Missa de 7º dia de motorista da Uber é celebrada em Paróquia de Fortaleza
EMOÇÃO

Missa de 7º dia de motorista da Uber é celebrada em Paróquia de Fortaleza

A celebração foi marcada por emoção de amigos e familiares que homenagearam Guilherme Maia, morto no último domingo, no bairro Ancuri

Por Lyvia Rocha em Segurança Pública

30 de julho de 2017 às 13:42

Há 2 meses
Guilherme tinha 22 anos (FOTO: Reprodução/Facebook)

Guilherme tinha 22 anos (FOTO: Reprodução/Facebook)

Amigos e familiares de Guilherme Maia, motorista da Uber, que foi assassinado no último domingo (23), se reuniram na missa de sétimo dia realizada na igreja na Paróquia Nossa Senhora de Salete no Bairro Bela Vista, em Fortaleza, no último sábado (29).

Ainda comovidos com o fato, os amigos, companheiros de Uber e familiares se emocionaram durante a celebração do jovem que morreu no bairro Ancuri, próximo a residência Alameda das Palmeiras.

O caso

Guilherme e Silva Maia, de 22 anos, teria sido morto a tiros ao não obedecer ordens de criminosos da região, conforme o presidente da Associação dos Motoristas Privados Individuais de Passageiros do Ceará (Ampip-CE), Antônio Evangelista.

Para entrar no condomínio Alameda das Palmeiras, seria necessário baixar os vidros e ligar a luz interna do veículo. “Provavelmente, ele não conhecia essas regras”, diz Antônio Evangelista, que não soube informar se Guilherme trabalhava no momento em que foi assassinado.

Acompanhe a cobertura:

24 de julho – Motoristas do Uber fazem protesto para reivindicar mais segurança

24 de julho – Motorista do Uber é assassinado enquanto dirigia no bairro Ancuri

25 de julho – Motorista do Uber foi morto porque não baixou o vidro do carro ao entrar em zona do tráfico

25 de julho – Uber nega risco para motoristas, após morte de jovem de 22 anos em Fortaleza

26 de julho – Secretário de Segurança determina foco nas buscas ao assassino de motorista do Uber

26 de julho – Motorista do Uber assassinado cursava Publicidade em faculdade de Fortaleza

27 de julho – Secretaria de Segurança nega a existência de locais onde é preciso “baixar vidros do carro”

 

Publicidade

Dê sua opinião

EMOÇÃO

Missa de 7º dia de motorista da Uber é celebrada em Paróquia de Fortaleza

A celebração foi marcada por emoção de amigos e familiares que homenagearam Guilherme Maia, morto no último domingo, no bairro Ancuri

Por Lyvia Rocha em Segurança Pública

30 de julho de 2017 às 13:42

Há 2 meses
Guilherme tinha 22 anos (FOTO: Reprodução/Facebook)

Guilherme tinha 22 anos (FOTO: Reprodução/Facebook)

Amigos e familiares de Guilherme Maia, motorista da Uber, que foi assassinado no último domingo (23), se reuniram na missa de sétimo dia realizada na igreja na Paróquia Nossa Senhora de Salete no Bairro Bela Vista, em Fortaleza, no último sábado (29).

Ainda comovidos com o fato, os amigos, companheiros de Uber e familiares se emocionaram durante a celebração do jovem que morreu no bairro Ancuri, próximo a residência Alameda das Palmeiras.

O caso

Guilherme e Silva Maia, de 22 anos, teria sido morto a tiros ao não obedecer ordens de criminosos da região, conforme o presidente da Associação dos Motoristas Privados Individuais de Passageiros do Ceará (Ampip-CE), Antônio Evangelista.

Para entrar no condomínio Alameda das Palmeiras, seria necessário baixar os vidros e ligar a luz interna do veículo. “Provavelmente, ele não conhecia essas regras”, diz Antônio Evangelista, que não soube informar se Guilherme trabalhava no momento em que foi assassinado.

Acompanhe a cobertura:

24 de julho – Motoristas do Uber fazem protesto para reivindicar mais segurança

24 de julho – Motorista do Uber é assassinado enquanto dirigia no bairro Ancuri

25 de julho – Motorista do Uber foi morto porque não baixou o vidro do carro ao entrar em zona do tráfico

25 de julho – Uber nega risco para motoristas, após morte de jovem de 22 anos em Fortaleza

26 de julho – Secretário de Segurança determina foco nas buscas ao assassino de motorista do Uber

26 de julho – Motorista do Uber assassinado cursava Publicidade em faculdade de Fortaleza

27 de julho – Secretaria de Segurança nega a existência de locais onde é preciso “baixar vidros do carro”