Integrantes de torcida organizada descrevem os momentos após a chacina no Benfica - Noticias

CHACINA

Integrantes de torcida organizada descrevem os momentos após a chacina no Benfica

A Polícia Civil afirma que apura as circunstâncias de cada caso e se há relação entre eles no sentido de identificar e prender os autores das mortes.

Por Tribuna do Ceará em Segurança Pública

10 de Março de 2018 às 12:28

Há 9 meses

s3://jgdprod us/wp content/uploads/sites/2/2018/03/mortes1

Em áudios compartilhados em aplicativos de mensagens, testemunhas relatam os disparos que mataram sete pessoas foram na noite de sexta-feira (09), no bairro Benfica, em Fortaleza. As vítimas foram assassinadas em três locais distintos.

Na conversa entre os integrantes da torcida organizada, o desespero dos momentos seguintes aos disparos, um homem descreve as mortes de Pedro Braga Barroso Neto (22) e Mascote. “Derrubaram um bocado aqui”, conta ele.

Em outra gravação uma mulher fala assustada sobre a quantidade de tiros disparados. “Se não foi pistola, foi mais de um revólver. Foi muito tiro”, descreve.

Um torcedor alerta os amigos sobre o que ele chama de atentado à sede da torcida organizada. Ele diz ainda que um dos colegas levou um tiro na cabeça.

Vídeos e fotos que circulam em redes sociais e aplicativos de mensagens, mostram o cenário de desespero entre os amigos das vítimas e as pessoas que estavam nos locais do crime. Na Praça da Gentilândia, frequentadores tentando socorrer os feridos, corpos ensanguentados em meio a garrafas e copos quebrados, mesas e cadeiras derrubadas durante o corre corre quando os tiros começaram.

A Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) convocou para a este sábado (10), uma coletiva de imprensa onde vai tratar das mortes ocorridas no Benfica.

Em nota, a Polícia Civil afirma que apura as circunstâncias de cada caso e se há relação entre eles no sentido de identificar e prender os autores das mortes.

De acordo com informações da polícia, suspeitos em um Honda Civic dispararam contra pessoas que estavam na Praça da Gentilândia. Minutos depois, na Vila Demétrio, nas proximidades da sede de uma torcida organizada, suspeitos em outro veículo atiraram em um grupo de jovens que bebia no local.

Os mortos na Praça da Gentilândia foram identificadas como José Gilmar Furtado de Oliveira Júnior (33), com passagens por roubo e posse de drogas; Antônio Igor Moreira e Silva (26), com passagem por posse de droga: e Joaquim Vieira de Lucena Neto (21), sem antecedentes.

Na Vila Demétrio, foi constatada a morte de Carlos Victor Meneses Barros (23), sem antecedentes. Na Rua Joaquim Magalhães, a vítima fatal foi Pedro Braga Barroso Neto (22), com duas passagens por roubo e uma por associação criminosa.

Na fuga, na Rua Joaquim Magalhães, os criminosos atiraram contra duas pessoas que usavam uniforme de uma torcida organizada e estavam retornando de um estabelecimento comercial onde teriam comprado bebida alcoólica.

Quatro vítimas baleadas nas ocorrências foram levadas para o Instituto Doutor José Frota (IJF), em Fortaleza. Duas pessoas não resistiram aos ferimentos e morreram no hopital. Elas foram identificadas como Emilson Bandeira de Melo Júnior (27) e Adenilton da Silva Ferreira (24), ambos sem antecedentes criminais. Outras duas vítimas seguem em atendimento.

Publicidade

Dê sua opinião

CHACINA

Integrantes de torcida organizada descrevem os momentos após a chacina no Benfica

A Polícia Civil afirma que apura as circunstâncias de cada caso e se há relação entre eles no sentido de identificar e prender os autores das mortes.

Por Tribuna do Ceará em Segurança Pública

10 de Março de 2018 às 12:28

Há 9 meses

s3://jgdprod us/wp content/uploads/sites/2/2018/03/mortes1

Em áudios compartilhados em aplicativos de mensagens, testemunhas relatam os disparos que mataram sete pessoas foram na noite de sexta-feira (09), no bairro Benfica, em Fortaleza. As vítimas foram assassinadas em três locais distintos.

Na conversa entre os integrantes da torcida organizada, o desespero dos momentos seguintes aos disparos, um homem descreve as mortes de Pedro Braga Barroso Neto (22) e Mascote. “Derrubaram um bocado aqui”, conta ele.

Em outra gravação uma mulher fala assustada sobre a quantidade de tiros disparados. “Se não foi pistola, foi mais de um revólver. Foi muito tiro”, descreve.

Um torcedor alerta os amigos sobre o que ele chama de atentado à sede da torcida organizada. Ele diz ainda que um dos colegas levou um tiro na cabeça.

Vídeos e fotos que circulam em redes sociais e aplicativos de mensagens, mostram o cenário de desespero entre os amigos das vítimas e as pessoas que estavam nos locais do crime. Na Praça da Gentilândia, frequentadores tentando socorrer os feridos, corpos ensanguentados em meio a garrafas e copos quebrados, mesas e cadeiras derrubadas durante o corre corre quando os tiros começaram.

A Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) convocou para a este sábado (10), uma coletiva de imprensa onde vai tratar das mortes ocorridas no Benfica.

Em nota, a Polícia Civil afirma que apura as circunstâncias de cada caso e se há relação entre eles no sentido de identificar e prender os autores das mortes.

De acordo com informações da polícia, suspeitos em um Honda Civic dispararam contra pessoas que estavam na Praça da Gentilândia. Minutos depois, na Vila Demétrio, nas proximidades da sede de uma torcida organizada, suspeitos em outro veículo atiraram em um grupo de jovens que bebia no local.

Os mortos na Praça da Gentilândia foram identificadas como José Gilmar Furtado de Oliveira Júnior (33), com passagens por roubo e posse de drogas; Antônio Igor Moreira e Silva (26), com passagem por posse de droga: e Joaquim Vieira de Lucena Neto (21), sem antecedentes.

Na Vila Demétrio, foi constatada a morte de Carlos Victor Meneses Barros (23), sem antecedentes. Na Rua Joaquim Magalhães, a vítima fatal foi Pedro Braga Barroso Neto (22), com duas passagens por roubo e uma por associação criminosa.

Na fuga, na Rua Joaquim Magalhães, os criminosos atiraram contra duas pessoas que usavam uniforme de uma torcida organizada e estavam retornando de um estabelecimento comercial onde teriam comprado bebida alcoólica.

Quatro vítimas baleadas nas ocorrências foram levadas para o Instituto Doutor José Frota (IJF), em Fortaleza. Duas pessoas não resistiram aos ferimentos e morreram no hopital. Elas foram identificadas como Emilson Bandeira de Melo Júnior (27) e Adenilton da Silva Ferreira (24), ambos sem antecedentes criminais. Outras duas vítimas seguem em atendimento.