Pai que matou filho em discussão após jogo do Brasil presta depoimento na Polícia

"FOI UMA TRAGÉDIA"

Pai que matou filho em discussão após jogo do Brasil presta depoimento na Polícia

Segundo depoimento do pai, o filho teria tentado agredir a mãe quando foi interrompido pelo pai, após discussão durante comemoração do jogo

Por TV Jangadeiro em Segurança Pública

26 de junho de 2018 às 11:21

Há 3 semanas
Delegado Alísio Justa

Delegado Alísia Justa revela detalhes do depoimento do homem que matou o filho após discussão. (FOTO: Reprodução/TV Jangadeiro)

O pai que matou o filho com golpes de faca após discussão familiar se apresentou à Polícia na manhã da segunda-feira (26). O crime ocorreu após o jogo do Brasil, na residência da família, na última sexta-feira (22), no Bairro Sapiranga, em Fortaleza.

Ailton Jenuíno Pereira, de 65 anos, foi ao 26º DP confessou ter atingido o filho com instrumento perfurante, mas sem intenção de matar. Ele alegou que toda a família sofria com ameaças constantes do filho, que era usuário de drogas.

As informações são do programa Barra Pesada/TV Jangadeiro.

O delegado Alísio Justa, responsável pelo caso, disse que Ailton Jenuíno apresentou-se espontaneamente e mostrou-se bastante emocionado. Para o pai, a morte do filho, Adriano Jenuíno Melo Pereira, de 45 anos, foi uma tragédia.

Segundo o delegado, o pai afirmou que, no dia do jogo, ele teria reclamado com o filho por estar ingerindo muita bebida alcoólica, o que desagradou o rapaz. Além disso, durante a comemoração do jogo, a mãe teria ido até onde eles estavam e pedido para reduzirem o volume do som.

“O filho, se referindo à mãe, teria dito: ‘você vai obedecer a essa p***? Não vai me deixar curtir o som?’. O pai ficou com raiva da ofensa, desligou o som e saiu pra guardar o aparelho”, disse delegado.

Em seguida, em momento no qual a mãe teria ido à cozinha, o filho teria ido atrás dela e agido de forma agressiva, segurando seus braços. A mulher, então, pediu socorro ao marido.

“Ele (Ailton) correu para a cozinha, e o filho investiu contra ele, segurando algo na mão. Ele pegou um objeto, sem saber qual era, e furou o filho. Quando furou, o filho teria investido contra ele novamente, e ele teria furado pela segunda vez. Ele diz não saber quantas perfurações fez; e o filho caiu praticamente morto. Ele disse que não tinha intenção de matar o filho. Mas o que vai dizer de fato o resultado da morte é o exame cadavérico”, explicou o delegado.

Ainda de acordo com o depoimento de Ailton Jenuíno, o filho nunca aceitou fazer tratamento de desintoxicação. Além disso, furtava objetos de casa para comprar drogas. Adriano pediu para morar com a família e foi recebido. No entanto, toda vez que alguém reclamava do envolvimento dele com entorpecentes, ele fazia ameaças contra os pais. A família, no entanto, nunca registrou Boletim de Ocorrência.

Segundo o delegado, algumas testemunhas ainda precisam ser ouvidas, entre elas um adolescente de 15 anos, neto de Ailton e filho de Adriano,a mãe da vítima e outras pessoas presentes no local.

Publicidade

Dê sua opinião

"FOI UMA TRAGÉDIA"

Pai que matou filho em discussão após jogo do Brasil presta depoimento na Polícia

Segundo depoimento do pai, o filho teria tentado agredir a mãe quando foi interrompido pelo pai, após discussão durante comemoração do jogo

Por TV Jangadeiro em Segurança Pública

26 de junho de 2018 às 11:21

Há 3 semanas
Delegado Alísio Justa

Delegado Alísia Justa revela detalhes do depoimento do homem que matou o filho após discussão. (FOTO: Reprodução/TV Jangadeiro)

O pai que matou o filho com golpes de faca após discussão familiar se apresentou à Polícia na manhã da segunda-feira (26). O crime ocorreu após o jogo do Brasil, na residência da família, na última sexta-feira (22), no Bairro Sapiranga, em Fortaleza.

Ailton Jenuíno Pereira, de 65 anos, foi ao 26º DP confessou ter atingido o filho com instrumento perfurante, mas sem intenção de matar. Ele alegou que toda a família sofria com ameaças constantes do filho, que era usuário de drogas.

As informações são do programa Barra Pesada/TV Jangadeiro.

O delegado Alísio Justa, responsável pelo caso, disse que Ailton Jenuíno apresentou-se espontaneamente e mostrou-se bastante emocionado. Para o pai, a morte do filho, Adriano Jenuíno Melo Pereira, de 45 anos, foi uma tragédia.

Segundo o delegado, o pai afirmou que, no dia do jogo, ele teria reclamado com o filho por estar ingerindo muita bebida alcoólica, o que desagradou o rapaz. Além disso, durante a comemoração do jogo, a mãe teria ido até onde eles estavam e pedido para reduzirem o volume do som.

“O filho, se referindo à mãe, teria dito: ‘você vai obedecer a essa p***? Não vai me deixar curtir o som?’. O pai ficou com raiva da ofensa, desligou o som e saiu pra guardar o aparelho”, disse delegado.

Em seguida, em momento no qual a mãe teria ido à cozinha, o filho teria ido atrás dela e agido de forma agressiva, segurando seus braços. A mulher, então, pediu socorro ao marido.

“Ele (Ailton) correu para a cozinha, e o filho investiu contra ele, segurando algo na mão. Ele pegou um objeto, sem saber qual era, e furou o filho. Quando furou, o filho teria investido contra ele novamente, e ele teria furado pela segunda vez. Ele diz não saber quantas perfurações fez; e o filho caiu praticamente morto. Ele disse que não tinha intenção de matar o filho. Mas o que vai dizer de fato o resultado da morte é o exame cadavérico”, explicou o delegado.

Ainda de acordo com o depoimento de Ailton Jenuíno, o filho nunca aceitou fazer tratamento de desintoxicação. Além disso, furtava objetos de casa para comprar drogas. Adriano pediu para morar com a família e foi recebido. No entanto, toda vez que alguém reclamava do envolvimento dele com entorpecentes, ele fazia ameaças contra os pais. A família, no entanto, nunca registrou Boletim de Ocorrência.

Segundo o delegado, algumas testemunhas ainda precisam ser ouvidas, entre elas um adolescente de 15 anos, neto de Ailton e filho de Adriano,a mãe da vítima e outras pessoas presentes no local.