Ex-namorado de dançarina morta já destruiu elevador de prédio onde ela morava


Ex-namorado de dançarina morta já destruiu elevador de prédio onde ela morava

A cearense Ana Carolina Vieira foi condenada a pagar R$ 11 mil, por não comparecer à audiência na terça-feira, data em que já estava morta

Por Roberta Tavares em Segurança Pública

5 de novembro de 2015 às 16:38

Há 3 anos
A dançarina havia proibido o ex-namorado de acessar o prédio (FOTO: Reprodução/Facebook)

A dançarina havia proibido o ex-namorado de acessar o prédio (FOTO: Reprodução/Facebook)

O homem suspeito de assassinar a ex-namorada cearense Ana Carolina Vieira já havia destruído o elevador do prédio onde a dançarina morava, na Zona Sul de São Paulo. Segundo o delegado Carlos Rodrigues, do 95º Distrito Policial, o caso aconteceu há seis meses, quando Anderson Rodrigues Leitão teve um ataque de fúria e destruiu o equipamento.

“O elevador travou, ele ficou com raiva, desequilibrado, e quebrou tudo. Ana Carolina foi acionada na Justiça para pagar R$ 11 mil”, explicou ao Tribuna do Ceará.

Segundo disse, na última terça-feira (3) houve audiência e a dançarina foi condenada a arcar com o prejuízo ocasionado ao condomínio por não comparecer. Na data, Ana Carolina já havia sido assassinada, segundo o ex-namorado.

Ainda de acordo com o titular da delegacia, a vítima tinha proibido o acesso do ex-namorado ao prédio, inclusive com cartazes afixados no interior do condomínio. “Ela deixou anotado que não queria a presença dele no apartamento”.

Entretanto, dias antes do assassinato, Ana Carolina teria liberado a entrada de Anderson, após insistência dele. “Ele chegou por volta das 3h, e ela autorizou o acesso. Estamos investigando se o crime foi premeditado, planejado, ou se ele foi até lá para reatar o namoro”, afirma.

O inquérito deve ser concluído em até 10 dias, contados a partir de quarta-feira (4). Ainda serão ouvidos familiares e vizinhos da vítima. Anderson Rodrigues permanecerá preso em São Paulo até que a investigação seja finalizada. Ele pode responder por homicídio duplamente qualificado.

Passagens pela Justiça

O suspeito do assassinato já respondia por processos na Justiça, por violência doméstica e tráfico de drogas. Em 2014, inclusive, foi preso em Santa Catarina por tráfico de drogas. Em setembro deste ano, foi condenado a 5 anos e 10 meses.

Conforme o Diário de Justiça do Estado de Santa Catarina, ele foi preso por crimes de tráfico ilícito e uso indevido de drogas. Anderson teve o requerimento de liberdade provisória formulado pela defesa e indeferido pela Justiça.

O crime

Ana Carolina foi encontrada morta na manhã de quarta (4), no apartamento em que morava, mas teria sido morta na última segunda-feira (2). A Polícia Civil paulista prendeu o ex-namorado suspeito do crime, que acabou confessando.

Os zeladores do prédio sentiram um cheiro forte vindo do 5º andar e foram até o apartamento verificar o que estava acontecendo. Ao chegar, tocaram a campainha, mas ninguém atendeu. Eles perceberam que a porta estava destravada, entraram e encontraram o corpo na cama do quarto.

Anderson Rodrigues assumiu a autoria do assassinato da ex-namorada (FOTO: Reprodução/Facebook)

Anderson Rodrigues assumiu a autoria do assassinato da ex-namorada (FOTO: Reprodução/Facebook)

Anderson, em entrevista ao SBT, confessou que assassinou a dançarina porque ela seria garota de programa. Ele disse que “perdeu a cabeça” quando viu mensagens no celular da ex-namorada que sugeriam conversas com supostos clientes. “Eu mexi no celular dela e ela se irritou. Porque eu tinha visto uma conversa dela com cliente”.

Áudio

A dançarina cearense havia gravado um áudio em que denunciava o assédio sofrido pelo ex-namorado. Na gravação, Ana Carolina revelava não saber mais o que fazer e afirmava que Anderson seria uma “tortura” em sua vida.

Eu não aguento mais o Anderson me ligando, cara. Ah, meu Deus. É uma tortura! Eu não sei mais o que fazer, não sei mais a quem pedir! Ah, meu Deus do céu, o que eu faço?”. O áudio gravado foi enviado por meio do Whatsapp para parentes próximos.

A vítima era formada em administração e representou Fortaleza em um concurso para ser a nova bailarina do programa de Faustão, na TV Globo. A paixão pela dança veio cedo, desde a infância. Na escola, ela fez jazz e balé.

