Número de homicídios no Ceará saltou 545% nos últimos 20 anos

EXPLOSÃO DE VIOLÊNCIA

Número de homicídios no Ceará saltou 545% nos últimos 20 anos

Governos de Cid Gomes e Camilo Santana registraram uma explosão no número de homicídios no Ceará

Por Tribuna do Ceará em Segurança Pública

27 de Janeiro de 2018 às 14:33

Há 6 meses
Chacina de 18 pessoas, neste sábado (27), foi a maior na história do Ceará (FOTO: Eumar Lima/TV Jangadeiro)

Chacina de 18 pessoas, neste sábado (27), foi a maior na história do Ceará (FOTO: Eumar Lima/TV Jangadeiro)

A violência no Ceará teve um crescimento assustador no número de homicídios nos últimos 20 anos. O aumento de 1998 a 2017 foi de 545%, subindo de 941 assassinatos para 5.134. O número registrado no ano passado foi o maior da história.

Em 1998, o Ceará registrou 2,5 homicídios por dia. Em 2017, a marca saltou para 14 por dia. A escaladada de violência supera e muito o crescimento populacional do Ceará, que saltou de 7 milhões para 9 milhões no período – aumento de 28%.

Média de 2018 é ainda maior

A Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social do Ceará (SSPDS) ainda não divulgou os números de homicídios em janeiro de 2018, mas a média diária já supera a média de 2017. A TV Jangadeiro/SBT apurou que, até 15 de janeiro, houve 236 assassinatos no Estado, média diária de 15,7. 

Os dados não contabilizam, portanto, a chacina deste sábado (27), que registrou pelo menos 14 mortes (oito mulheres e seis homens), no Bairro Cajazeiras, em Fortaleza – alguns órgãos falam que teriam sido 18, mas as SSPDS não confirma. Seguindo com a média diária até o fim do ano, a marca de 2018 será de 5,7 mil assassinatos.

Os dados até 2012 são do Mapa da Violência, enquanto a contabilização de lá pra cá é da SSPDS. A explosão de homicídios ocorreu a partir das duas gestões de Cid Gomes (PDT) e continuou nos três anos de governo de Camilo Santana (PT) até aqui.

Em 2006, a marca havia sido de 1.793 mortes. De 2007 a 2014, os números subiram em todos os oito anos, chegando a 4.439 na despedida de Cid. Ou seja, um crescimento de 147% entre a situação em que o governador recebeu e como a entregou ao seu sucessor.

Os primeiros anos de gestão de Camilo Santana (PT) apresentaram queda nos índices de homicídios. O número caiu para 4.019 em 2015, e depois para 3.407 em 2016.

Embora estudiosos do tema apontassem que a redução se devia a um pacto de paz entre facções criminosas em atuação no Ceará, como mostrou o Tribuna do Ceará, o Governo do Estado sustentava que a queda se devia ao trabalho das forças de segurança.

Facções entram no discurso

A partir de 2017, com o crescimento do índice mês a mês, Camilo Santana e o secretário de Segurança, André Costa, passaram a reconhecer a existência das facções criminosas em entrevistas, responsabilizando-as pelos homicídios que seriam, segundo eles, resultado de conflitos entre elas.

O mês de outubro terminou como o mais violento da história, com 516 mortes, mais do que a metade registrada em todo o ano de 1998. No fim de 2017, o crescimento no número de homicídios foi de 31% em relação a 2016. Esse índice foi o maior desde 2012, ainda na gestão de Cid, quando o crescimento em relação a 2011 foi de 37%.

Para Leandro Vasques, presidente do Conselho de Segurança Pública, o Estado precisa recorrer a ajuda federal para conter a escalada de violência no estado. “Uma taxa de homicídios dessa é um absurdo”, critica.

Investigação a chacina

Em entrevista coletiva na manhã deste sábado (27), o secretário de Segurança, André Costa, prometeu que os responsáveis pela Chacina das Cajazeiras serão identificados pela Polícia. Ele descartou a possibilidade de que o Governo decrete estado de emergência e recorra a forças federais. “Não há motivo para pânico”.

Evento cancelado

Em respeito às vítimas, o evento que seria realizado no Barroso neste fim de semana, a Feira Massa, foi cancelado.

