ONG latino-americana afirma que declaração de titular da SSPDS "causa surpresa e provoca desesperança"

"JUSTIÇA OU CEMITÉRIO"

ONG latino-americana afirma que declaração de titular da SSPDS “causa surpresa e desesperança”

O secretário André Costa afirmou que, para bandido, só teriam duas alternativas: Justiça ou cemitério

Por Roberta Tavares em Segurança Pública

5 de fevereiro de 2017 às 11:09

Há 2 anos
Declaração de André Costa foi feita após prisão de suspeitos da morte de um policial (FOTO: Reprodução/TV Jangadeiro)

Declaração de André Costa foi feita após prisão de suspeitos da morte de um policial (FOTO: Reprodução/TV Jangadeiro)

Após declaração polêmica do secretário de Segurança Pública e Defesa Social, André Costa, o Instituto Latino-Americano de Direito, Política e Democracia divulgou nota manifestando divergência em relação às palavras do titular da secretaria.

No último dia 28 de janeiro, André Costa afirmou que, para bandido, só teriam duas alternativas: Justiça ou cemitério. “Se ele quiser se entregar, a gente oferece a Justiça. Se ele quiser puxar uma arma, como foi feito contra nosso policial, a gente tem o cemitério para oferecer a ele”, declarou em entrevista coletiva.

De acordo com o Instituto Latino-Americano, “causa surpresa e necessária indignação que servidor do sistema de segurança pública expresse tão obtusa visão sobre combate à criminalidade, suas raízes e formas de enfrentamento”.

A nota diz ainda que “o agente público, ao invés de explicar uma eventual descontextualização de sua fala ou pedir desculpas por um mal entendido, ficou silente após as diversas críticas apresentadas, e procurou apenas divulgar outro foco de autuação da segurança pública, a apresentar à sociedade outros argumentos que legitimam a atividade policial no Estado, o que deixa claro a manutenção de seu controvertido posicionamento”.

Para a ONG, as palavras usadas pelo secretário “provocam desesperança em todos que esperam ver os conflitos característicos da democracia resolvidos no âmbito da institucionalidade democrática. Preservar a democracia e os direitos humanos não significa defender criminosos, tampouco o crime: traduz a visão civilizatória de que problemas da violência podem e devem ser resolvidos a partir de ações conjuntas do mesmo Estado, na qual a política de segurança pública dotada de noções democráticas deve ser o norte desta mesma ação estatal”, indica.

O Instituto Latino-Americano de Estudos sobre Direito, Política e Democracia possui em seus quadros advogados, filósofos, jornalistas, médicos, sociólogos, pesquisadores e estudantes. 

Sindicato afirma que declaração foi corajosa

Já o Sindicato dos Policiais Civis afirmou ao Tribuna do Ceará que a declaração é corajosa. O presidente do Sindicato, Lucas de Oliveira, afirmou concordar com o posicionamento do secretário. “Precisa ter coragem para se dar uma declaração dessa, mas eu acho que as forças de segurança têm que reagir à altura. Concordamos com o secretário”.

O presidente falou ainda que a polícia tem que reagir de acordo com a Lei. “Policial tem que reagir também. Mas ele não está autorizando à arbitrariedade. A polícia tem que entrar com a Lei. Antes morrer 10 bandidos do que 10 policiais. A sociedade não perde nada com morte de bandidos”, finaliza.

Publicidade

Dê sua opinião

"JUSTIÇA OU CEMITÉRIO"

ONG latino-americana afirma que declaração de titular da SSPDS “causa surpresa e desesperança”

O secretário André Costa afirmou que, para bandido, só teriam duas alternativas: Justiça ou cemitério

Por Roberta Tavares em Segurança Pública

5 de fevereiro de 2017 às 11:09

Há 2 anos
Declaração de André Costa foi feita após prisão de suspeitos da morte de um policial (FOTO: Reprodução/TV Jangadeiro)

Declaração de André Costa foi feita após prisão de suspeitos da morte de um policial (FOTO: Reprodução/TV Jangadeiro)

Após declaração polêmica do secretário de Segurança Pública e Defesa Social, André Costa, o Instituto Latino-Americano de Direito, Política e Democracia divulgou nota manifestando divergência em relação às palavras do titular da secretaria.

No último dia 28 de janeiro, André Costa afirmou que, para bandido, só teriam duas alternativas: Justiça ou cemitério. “Se ele quiser se entregar, a gente oferece a Justiça. Se ele quiser puxar uma arma, como foi feito contra nosso policial, a gente tem o cemitério para oferecer a ele”, declarou em entrevista coletiva.

De acordo com o Instituto Latino-Americano, “causa surpresa e necessária indignação que servidor do sistema de segurança pública expresse tão obtusa visão sobre combate à criminalidade, suas raízes e formas de enfrentamento”.

A nota diz ainda que “o agente público, ao invés de explicar uma eventual descontextualização de sua fala ou pedir desculpas por um mal entendido, ficou silente após as diversas críticas apresentadas, e procurou apenas divulgar outro foco de autuação da segurança pública, a apresentar à sociedade outros argumentos que legitimam a atividade policial no Estado, o que deixa claro a manutenção de seu controvertido posicionamento”.

Para a ONG, as palavras usadas pelo secretário “provocam desesperança em todos que esperam ver os conflitos característicos da democracia resolvidos no âmbito da institucionalidade democrática. Preservar a democracia e os direitos humanos não significa defender criminosos, tampouco o crime: traduz a visão civilizatória de que problemas da violência podem e devem ser resolvidos a partir de ações conjuntas do mesmo Estado, na qual a política de segurança pública dotada de noções democráticas deve ser o norte desta mesma ação estatal”, indica.

O Instituto Latino-Americano de Estudos sobre Direito, Política e Democracia possui em seus quadros advogados, filósofos, jornalistas, médicos, sociólogos, pesquisadores e estudantes. 

Sindicato afirma que declaração foi corajosa

Já o Sindicato dos Policiais Civis afirmou ao Tribuna do Ceará que a declaração é corajosa. O presidente do Sindicato, Lucas de Oliveira, afirmou concordar com o posicionamento do secretário. “Precisa ter coragem para se dar uma declaração dessa, mas eu acho que as forças de segurança têm que reagir à altura. Concordamos com o secretário”.

O presidente falou ainda que a polícia tem que reagir de acordo com a Lei. “Policial tem que reagir também. Mas ele não está autorizando à arbitrariedade. A polícia tem que entrar com a Lei. Antes morrer 10 bandidos do que 10 policiais. A sociedade não perde nada com morte de bandidos”, finaliza.