Motorista do Uber é assassinado enquanto dirigia no bairro Ancuri

INSEGURANÇA

Motorista do Uber é assassinado enquanto dirigia no bairro Ancuri

A Polícia Civil ainda apura o que motivou o crime, mas existe a suspeita de que Guilherme Maia desobedeceu ordens de criminosos ao entrar no Bairro Ancuri

Por Lucas Barbosa em Segurança Pública

24 de julho de 2017 às 18:15

Há 6 meses
Motoristas reclamam da insegurança (FOTO: Fernanda Carvalho/ Fotos Públicas)

Motoristas reclamam da insegurança (FOTO: Fernanda Carvalho/ Fotos Públicas)

Atualizado às 19 horas

A Polícia ainda busca os suspeitos de assassinar o motorista de Uber Guilherme e Silva Maia, de 22 anos, crime ocorrido nesse domingo (23), no bairro Ancuri.

Ele teria sido morto a tiros ao não obedecer ordens de criminosos da região, conforme o presidente da Associação dos Motoristas Privados Individuais de Passageiros do Ceará (Ampip-CE), Antônio Evangelista. O presidente esteve com a família da vítima prestando solidariedade ao longo desta segunda-feira (24).

Para entrar no condomínio Alameda das Palmeiras, seria necessário baixar os vidros e ligar a luz interna do veículo. “Provavelmente, ele não conhecia essas regras”, diz Antônio Evangelista, que não soube informar se Guilherme trabalhava no momento em que foi assassinado.

A Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), por sua vez, afirma que a Polícia Civil ainda apura o que motivou o crime.

Ele morreu antes de receber socorro médico. O celular da vítima foi levado pelos criminosos, mas o carro permaneceu no local, conta Antônio. As equipes da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) e da Perícia Forense do Estado do Ceará (Pefoce) não encontraram documentos da vítima do carro, informa a SSPDS.

O assassinato causou revolta nos motoristas de Uber, que realizaram manifestação nesta tarde nas ruas da cidade. O presidente da Ampip-CE diz que irá contatar diretamente a SSPDS, buscando providências para garantir mais segurança ao trabalhador. A Uber também foi contatada pela associação.

Em nota à imprensa, a empresa manifestou pesar à família de Guilherme. “Estamos colaborando com as autoridades e esperamos que o responsável por este terrível crime seja levado a justiça o mais rápido possível”, continua a nota. A Uber, no entanto, não confirmou se Guilherme realizava corrida quando foi morto.

Publicidade

Dê sua opinião

INSEGURANÇA

Motorista do Uber é assassinado enquanto dirigia no bairro Ancuri

A Polícia Civil ainda apura o que motivou o crime, mas existe a suspeita de que Guilherme Maia desobedeceu ordens de criminosos ao entrar no Bairro Ancuri

Por Lucas Barbosa em Segurança Pública

24 de julho de 2017 às 18:15

Há 6 meses
Motoristas reclamam da insegurança (FOTO: Fernanda Carvalho/ Fotos Públicas)

Motoristas reclamam da insegurança (FOTO: Fernanda Carvalho/ Fotos Públicas)

Atualizado às 19 horas

A Polícia ainda busca os suspeitos de assassinar o motorista de Uber Guilherme e Silva Maia, de 22 anos, crime ocorrido nesse domingo (23), no bairro Ancuri.

Ele teria sido morto a tiros ao não obedecer ordens de criminosos da região, conforme o presidente da Associação dos Motoristas Privados Individuais de Passageiros do Ceará (Ampip-CE), Antônio Evangelista. O presidente esteve com a família da vítima prestando solidariedade ao longo desta segunda-feira (24).

Para entrar no condomínio Alameda das Palmeiras, seria necessário baixar os vidros e ligar a luz interna do veículo. “Provavelmente, ele não conhecia essas regras”, diz Antônio Evangelista, que não soube informar se Guilherme trabalhava no momento em que foi assassinado.

A Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), por sua vez, afirma que a Polícia Civil ainda apura o que motivou o crime.

Ele morreu antes de receber socorro médico. O celular da vítima foi levado pelos criminosos, mas o carro permaneceu no local, conta Antônio. As equipes da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) e da Perícia Forense do Estado do Ceará (Pefoce) não encontraram documentos da vítima do carro, informa a SSPDS.

O assassinato causou revolta nos motoristas de Uber, que realizaram manifestação nesta tarde nas ruas da cidade. O presidente da Ampip-CE diz que irá contatar diretamente a SSPDS, buscando providências para garantir mais segurança ao trabalhador. A Uber também foi contatada pela associação.

Em nota à imprensa, a empresa manifestou pesar à família de Guilherme. “Estamos colaborando com as autoridades e esperamos que o responsável por este terrível crime seja levado a justiça o mais rápido possível”, continua a nota. A Uber, no entanto, não confirmou se Guilherme realizava corrida quando foi morto.