Acompanhe o caso:

27/1 – Chacina das Cajazeiras deixa pelo menos 18 mortos durante festa

27/1 – Presidente do Sinpol culpa Governo por chacina: “Governo negou existência de facções por muito tempo”

27/1 – Número de homicídios no Ceará saltou 545% nos últimos 20 anos

27/1 – “Não há motivo para pânico”, declara secretário da Segurança Pública após maior chacina no Ceará

Publicidade

Dê sua opinião

EXPLOSÃO DE VIOLÊNCIA

Número de homicídios no Ceará saltou 545% nos últimos 20 anos

Governos de Cid Gomes e Camilo Santana registraram uma explosão no número de homicídios no Ceará

Por Tribuna do Ceará em Segurança Pública

27 de Janeiro de 2018 às 14:33

Há 6 meses
Chacina de 18 pessoas, neste sábado (27), foi a maior na história do Ceará (FOTO: Eumar Lima/TV Jangadeiro)

Chacina de 18 pessoas, neste sábado (27), foi a maior na história do Ceará (FOTO: Eumar Lima/TV Jangadeiro)

A violência no Ceará teve um crescimento assustador no número de homicídios nos últimos 20 anos. O aumento de 1998 a 2017 foi de 545%, subindo de 941 assassinatos para 5.134. O número registrado no ano passado foi o maior da história.

Em 1998, o Ceará registrou 2,5 homicídios por dia. Em 2017, a marca saltou para 14 por dia. A escaladada de violência supera e muito o crescimento populacional do Ceará, que saltou de 7 milhões para 9 milhões no período – aumento de 28%.

Média de 2018 é ainda maior

A Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social do Ceará (SSPDS) ainda não divulgou os números de homicídios em janeiro de 2018, mas a média diária já supera a média de 2017. A TV Jangadeiro/SBT apurou que, até 15 de janeiro, houve 236 assassinatos no Estado, média diária de 15,7. 

Os dados não contabilizam, portanto, a chacina deste sábado (27), que registrou pelo menos 14 mortes (oito mulheres e seis homens), no Bairro Cajazeiras, em Fortaleza – alguns órgãos falam que teriam sido 18, mas as SSPDS não confirma. Seguindo com a média diária até o fim do ano, a marca de 2018 será de 5,7 mil assassinatos.

Os dados até 2012 são do Mapa da Violência, enquanto a contabilização de lá pra cá é da SSPDS. A explosão de homicídios ocorreu a partir das duas gestões de Cid Gomes (PDT) e continuou nos três anos de governo de Camilo Santana (PT) até aqui.

Em 2006, a marca havia sido de 1.793 mortes. De 2007 a 2014, os números subiram em todos os oito anos, chegando a 4.439 na despedida de Cid. Ou seja, um crescimento de 147% entre a situação em que o governador recebeu e como a entregou ao seu sucessor.

Os primeiros anos de gestão de Camilo Santana (PT) apresentaram queda nos índices de homicídios. O número caiu para 4.019 em 2015, e depois para 3.407 em 2016.

Embora estudiosos do tema apontassem que a redução se devia a um pacto de paz entre facções criminosas em atuação no Ceará, como mostrou o Tribuna do Ceará, o Governo do Estado sustentava que a queda se devia ao trabalho das forças de segurança.

Facções entram no discurso

A partir de 2017, com o crescimento do índice mês a mês, Camilo Santana e o secretário de Segurança, André Costa, passaram a reconhecer a existência das facções criminosas em entrevistas, responsabilizando-as pelos homicídios que seriam, segundo eles, resultado de conflitos entre elas.

O mês de outubro terminou como o mais violento da história, com 516 mortes, mais do que a metade registrada em todo o ano de 1998. No fim de 2017, o crescimento no número de homicídios foi de 31% em relação a 2016. Esse índice foi o maior desde 2012, ainda na gestão de Cid, quando o crescimento em relação a 2011 foi de 37%.

Para Leandro Vasques, presidente do Conselho de Segurança Pública, o Estado precisa recorrer a ajuda federal para conter a escalada de violência no estado. “Uma taxa de homicídios dessa é um absurdo”, critica.

Investigação a chacina

Em entrevista coletiva na manhã deste sábado (27), o secretário de Segurança, André Costa, prometeu que os responsáveis pela Chacina das Cajazeiras serão identificados pela Polícia. Ele descartou a possibilidade de que o Governo decrete estado de emergência e recorra a forças federais. “Não há motivo para pânico”.

Evento cancelado

Em respeito às vítimas, o evento que seria realizado no Barroso neste fim de semana, a Feira Massa, foi cancelado.

Acompanhe o caso:

27/1 – Chacina das Cajazeiras deixa pelo menos 18 mortos durante festa

27/1 – Presidente do Sinpol culpa Governo por chacina: “Governo negou existência de facções por muito tempo”

27/1 – Número de homicídios no Ceará saltou 545% nos últimos 20 anos

27/1 – “Não há motivo para pânico”, declara secretário da Segurança Pública após maior chacina no Ceará