penitenciários aponta que presos têm regalias e comandam assaltos a bancos

Suposta carta de denúncia também ressalta problemas e teria sido entregue ao secretário de Justiça

Por Rosana Romão em Segurança Pública

25 de Maio de 2016 às 06:30

Há 2 anos
(Imagem: reprodução)

(Imagem: reprodução)

Circula por meio de aplicativos de mensagens uma carta que seria de autoria de um agente penitenciário destinada ao Secretário de Justiça do Ceará, Hélio Leitão. O texto inicia pedindo respeito à categoria e depois faz várias denúncias e reivindicações.

O diretor do Sindicato dos Agentes Penitenciários do Ceará, Natanael Andrade, disse desconhecer a carta, todavia confirmou algumas informações que foram relatadas e fez mais denúncias, como a de que há regalias para os presos autorizadas pela Sejus.

“Desde já digo ao senhor que respeite a minha categoria, porque o senhor não está lidando com qualquer um. Lave a boca antes de nos chamar de irresponsáveis, porque essa adjetivo cai bem ao senhor e a sua gestão. E vale salientar que o senhor nada mais é do que um estrangeiro na SEJUS, um ser passageiro que chegou, instaurou uma crise e agora procura um bode expiatório pra culpar”, diz a carta direcionada a Hélio Leitão, onde a autoria é desconhecida.

“Não posso afirmar que realmente foi um agente penitenciário que escreveu. Pode ser, mas também pode não ser. No entanto, tem muitas verdades”, afirma o diretor do sindicato. Ele confirma a falta de equipamentos, como detector de metais e afirma que gestão de Hélio Leitão, desde 2015, ficou a desejar. “Tem que se tomar uma atitude e mostrar que os presos precisam cumprir a sua pena e não dar regalias como estão dando para eles”, cobra.

“Cerca de 70 a 80% dos crimes de assaltos a bancos, por exemplo, são proporcionados dentro dos presídios do Ceará. Precisamos de equipamentos, treinamentos, uma série de coisas. Não temos equipamentos para fazer as vistorias coletando os aparelhos celulares, por exemplo”, reclama. Ele caracteriza o trabalho da Secretaria de Justiça como falho e afirma que não há diálogo entre a pasta e o sindicato dos agentes penitenciários.

Entre as soluções para a superlotação de presídios, ele não discorda da opção de liberar os presos em liberdade provisória. “Todas as alternativas são válidas, contanto que não tragam prejuízos para a sociedade. Você não pode soltar o preso por soltar, porque ele traz riscos à sociedade. Com certeza, a melhor alternativa é fazer um trabalho de reeducação”, indica Natanael Andrade.

“Nós avisamos que isso não vem acontecendo de ontem ou de hoje. Estamos trazendo fatos antigos. Mas eles não gostam de escutar as pessoas. Tem agentes penitenciários saindo das suas folgas para poder ajudar o estado que, na verdade, não quer ser ajudado”, finaliza Natanael Andrade. Procurada pela reportagem, a Secretaria de Justiça do Estado do Ceará disse que não irá se pronunciar sobre o assunto. 

Entenda o caso

Uma série de rebeliões simultâneas ocorreu em pelo menos oito presídios do Ceará, na manhã e início da tarde de sábado (21). As rebeliões tiveram início após deflagração de greve por parte do Sindicato dos Agentes Penitenciários do Ceará, na sexta-feira (20). Com a greve, foram suspensas as visitas do fim de semana, prejudicando a alimentação dos presídios, o que gerou a revolta.

Em decisão liminar proferida na sexta, a greve foi declarada ilegal por decisão da desembargadora Terese Neumann, apontando crime de desobediência por parte do sindicato dos agentes prisionais, fato que também será investigado pelo Ministério Público. No domingo (22), o governador Camilo Santana solicitou o apoio da Força Nacional de Segurança para conter a crise no sistema prisional.

Sistema Prisional

O Governo do Estado confirma que as CPPLs II, III e IV estão completamente destruídas em termos de infraestrutura prisional. A Unidade Prisional de Caucaia, conhecida popularmente como Carrapicho, foi parcialmente danificada, enquanto o Instituto Penal Feminino registrou somente um pequeno motim. Em nota, a Procuradoria Geral da Justiça informou que vai investigar os motins, as mortes, a paralisação dos agentes prisionais e os prejuízos.

Acompanhe o caso:

24 de maio – Sejus confirma transferência de presos e já contabiliza 18 mortos em rebeliões no Ceará

24 de maio – “Sistema prisional do Ceará é uma bomba relógio”, critica Conselho Penitenciário

24 de maio – “Estamos dormindo no cimento, sem comida nem água”, revela preso em ligação telefônica

23 de maio – Camilo Santana solicita apoio da Força Nacional para conter crise em presídios

23 de maio – Rebelião no “Carrapicho” marca 3º dia de crise do sistema penitenciário no Ceará

23 de maio – Prints de Whatsapp revelam conversa entre presos durante rebeliões no Ceará

23 de maio – Carta que seria do Comando Vermelho pede fim de matança em presídios do Ceará

22 de maio – Chega ao fim greve de agentes penitenciários após onda de rebeliões no Ceará

21 de maio – Presos compartilham vídeos de quebra-quebra em rebelião na CPPL 4

21 de maio – Ministério Público vai apurar se agentes penitenciários tiveram culpa por caos em presídios

21 de maio – Série de rebeliões simultâneas ocorre em 8 presídios do Ceará