Onda de ataques a ônibus é resultado de guerra entre 3 facções, alerta Conselho Penitenciário
TARDE CAÓTICA

Onda de ataques a ônibus é resultado de guerra entre 3 facções, alerta Conselho Penitenciário

Houve confrontos nas CPPLs II e IV, depois que PCC (Primeiro Comando da Capital) e GDE (Guardiões do Estado) se uniram contra o Comando Vermelho

Por Ana Clara Jovino em Segurança Pública

19 de abril de 2017 às 16:33

Há 2 meses

Ataques a ônibus foram registrados em Fortaleza no início da tarde desta quarta-feira (19) (FOTO: Reprodução/Whatsapp)

O presidente do Conselho Penitenciário do Estado do Ceará (Copen-CE), Cláudio Justa, em entrevista à Tribuna BandNews FM, explicou que os ônibus incendiados nesta quarta-feira (19) na capital cearense podem ser um suposto anúncio de declaração de guerra entre as facções criminosas.

Cláudio relata que houve alguns confrontos na CPPL II e na CPPL IV, porque estão expulsando, na linguagem dos presídios estão “espirrando”, os detentos da facção do Comando Vermelho, o que segundo ele significa uma aparente ligação entre as facções PCC (Primeiro Comando da Capital) e GDE (Guardiões do Estado).

O presidente assegura que a Secretaria da Justiça (Sejus) já adota medidas de segurança. “No sentido de remanejamento de detentos, para evitar confrontos, conflitos e eventualmente mortes dentro do sistema”, esclarece.

Cláudio explica que os conflitos dentro dos presídios têm uma origem externa. “É algum tipo de composição ou de declaração de guerra que houve entre essas facções. E aí você tem uma onda de atentados, que é uma característica de anúncio que eles adotam para comunicar os outros integrantes de que eles estão em racha, estão em conflito”, justifica.

Ataques a ônibus foram registrados em Fortaleza no início da tarde desta quarta-feira (19). Relatos de veículos incendiados deixaram moradores com medo.

Passageiros informaram que os transportes públicos deixaram de rodar por medo da insegurança. A reportagem apurou alguns locais em que atearam fogo nos veículos: no Barroso; Avenida C do Sítio São João; próximo ao Cuca da Barra do Ceará; próximo ao Fórum no Edson Queiroz; no Siqueira; próximo a UPA do São Cristóvão e na Aerolândia.

Outro três registros aconteceram na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF), nos municípios de Maracanaú, Horizonte e Eusébio. Ao todo, 12 veículos foram incendiados.

Acompanhe a cobertura do caso:

19/4 – Onda de ataques a ônibus é resultado de guerra entre 3 facções, alerta Conselho Penitenciário

19/4 – Carta deixada em ônibus incendiado ameaça explodir Assembleia e Secretaria de Segurança

19/4 – Ônibus são incendiados em vários bairros de Fortaleza e terminais são fechados

Publicidade

Dê sua opinião

TARDE CAÓTICA

Onda de ataques a ônibus é resultado de guerra entre 3 facções, alerta Conselho Penitenciário

Houve confrontos nas CPPLs II e IV, depois que PCC (Primeiro Comando da Capital) e GDE (Guardiões do Estado) se uniram contra o Comando Vermelho

Por Ana Clara Jovino em Segurança Pública

19 de abril de 2017 às 16:33

Há 2 meses

Ataques a ônibus foram registrados em Fortaleza no início da tarde desta quarta-feira (19) (FOTO: Reprodução/Whatsapp)

O presidente do Conselho Penitenciário do Estado do Ceará (Copen-CE), Cláudio Justa, em entrevista à Tribuna BandNews FM, explicou que os ônibus incendiados nesta quarta-feira (19) na capital cearense podem ser um suposto anúncio de declaração de guerra entre as facções criminosas.

Cláudio relata que houve alguns confrontos na CPPL II e na CPPL IV, porque estão expulsando, na linguagem dos presídios estão “espirrando”, os detentos da facção do Comando Vermelho, o que segundo ele significa uma aparente ligação entre as facções PCC (Primeiro Comando da Capital) e GDE (Guardiões do Estado).

O presidente assegura que a Secretaria da Justiça (Sejus) já adota medidas de segurança. “No sentido de remanejamento de detentos, para evitar confrontos, conflitos e eventualmente mortes dentro do sistema”, esclarece.

Cláudio explica que os conflitos dentro dos presídios têm uma origem externa. “É algum tipo de composição ou de declaração de guerra que houve entre essas facções. E aí você tem uma onda de atentados, que é uma característica de anúncio que eles adotam para comunicar os outros integrantes de que eles estão em racha, estão em conflito”, justifica.

Ataques a ônibus foram registrados em Fortaleza no início da tarde desta quarta-feira (19). Relatos de veículos incendiados deixaram moradores com medo.

Passageiros informaram que os transportes públicos deixaram de rodar por medo da insegurança. A reportagem apurou alguns locais em que atearam fogo nos veículos: no Barroso; Avenida C do Sítio São João; próximo ao Cuca da Barra do Ceará; próximo ao Fórum no Edson Queiroz; no Siqueira; próximo a UPA do São Cristóvão e na Aerolândia.

Outro três registros aconteceram na Região Metropolitana de Fortaleza (RMF), nos municípios de Maracanaú, Horizonte e Eusébio. Ao todo, 12 veículos foram incendiados.

Acompanhe a cobertura do caso:

19/4 – Onda de ataques a ônibus é resultado de guerra entre 3 facções, alerta Conselho Penitenciário

19/4 – Carta deixada em ônibus incendiado ameaça explodir Assembleia e Secretaria de Segurança

19/4 – Ônibus são incendiados em vários bairros de Fortaleza e terminais são fechados