Facção do Ceará usa clipe de cantor paulista para fazer apologia ao crime

MONTAGEM

Facção do Ceará usa clipe de cantor paulista para fazer apologia ao crime

A GDE usou sem autorização as imagens de clipe de MC Bokão, e colocou em cima a letra de uma música própria

Por Lucas Barbosa em Segurança Pública

27 de setembro de 2017 às 09:03

Há 3 meses

Trechos do clipe “Empresário do Crime”, onde atores ostentam armas, foram usados pela GDE (FOTO: Reprodução)

Uma produção digna de clipes de grandes artistas e bandas a serviço do crime. É o que mostravam publicações que ganharam as redes sociais nesta terça-feira (26) sobre um funk que exalta a interiorização da facção criminosa conhecida como Guardiões do Estado (GDE), nas cidades de Crato e Juazeiro do Norte, no Cariri cearense.

Nas imagens, homens empunhando fuzis, simulando a tortura de inimigos e a preparação de drogas para consumo. Tudo isso embalado por uma letra que cita bairros e localidades onde a facção atuaria, assim como nomes de supostos integrantes.

O Mago já deu o papo e convocou o Negão / Cocada e Cavanhaque / Não esqueçam o irmão Son / Pantera e Samuel / LK e o Fernando / 100% GDE / Baleado é nosso mano / Em várias comunidades, também deixo o meu recado / João Cabral é GDE / Somos Guardiões do Estado / Vila Alta, Seminário / Bairro Antônio Vieira / No Thiago, Pirajá / É plantão a noite inteira”. 

O vídeo, no entanto, é uma montagem da música da facção sobre as imagens do clipe “Empresário Do Crime”, do cantor paulista MC Bokão. A Polícia Civil chegou até a afirmar, em nota, que abriria investigações a fim de identificar as pessoas que aparecem nas imagens.

“Estas poderão ser enquadradas na Lei das Organizações Criminosas por promover mensagens de apologia ao crime”, afirmou.

O clipe que viralizou ainda tem uma imprecisão: aparece, logo no início, o numeral 746, referência à ordem das letras da sigla da facção no alfabeto, expediente comumente usado pela organização. O correto, porém, seria 745.

“Assinatura” da facção no vídeo: numeração errada (FOTO: Reprodução)

A empresa que aparece como responsável pela direção do suposto clipe da GDE ressaltou ao Tribuna do Ceará não ter relação com a música. A produtora, que é de Diadema (SP), ainda disse que solicitará a remoção do vídeo — o que já ocorreu no Youtube, mas ainda não em páginas do Facebook.

O intérprete da música também negou relação com o episódio. “Nunca nem ouvi falar dessa facção”, afirma MC Bokão.

Queria deixar bem claro pro Brasil todo que eu não tenho nenhum tipo de envolvimento com nenhum tipo de facção e desconheço o assunto sobre essa matéria do #Ceará”, chegou a publicar em seu perfil no Facebook.

Confira abaixo a música usada no vídeo na íntegra. O Tribuna do Ceará não pôde veicular o clipe no canal de Youtube do Sistema Jangadeiro, pois o Google já não libera mais o upload do vídeo.


Saiba Mais

Tribuna do Ceará já havia mostrado, em maio, que as facções costumam utilizar as redes sociais para divulgar músicas que fazem apologia ao seu poderio. A reportagem apurou que há canais que chegam a cobrar R$ 50 para divulgar os funks, uma espécie de jabá pela veiculação.

Os donos dos canais do Youtube que divulgavam as músicas ouvidos pelo Tribuna do Ceará afirmaram que já recebiam os vídeos prontos e não sabiam quem os produzia.

À época, a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) afirmou que a Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco) já tinha conhecimento sobre as músicas e realizava levantamentos a fim de “tomar as medidas cabíveis”.

A nota da SSPDS ainda dizia que a Polícia Civil investiga “qualquer informação ou material sobre atos delituosos, que chegam ao conhecimento dos agentes de segurança, sem descartar nenhuma possibilidade”.

