Família de cearense morta em Alagoas não tinha conhecimento de seu relacionamento com o músico

INVESTIGAÇÃO

Família de cearense morta em Alagoas não tinha conhecimento de seu relacionamento com o músico

Daiana foi encontrada morta na terça-feira (18) dentro de um estúdio de gravação ao lado do músico Eduardo Athayde

Por Tribuna do Ceará em Segurança Pública

20 de dezembro de 2018 às 18:14

Há 3 meses
Os corpos foram encontrados na terça-feira (18) dentro de um estúdio de gravação em Alagoas

Os corpos foram encontrados na terça-feira (18) dentro de um estúdio de gravação em Alagoas (FOTO: Reprodução/Facebook)

A família da cearense Daiana Maria Monteiro, 30 anos, – encontrada morta na última terça-feira (18) em Alagoas dentro de um estúdio de gravação junto com o músico Eduardo Henrique Athayde – não tinha conhecimento de seu relacionamento.

Segundo informações concedidas ao Barra Pesada durante o enterro, que aconteceu nesta quinta-feira (20), ela estava em Alagoas há uma semana, pois iria implantar um escritório de advogacia na cidade.

Mesmo sem a família ter conhecimento do relacionamento amoroso, há informações de que ela estava conhecendo Eduardo há cerca de dois meses. Daiana é a caçula de 13 irmãos e sua família é tradicional da cidade de Canindé.

Ainda segundo familiares, Daiana tinha o sonho de ser delegada e estava prestes a fazer a prova de um concurso para o cargo. A família cobra rigor das autoridades alagoanas para elucidação do caso.

O Tribuna do Ceará entrou em contato por telefone com a assessoria da Polícia Civil de Alagoas na tarde desta quinta, mas foi informada que até o momento não há novidade sobre o caso, pois aguarda laudo da perícia.

O caso

Daiana e o músico Eduardo foram encontrados mortos dentro de um estúdio de gravação na terça-feira (18) no bairro do Farol, em Maceió. A cearense tinha uma marca de tiro na testa. Já o músico apresentava uma marca do lado direito da cabeça e, em sua mão, havia uma pistola 765.

A irmã do músico teria encontrado os dois corpos no estúdio que funciona na residência onde ele morava com a mãe. O sepultamento de Daiana aconteceu nesta quinta-feira (20) na cidade de Canindé.

O enterro ocorreu na tarde desta quinta-feira (FOTO: Wellington Lima)

O enterro ocorreu na tarde desta quinta-feira (FOTO: Wellington Lima)

Publicidade

Dê sua opinião

INVESTIGAÇÃO

Família de cearense morta em Alagoas não tinha conhecimento de seu relacionamento com o músico

Daiana foi encontrada morta na terça-feira (18) dentro de um estúdio de gravação ao lado do músico Eduardo Athayde

Por Tribuna do Ceará em Segurança Pública

20 de dezembro de 2018 às 18:14

Há 3 meses
Os corpos foram encontrados na terça-feira (18) dentro de um estúdio de gravação em Alagoas

Os corpos foram encontrados na terça-feira (18) dentro de um estúdio de gravação em Alagoas (FOTO: Reprodução/Facebook)

A família da cearense Daiana Maria Monteiro, 30 anos, – encontrada morta na última terça-feira (18) em Alagoas dentro de um estúdio de gravação junto com o músico Eduardo Henrique Athayde – não tinha conhecimento de seu relacionamento.

Segundo informações concedidas ao Barra Pesada durante o enterro, que aconteceu nesta quinta-feira (20), ela estava em Alagoas há uma semana, pois iria implantar um escritório de advogacia na cidade.

Mesmo sem a família ter conhecimento do relacionamento amoroso, há informações de que ela estava conhecendo Eduardo há cerca de dois meses. Daiana é a caçula de 13 irmãos e sua família é tradicional da cidade de Canindé.

Ainda segundo familiares, Daiana tinha o sonho de ser delegada e estava prestes a fazer a prova de um concurso para o cargo. A família cobra rigor das autoridades alagoanas para elucidação do caso.

O Tribuna do Ceará entrou em contato por telefone com a assessoria da Polícia Civil de Alagoas na tarde desta quinta, mas foi informada que até o momento não há novidade sobre o caso, pois aguarda laudo da perícia.

O caso

Daiana e o músico Eduardo foram encontrados mortos dentro de um estúdio de gravação na terça-feira (18) no bairro do Farol, em Maceió. A cearense tinha uma marca de tiro na testa. Já o músico apresentava uma marca do lado direito da cabeça e, em sua mão, havia uma pistola 765.

A irmã do músico teria encontrado os dois corpos no estúdio que funciona na residência onde ele morava com a mãe. O sepultamento de Daiana aconteceu nesta quinta-feira (20) na cidade de Canindé.

O enterro ocorreu na tarde desta quinta-feira (FOTO: Wellington Lima)

O enterro ocorreu na tarde desta quinta-feira (FOTO: Wellington Lima)