Outubro é o mês mais violento da história do Ceará

DADOS DA SSPDS

Outubro é o mês mais violento da história do Ceará

Este mês de outubro é o mais violento já registrado pela SSPDS desde que a pasta começou a adotar a atual forma de contagem desses crimes, em 2013

Por Tribuna do Ceará em Segurança Pública

14 de novembro de 2017 às 20:53

Há 6 dias

Números seguem preocupantes (FOTO: Tribuna do Ceará)

O mês de outubro de 2017 registrou 516 Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLI) no Ceará, de acordo com a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social.

Este é o mês mais violento já contabilizado pela SSPDS desde que a pasta começou a adotar a atual forma de contagem desses crimes, em 2013. Até então, por essa metodologia, o mês mais violento do Estado era julho último, que apresentou 475 CVLIs.

Os dados foram apresentados em entrevista coletiva na tarde desta terça-feira (14).

O ano ainda nem terminou, mas o Ceará já acumula até outubro 4.211 assassinatos. É como se, por dia, 14 pessoas fossem mortas. Os números mais que dobraram se comparados ao mesmo período do ano passado: de janeiro a outubro de 2016 foram 2.789 assassinatos.

No acumulado do ano, Fortaleza já apresenta um aumento de quase 100% no número de casos. Só em 2017, 1.616 foram mortas. No mesmo período, em 2016, 823 mortes haviam sido registradas.

Em outubro de 2016, 77 pessoas foram mortas na capital. Neste ano, o número foi 140,3% maior, com 185 assassinatos. Fortaleza segue a tendência do restante do estado. No Ceará, o aumento foi de 85,6%. O número de mortes em outubro de 2016 havia sido de 278.

*Os Crimes Violentos Letais e Intencionais (CVLIs) incluem homicídio doloso, latrocínio e lesão corporal seguida de morte.

A SSPDS também divulgou o balanço do número de Crimes Violentos contra o Patrimônio 1 (CVPs 1). Esses números representam crimes como roubos a pessoa e de documentos, mas não roubos com ou sem restrição de liberdade, a residências, de cargas e de veículos.

Em outubro deste ano, o estado registrou 3.529 CVP. Eram 2.806 registros do tipo em outubro de 2016. A região que registrou o maior aumento foi a Grande Fortaleza: 25,8%. Foram 53.886 CVPs registrados em 2017, contra 51.167 em 2016.

Já os CVPs 2 — que incluem roubo de carga, com restrição de liberdade, a residências, de veículos ou a bancos — Fortaleza apresentou uma pequena melhora. Os casos caíram de 583 para 577, representando apenas 1% de baixa.

No Ceará, o número de furtos cresceu no acumulado e no comparativo ao mesmo mês no ano passado. Em outubro de 2016, 4.410 casos foram registrados. Já em 2017, 5.332 furtos estão contabilizados, o que representa um aumento de 20,9%.

Confira os dados:

Dados mostram uma evolução negativa
1/6

Dados mostram uma evolução negativa

(FOTO: TV jangadeiro)

Dados mostram uma evolução negativa
2/6

Dados mostram uma evolução negativa

(FOTO: TV jangadeiro)

Dados mostram uma evolução negativa
3/6

Dados mostram uma evolução negativa

(FOTO: TV jangadeiro)

Dados mostram uma evolução negativa
4/6

Dados mostram uma evolução negativa

(FOTO: TV jangadeiro)

Dados mostram uma evolução negativa
5/6

Dados mostram uma evolução negativa

(FOTO: TV jangadeiro)

Dados mostram uma evolução negativa
6/6

Dados mostram uma evolução negativa

(FOTO: TV jangadeiro)

Veja vídeo

Publicidade

Dê sua opinião

DADOS DA SSPDS

Outubro é o mês mais violento da história do Ceará

Este mês de outubro é o mais violento já registrado pela SSPDS desde que a pasta começou a adotar a atual forma de contagem desses crimes, em 2013

Por Tribuna do Ceará em Segurança Pública

14 de novembro de 2017 às 20:53

Há 6 dias

Números seguem preocupantes (FOTO: Tribuna do Ceará)

O mês de outubro de 2017 registrou 516 Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLI) no Ceará, de acordo com a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social.

Este é o mês mais violento já contabilizado pela SSPDS desde que a pasta começou a adotar a atual forma de contagem desses crimes, em 2013. Até então, por essa metodologia, o mês mais violento do Estado era julho último, que apresentou 475 CVLIs.

Os dados foram apresentados em entrevista coletiva na tarde desta terça-feira (14).

O ano ainda nem terminou, mas o Ceará já acumula até outubro 4.211 assassinatos. É como se, por dia, 14 pessoas fossem mortas. Os números mais que dobraram se comparados ao mesmo período do ano passado: de janeiro a outubro de 2016 foram 2.789 assassinatos.

No acumulado do ano, Fortaleza já apresenta um aumento de quase 100% no número de casos. Só em 2017, 1.616 foram mortas. No mesmo período, em 2016, 823 mortes haviam sido registradas.

Em outubro de 2016, 77 pessoas foram mortas na capital. Neste ano, o número foi 140,3% maior, com 185 assassinatos. Fortaleza segue a tendência do restante do estado. No Ceará, o aumento foi de 85,6%. O número de mortes em outubro de 2016 havia sido de 278.

*Os Crimes Violentos Letais e Intencionais (CVLIs) incluem homicídio doloso, latrocínio e lesão corporal seguida de morte.

A SSPDS também divulgou o balanço do número de Crimes Violentos contra o Patrimônio 1 (CVPs 1). Esses números representam crimes como roubos a pessoa e de documentos, mas não roubos com ou sem restrição de liberdade, a residências, de cargas e de veículos.

Em outubro deste ano, o estado registrou 3.529 CVP. Eram 2.806 registros do tipo em outubro de 2016. A região que registrou o maior aumento foi a Grande Fortaleza: 25,8%. Foram 53.886 CVPs registrados em 2017, contra 51.167 em 2016.

Já os CVPs 2 — que incluem roubo de carga, com restrição de liberdade, a residências, de veículos ou a bancos — Fortaleza apresentou uma pequena melhora. Os casos caíram de 583 para 577, representando apenas 1% de baixa.

No Ceará, o número de furtos cresceu no acumulado e no comparativo ao mesmo mês no ano passado. Em outubro de 2016, 4.410 casos foram registrados. Já em 2017, 5.332 furtos estão contabilizados, o que representa um aumento de 20,9%.

Confira os dados:

Dados mostram uma evolução negativa
1/6

Dados mostram uma evolução negativa

(FOTO: TV jangadeiro)

Dados mostram uma evolução negativa
2/6

Dados mostram uma evolução negativa

(FOTO: TV jangadeiro)

Dados mostram uma evolução negativa
3/6

Dados mostram uma evolução negativa

(FOTO: TV jangadeiro)

Dados mostram uma evolução negativa
4/6

Dados mostram uma evolução negativa

(FOTO: TV jangadeiro)

Dados mostram uma evolução negativa
5/6

Dados mostram uma evolução negativa

(FOTO: TV jangadeiro)

Dados mostram uma evolução negativa
6/6

Dados mostram uma evolução negativa

(FOTO: TV jangadeiro)

Veja vídeo