Funcionário dos Correios paga fiança e é solto após ser preso em flagrante com pornografia infantil
CRIME

Funcionário dos Correios paga fiança e é solto após ser preso em flagrante com pornografia infantil

Tida como uma das maiores da história no gênero, operação Glasnost cumpriu dois mandados de busca e apreensão na Capital. Trabalho da PF vem desde 2013

Por Lucas Barbosa em Segurança Pública

25 de julho de 2017 às 19:50

Há 2 meses
Dois bairros de Fortaleza receberam ações dos policiais federais nesta terça-feira (FOTO: Divulgação/PF)

Dois bairros de Fortaleza receberam ações dos policiais federais nesta terça-feira (FOTO: Divulgação/PF)

Um funcionário dos Correios de 33 anos foi preso em flagrante por ter em seu celular conteúdo pornográfico protagonizado por crianças. Ele pagou fiança e foi solto ainda nesta nesta terça-feira (24).

A prisão se deu na 2ª fase da operação Glasnost, deflagrada nesta terça. Em Fortaleza, a Polícia Federal (PF) cumpriu dois mandados de busca e apreensão nos bairros Jangurussu e Jardim Iracema.

Foram apreendidos um aparelho celular e mídias de armazenamento de arquivos, informa a PF. O material é examinado pela pericia técnica científica da PF.

O Ceará foi um dos 13 estados em que a PF cumpriu ordens judiciais nesta terça-feira. Ao todo, foram 72 mandados de busca e apreensão e três prisões preventivas.

Conforme a PF, os acusados produziam e armazenavam fotos e vídeos de crianças, adolescentes e até mesmo bebês sendo abusados sexualmente.

A operação Glasnost é realizada desde 2013 e é apontada como uma das maiores ações policiais contra pornografia infantil da história do País.

Em 2013, a PF divulgou ter encontrado quase uma centena de envolvidos com a produção e o compartilhamento do conteúdo criminoso, incluindo brasileiros que moravam nos Estados Unidos. Outros 200 suspeitos eram investigados. Em novembro daquele ano, a Glasnot cumpriu quatro mandados de busca e apreensão e ainda realizou uma prisão em flagrante no Ceará.

O nome da operação é a palavra russa para “transparência“. Foi escolhida porque a maior parte dos investigados utilizava servidores russos para divulgar os vídeos e imagens e para contatar outros pedófilos mundo a fora.

Publicidade

Dê sua opinião

CRIME

Funcionário dos Correios paga fiança e é solto após ser preso em flagrante com pornografia infantil

Tida como uma das maiores da história no gênero, operação Glasnost cumpriu dois mandados de busca e apreensão na Capital. Trabalho da PF vem desde 2013

Por Lucas Barbosa em Segurança Pública

25 de julho de 2017 às 19:50

Há 2 meses
Dois bairros de Fortaleza receberam ações dos policiais federais nesta terça-feira (FOTO: Divulgação/PF)

Dois bairros de Fortaleza receberam ações dos policiais federais nesta terça-feira (FOTO: Divulgação/PF)

Um funcionário dos Correios de 33 anos foi preso em flagrante por ter em seu celular conteúdo pornográfico protagonizado por crianças. Ele pagou fiança e foi solto ainda nesta nesta terça-feira (24).

A prisão se deu na 2ª fase da operação Glasnost, deflagrada nesta terça. Em Fortaleza, a Polícia Federal (PF) cumpriu dois mandados de busca e apreensão nos bairros Jangurussu e Jardim Iracema.

Foram apreendidos um aparelho celular e mídias de armazenamento de arquivos, informa a PF. O material é examinado pela pericia técnica científica da PF.

O Ceará foi um dos 13 estados em que a PF cumpriu ordens judiciais nesta terça-feira. Ao todo, foram 72 mandados de busca e apreensão e três prisões preventivas.

Conforme a PF, os acusados produziam e armazenavam fotos e vídeos de crianças, adolescentes e até mesmo bebês sendo abusados sexualmente.

A operação Glasnost é realizada desde 2013 e é apontada como uma das maiores ações policiais contra pornografia infantil da história do País.

Em 2013, a PF divulgou ter encontrado quase uma centena de envolvidos com a produção e o compartilhamento do conteúdo criminoso, incluindo brasileiros que moravam nos Estados Unidos. Outros 200 suspeitos eram investigados. Em novembro daquele ano, a Glasnot cumpriu quatro mandados de busca e apreensão e ainda realizou uma prisão em flagrante no Ceará.

O nome da operação é a palavra russa para “transparência“. Foi escolhida porque a maior parte dos investigados utilizava servidores russos para divulgar os vídeos e imagens e para contatar outros pedófilos mundo a fora.