Publicidade

Dê sua opinião

MONTAGEM

Facção do Ceará usa clipe de cantor paulista para fazer apologia ao crime

A GDE usou sem autorização as imagens de clipe de MC Bokão, e colocou em cima a letra de uma música própria

Por Lucas Barbosa em Segurança Pública

27 de setembro de 2017 às 09:03

Há 3 meses

Trechos do clipe “Empresário do Crime”, onde atores ostentam armas, foram usados pela GDE (FOTO: Reprodução)

Uma produção digna de clipes de grandes artistas e bandas a serviço do crime. É o que mostravam publicações que ganharam as redes sociais nesta terça-feira (26) sobre um funk que exalta a interiorização da facção criminosa conhecida como Guardiões do Estado (GDE), nas cidades de Crato e Juazeiro do Norte, no Cariri cearense.

Nas imagens, homens empunhando fuzis, simulando a tortura de inimigos e a preparação de drogas para consumo. Tudo isso embalado por uma letra que cita bairros e localidades onde a facção atuaria, assim como nomes de supostos integrantes.

O Mago já deu o papo e convocou o Negão / Cocada e Cavanhaque / Não esqueçam o irmão Son / Pantera e Samuel / LK e o Fernando / 100% GDE / Baleado é nosso mano / Em várias comunidades, também deixo o meu recado / João Cabral é GDE / Somos Guardiões do Estado / Vila Alta, Seminário / Bairro Antônio Vieira / No Thiago, Pirajá / É plantão a noite inteira”. 

O vídeo, no entanto, é uma montagem da música da facção sobre as imagens do clipe “Empresário Do Crime”, do cantor paulista MC Bokão. A Polícia Civil chegou até a afirmar, em nota, que abriria investigações a fim de identificar as pessoas que aparecem nas imagens.

“Estas poderão ser enquadradas na Lei das Organizações Criminosas por promover mensagens de apologia ao crime”, afirmou.

O clipe que viralizou ainda tem uma imprecisão: aparece, logo no início, o numeral 746, referência à ordem das letras da sigla da facção no alfabeto, expediente comumente usado pela organização. O correto, porém, seria 745.

“Assinatura” da facção no vídeo: numeração errada (FOTO: Reprodução)

A empresa que aparece como responsável pela direção do suposto clipe da GDE ressaltou ao Tribuna do Ceará não ter relação com a música. A produtora, que é de Diadema (SP), ainda disse que solicitará a remoção do vídeo — o que já ocorreu no Youtube, mas ainda não em páginas do Facebook.

O intérprete da música também negou relação com o episódio. “Nunca nem ouvi falar dessa facção”, afirma MC Bokão.

Queria deixar bem claro pro Brasil todo que eu não tenho nenhum tipo de envolvimento com nenhum tipo de facção e desconheço o assunto sobre essa matéria do #Ceará”, chegou a publicar em seu perfil no Facebook.

Confira abaixo a música usada no vídeo na íntegra. O Tribuna do Ceará não pôde veicular o clipe no canal de Youtube do Sistema Jangadeiro, pois o Google já não libera mais o upload do vídeo.


Saiba Mais

Tribuna do Ceará já havia mostrado, em maio, que as facções costumam utilizar as redes sociais para divulgar músicas que fazem apologia ao seu poderio. A reportagem apurou que há canais que chegam a cobrar R$ 50 para divulgar os funks, uma espécie de jabá pela veiculação.

Os donos dos canais do Youtube que divulgavam as músicas ouvidos pelo Tribuna do Ceará afirmaram que já recebiam os vídeos prontos e não sabiam quem os produzia.

À época, a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) afirmou que a Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco) já tinha conhecimento sobre as músicas e realizava levantamentos a fim de “tomar as medidas cabíveis”.

A nota da SSPDS ainda dizia que a Polícia Civil investiga “qualquer informação ou material sobre atos delituosos, que chegam ao conhecimento dos agentes de segurança, sem descartar nenhuma possibilidade”.