Nível de impunidade após assassinatos no Ceará é altíssimo, constata pesquisa

PESQUISA

Nível de impunidade após assassinatos no Ceará é altíssimo, constata pesquisa

Dos 1.524 processos de homicídios de adolescentes nos últimos cinco anos, só 2,8% tiveram responsabilização

Por Tribuna Bandnews FM em Segurança Pública

15 de dezembro de 2016 às 14:46

Há 11 meses
(FOTO: Reprodução/Facebook)

Os dados e uma série de recomendações foram divulgados nesta quarta-feira (14), na Assembleia Legislativa (FOTO: Reprodução/Facebook)

Os dados e uma série de recomendações foram divulgados nesta quarta-feira (14), na Assembleia Legislativa. A pesquisa aponta que a maior parte de adolescentes vítimas de homicídios no Ceará são do sexo masculino e 69% são pardos ou negros.

O estudo foi realizado durante um ano, pelo Comitê Cearense pela Prevenção de Homicídios na Adolescência. Foram ouvidos 224 familiares, de Fortaleza, Juazeiro do Norte, Sobral, Maracanaú, Caucaia, Horizonte e Eusébio.

O deputado estadual Renato Roseno (Psol), relator do Comitê, destaca algumas das recomendações entregues ao estado.

“Qualificação urbana, portanto melhorar os territórios, melhorar o sistema de proteção social, as cuidadoras, em especial tem uma vulnerabilidade da própria família, em especial de uma mulher jovem da classe trabalhadora responsável também por esse adolescente. Terceiro, nós temos que ter um sistema de notificação de banco de dados que possa, de fato, dialogar entre saúde, segurança pública e assistência social. Nós temos que investir em imediação de conflitos e , sobretudo, permitir a esse jovem equipamentos sociais nos seus territórios”, esclarece o deputado em entrevista à Tribuna Band News FM.

Os dados da Secretaria de Segurança também impressionam. Ano passado, foram 816 pessoas, entre 10 e 19 anos de idade, assassinadas no Ceará. Em Fortaleza foram 387 casos nesta mesma faixa etária.

Um dos motivos da vulnerabilidade nas áreas estudadas é a sensação de impunidade aos crimes cometidos, explica o coordenador da pesquisa, Thiago Holanda. “A gente tem um nível de impunidade muito alto no estado. O comitê levantou 1.524 processos de homicídios de adolescentes em cinco anos, só 2,8% tiveram responsabilização”, ressalta Thiago.

Para o Coordenador do Núcleo de Atenção aos Jovens em Conflito com a Lei, da Defensoria Pública, Davi Rolim, o mais impactante do relatório é constatar o abandono escolar encontrado nos casos de homicídios desses jovens.

A proposta é de criar 18 comitês para fiscalizar as recomendações.

Saiba os detalhes nas entrevistas concedidas à Tribuna Band News FM:

Publicidade

Dê sua opinião

PESQUISA

Nível de impunidade após assassinatos no Ceará é altíssimo, constata pesquisa

Dos 1.524 processos de homicídios de adolescentes nos últimos cinco anos, só 2,8% tiveram responsabilização

Por Tribuna Bandnews FM em Segurança Pública

15 de dezembro de 2016 às 14:46

Há 11 meses
(FOTO: Reprodução/Facebook)

Os dados e uma série de recomendações foram divulgados nesta quarta-feira (14), na Assembleia Legislativa (FOTO: Reprodução/Facebook)

Os dados e uma série de recomendações foram divulgados nesta quarta-feira (14), na Assembleia Legislativa. A pesquisa aponta que a maior parte de adolescentes vítimas de homicídios no Ceará são do sexo masculino e 69% são pardos ou negros.

O estudo foi realizado durante um ano, pelo Comitê Cearense pela Prevenção de Homicídios na Adolescência. Foram ouvidos 224 familiares, de Fortaleza, Juazeiro do Norte, Sobral, Maracanaú, Caucaia, Horizonte e Eusébio.

O deputado estadual Renato Roseno (Psol), relator do Comitê, destaca algumas das recomendações entregues ao estado.

“Qualificação urbana, portanto melhorar os territórios, melhorar o sistema de proteção social, as cuidadoras, em especial tem uma vulnerabilidade da própria família, em especial de uma mulher jovem da classe trabalhadora responsável também por esse adolescente. Terceiro, nós temos que ter um sistema de notificação de banco de dados que possa, de fato, dialogar entre saúde, segurança pública e assistência social. Nós temos que investir em imediação de conflitos e , sobretudo, permitir a esse jovem equipamentos sociais nos seus territórios”, esclarece o deputado em entrevista à Tribuna Band News FM.

Os dados da Secretaria de Segurança também impressionam. Ano passado, foram 816 pessoas, entre 10 e 19 anos de idade, assassinadas no Ceará. Em Fortaleza foram 387 casos nesta mesma faixa etária.

Um dos motivos da vulnerabilidade nas áreas estudadas é a sensação de impunidade aos crimes cometidos, explica o coordenador da pesquisa, Thiago Holanda. “A gente tem um nível de impunidade muito alto no estado. O comitê levantou 1.524 processos de homicídios de adolescentes em cinco anos, só 2,8% tiveram responsabilização”, ressalta Thiago.

Para o Coordenador do Núcleo de Atenção aos Jovens em Conflito com a Lei, da Defensoria Pública, Davi Rolim, o mais impactante do relatório é constatar o abandono escolar encontrado nos casos de homicídios desses jovens.

A proposta é de criar 18 comitês para fiscalizar as recomendações.

Saiba os detalhes nas entrevistas concedidas à Tribuna Band News FM: