Homens ateiam fogo no corpo de suspeito de matar policial militar no Ceará

VELÓRIO TENSO

Homens ateiam fogo no corpo de suspeito de matar policial militar no Ceará

Homens encapuzados invadiram a casa onde era realizado o velório, em Morada Nova, expulsaram os parentes e amigos e tocaram fogo no cadáver

Por Lucas Barbosa em Segurança Pública

18 de Abril de 2017 às 09:16

Há 10 meses
Os homens encapuzados que praticaram o crime ainda não foram localizados

Os homens encapuzados que praticaram o crime ainda não foram localizados (FOTO: Enviado por leitor via Whatsapp)

O corpo de Daniel Amaro da Silva foi vilipendiado durante o velório, realizado na tarde dessa segunda-feira (17), em Morada Nova, a 155 quilômetros de Fortaleza. Homens encapuzados invadiram a casa onde era realizada a cerimônia, expulsaram os parentes e amigos e tocaram fogo no cadáver, após derramar um líquido inflamável.

As informações são da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS). Em nota, a pasta ainda informa que a Delegacia Municipal de Morada Nova apura o caso. Nenhum suspeito do crime foi preso até o momento.

Daniel morreu em confronto com policiais na noite de domingo (16). Segundo relatório do 9º Batalhão da PM, policiais foram acionados após denúncia de que suspeitos de matar o policial Menandro Cavalcante Nunes, de 33 anos, estavam em uma residência do bairro Vazantes, em Morada Nova.

Segundo o relato, Daniel atirou contra a composição, que reagiu e atingiu-o. Ele chegou a ser socorrido ao hospital, mas não resistiu. Com ele, a PM apreendeu um revólver calibre 38, com cinco munições — uma deflagrada. Segundo a SSPDS, Daniel tinha 21 anos e respondia a oito inquéritos policiais, entre roubo, furto, posse ilegal de armas e corrupção de menores

Menandro Cavalcante Nunes havia sido morto na madrugada daquele dia, em uma festa do distrito de Capim Grosso, em Russas. Oito homens armados invadiram o recinto e passaram a disparar. O soldado reagiu, assim como um outro policial que estava na festa. Menandro foi atingido no peito e morreu. Ele era lotado no Batalhão de Policiamento de Rondas de Ações Intensivas e Ostensivas (BPRaio).

O colega de farda foi atingido de raspão na cabeça e, medicado, já foi liberado. Dois dos suspeitos também foram atingidos e morreram. Um outro participante da festa também foi morto no tiroteio.

Publicidade

Dê sua opinião

VELÓRIO TENSO

Homens ateiam fogo no corpo de suspeito de matar policial militar no Ceará

Homens encapuzados invadiram a casa onde era realizado o velório, em Morada Nova, expulsaram os parentes e amigos e tocaram fogo no cadáver

Por Lucas Barbosa em Segurança Pública

18 de Abril de 2017 às 09:16

Há 10 meses
Os homens encapuzados que praticaram o crime ainda não foram localizados

Os homens encapuzados que praticaram o crime ainda não foram localizados (FOTO: Enviado por leitor via Whatsapp)

O corpo de Daniel Amaro da Silva foi vilipendiado durante o velório, realizado na tarde dessa segunda-feira (17), em Morada Nova, a 155 quilômetros de Fortaleza. Homens encapuzados invadiram a casa onde era realizada a cerimônia, expulsaram os parentes e amigos e tocaram fogo no cadáver, após derramar um líquido inflamável.

As informações são da Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS). Em nota, a pasta ainda informa que a Delegacia Municipal de Morada Nova apura o caso. Nenhum suspeito do crime foi preso até o momento.

Daniel morreu em confronto com policiais na noite de domingo (16). Segundo relatório do 9º Batalhão da PM, policiais foram acionados após denúncia de que suspeitos de matar o policial Menandro Cavalcante Nunes, de 33 anos, estavam em uma residência do bairro Vazantes, em Morada Nova.

Segundo o relato, Daniel atirou contra a composição, que reagiu e atingiu-o. Ele chegou a ser socorrido ao hospital, mas não resistiu. Com ele, a PM apreendeu um revólver calibre 38, com cinco munições — uma deflagrada. Segundo a SSPDS, Daniel tinha 21 anos e respondia a oito inquéritos policiais, entre roubo, furto, posse ilegal de armas e corrupção de menores

Menandro Cavalcante Nunes havia sido morto na madrugada daquele dia, em uma festa do distrito de Capim Grosso, em Russas. Oito homens armados invadiram o recinto e passaram a disparar. O soldado reagiu, assim como um outro policial que estava na festa. Menandro foi atingido no peito e morreu. Ele era lotado no Batalhão de Policiamento de Rondas de Ações Intensivas e Ostensivas (BPRaio).

O colega de farda foi atingido de raspão na cabeça e, medicado, já foi liberado. Dois dos suspeitos também foram atingidos e morreram. Um outro participante da festa também foi morto no tiroteio.