Relembre as matérias do caso:

5 de novembro – Dançarina cearense gravou áudio dias antes da morte por assédio do ex-namorado

5 de novembro – Ex-namorado de bailarina disse que a matou porque ela era garota de programa

4 de novembro – Dançarina cearense é encontrada morta em seu apartamento em São Paulo

Publicidade

Dê sua opinião

Ex-namorado de dançarina morta já destruiu elevador de prédio onde ela morava

A cearense Ana Carolina Vieira foi condenada a pagar R$ 11 mil, por não comparecer à audiência na terça-feira, data em que já estava morta

Por Roberta Tavares em Segurança Pública

5 de novembro de 2015 às 16:38

Há 3 anos
A dançarina havia proibido o ex-namorado de acessar o prédio (FOTO: Reprodução/Facebook)

A dançarina havia proibido o ex-namorado de acessar o prédio (FOTO: Reprodução/Facebook)

O homem suspeito de assassinar a ex-namorada cearense Ana Carolina Vieira já havia destruído o elevador do prédio onde a dançarina morava, na Zona Sul de São Paulo. Segundo o delegado Carlos Rodrigues, do 95º Distrito Policial, o caso aconteceu há seis meses, quando Anderson Rodrigues Leitão teve um ataque de fúria e destruiu o equipamento.

“O elevador travou, ele ficou com raiva, desequilibrado, e quebrou tudo. Ana Carolina foi acionada na Justiça para pagar R$ 11 mil”, explicou ao Tribuna do Ceará.

Segundo disse, na última terça-feira (3) houve audiência e a dançarina foi condenada a arcar com o prejuízo ocasionado ao condomínio por não comparecer. Na data, Ana Carolina já havia sido assassinada, segundo o ex-namorado.

Ainda de acordo com o titular da delegacia, a vítima tinha proibido o acesso do ex-namorado ao prédio, inclusive com cartazes afixados no interior do condomínio. “Ela deixou anotado que não queria a presença dele no apartamento”.

Entretanto, dias antes do assassinato, Ana Carolina teria liberado a entrada de Anderson, após insistência dele. “Ele chegou por volta das 3h, e ela autorizou o acesso. Estamos investigando se o crime foi premeditado, planejado, ou se ele foi até lá para reatar o namoro”, afirma.

O inquérito deve ser concluído em até 10 dias, contados a partir de quarta-feira (4). Ainda serão ouvidos familiares e vizinhos da vítima. Anderson Rodrigues permanecerá preso em São Paulo até que a investigação seja finalizada. Ele pode responder por homicídio duplamente qualificado.

Passagens pela Justiça

O suspeito do assassinato já respondia por processos na Justiça, por violência doméstica e tráfico de drogas. Em 2014, inclusive, foi preso em Santa Catarina por tráfico de drogas. Em setembro deste ano, foi condenado a 5 anos e 10 meses.

Conforme o Diário de Justiça do Estado de Santa Catarina, ele foi preso por crimes de tráfico ilícito e uso indevido de drogas. Anderson teve o requerimento de liberdade provisória formulado pela defesa e indeferido pela Justiça.

O crime

Ana Carolina foi encontrada morta na manhã de quarta (4), no apartamento em que morava, mas teria sido morta na última segunda-feira (2). A Polícia Civil paulista prendeu o ex-namorado suspeito do crime, que acabou confessando.

Os zeladores do prédio sentiram um cheiro forte vindo do 5º andar e foram até o apartamento verificar o que estava acontecendo. Ao chegar, tocaram a campainha, mas ninguém atendeu. Eles perceberam que a porta estava destravada, entraram e encontraram o corpo na cama do quarto.

Anderson Rodrigues assumiu a autoria do assassinato da ex-namorada (FOTO: Reprodução/Facebook)

Anderson Rodrigues assumiu a autoria do assassinato da ex-namorada (FOTO: Reprodução/Facebook)

Anderson, em entrevista ao SBT, confessou que assassinou a dançarina porque ela seria garota de programa. Ele disse que “perdeu a cabeça” quando viu mensagens no celular da ex-namorada que sugeriam conversas com supostos clientes. “Eu mexi no celular dela e ela se irritou. Porque eu tinha visto uma conversa dela com cliente”.

Áudio

A dançarina cearense havia gravado um áudio em que denunciava o assédio sofrido pelo ex-namorado. Na gravação, Ana Carolina revelava não saber mais o que fazer e afirmava que Anderson seria uma “tortura” em sua vida.

Eu não aguento mais o Anderson me ligando, cara. Ah, meu Deus. É uma tortura! Eu não sei mais o que fazer, não sei mais a quem pedir! Ah, meu Deus do céu, o que eu faço?”. O áudio gravado foi enviado por meio do Whatsapp para parentes próximos.

A vítima era formada em administração e representou Fortaleza em um concurso para ser a nova bailarina do programa de Faustão, na TV Globo. A paixão pela dança veio cedo, desde a infância. Na escola, ela fez jazz e balé.

Relembre as matérias do caso:

5 de novembro – Dançarina cearense gravou áudio dias antes da morte por assédio do ex-namorado

5 de novembro – Ex-namorado de bailarina disse que a matou porque ela era garota de programa

4 de novembro – Dançarina cearense é encontrada morta em seu apartamento em São Paulo