Dececa investiga novos casos de abuso sexual contra crianças em Itapajé

CRIMES

Dececa investiga novos possíveis casos de abuso sexual contra crianças em Itapajé

Famílias e crianças foram ouvidas pela Polícia Civil para auxiliar nas investigações. Em junho, uma criança de 6 anos foi vítima de abuso sexual na escola

Por Tribuna do Ceará em Segurança Pública

5 de julho de 2018 às 11:19

Há 3 meses
Casos de crimes sexuais em Itapajé

A Dececa acredita que há novos casos de crimes sexuais envolvendo crianças e adolescentes na região (Foto: Agência Brasil)

Novos possíveis casos de abusos sexual contra crianças e adolescentes estão sendo investigados pela Polícia Civil, por meio da Delegacia de Combate à Exploração da Criança e do Adolescente (Dececa), no município de Itapajé, a 120 km de Fortaleza.

Familiares e crianças que são as possíveis vítimas foram ouvidas nesta terça-feira (3) para auxiliar na investigação .

Segundo o delegado da Dececa, Levy Louzada, a Polícia Civil trabalhou em conjunto com o Conselho Tutelar, com ajuda de psicólogos para ouvir as crianças, e com a Perícia Forense do Estado (Pefoce) a fim de encontrar vestígios ou provas do possíveis crimes sexuais.

“Diversos procedimentos foram lavrados, boletim de ocorrência e diversas guias foram expedidas a fim de que o Conselho Tutelar se dirija com as crianças para a Pefoce para detectar materialmente vestígios da prática do possível abuso”, explica Levy.

Crimes sexuais

No mês de junho, dois funcionários de uma escola particular do município de Itapajé foram presos após serem acusados de abuso sexual contra uma criança de 6 anos. De acordo com o delegado André Firmino, antigo titular responsável pela investigação do caso, um dos suspeitos confessou ter abusado sexualmente do aluno dentro do banheiro. Além disso, disse que outras crianças também foram vítimas.

“Um dos acusados confessou o crime e disse os detalhes. O outro nega a autoria. Ele também disse que há outras vítimas”, esclareceu o delegado André Firmino ao Tribuna do Ceará. Devido à repercussão do caso, André afirma que a Polícia, junto ao Ministério Público do Ceará (MP-CE), está trabalhando com cautela para identificar as outras crianças vítimas de abuso sexual.

> Leia Mais: “Meu filho está tomando medicação forte”, lamenta mãe de criança abusada sexualmente em escola

José Gomes Ferreira e Leôncio Alves Sousa trabalhavam no setor de serviços gerais da instituição. Além deles, outros homens foram presos por serem suspeitos de ter cometido crimes sexuais na região. Antônio Artur Martins Barroso, de 23 anos, é acusado de estuprar uma adolescente de 14 anos. A prisão aconteceu no dia 4 de junho. Por último, no dia 7 de junho, foi a vez de Paulo Ricardo Francelino de Sousa que foi condenado a 9 anos de prisão por estupro de vulnerável.

Nova delegada

As investigações sobre os casos de abuso sexual e estupro na cidade estavam sob a responsabilidade do delegado André Firmino. No entanto, a partir da próxima segunda-feira (9), serão tratados com a nova titular, a delegada Rogéria Neusa Costa. Segundo a Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), a nova titular é recém-empossada e tem experiência em atuações de crimes sexuais. A mudança  deve-se ao pedido de transferência de André Firmino para outra região.

Publicidade

Dê sua opinião

CRIMES

Dececa investiga novos possíveis casos de abuso sexual contra crianças em Itapajé

Famílias e crianças foram ouvidas pela Polícia Civil para auxiliar nas investigações. Em junho, uma criança de 6 anos foi vítima de abuso sexual na escola

Por Tribuna do Ceará em Segurança Pública

5 de julho de 2018 às 11:19

Há 3 meses
Casos de crimes sexuais em Itapajé

A Dececa acredita que há novos casos de crimes sexuais envolvendo crianças e adolescentes na região (Foto: Agência Brasil)

Novos possíveis casos de abusos sexual contra crianças e adolescentes estão sendo investigados pela Polícia Civil, por meio da Delegacia de Combate à Exploração da Criança e do Adolescente (Dececa), no município de Itapajé, a 120 km de Fortaleza.

Familiares e crianças que são as possíveis vítimas foram ouvidas nesta terça-feira (3) para auxiliar na investigação .

Segundo o delegado da Dececa, Levy Louzada, a Polícia Civil trabalhou em conjunto com o Conselho Tutelar, com ajuda de psicólogos para ouvir as crianças, e com a Perícia Forense do Estado (Pefoce) a fim de encontrar vestígios ou provas do possíveis crimes sexuais.

“Diversos procedimentos foram lavrados, boletim de ocorrência e diversas guias foram expedidas a fim de que o Conselho Tutelar se dirija com as crianças para a Pefoce para detectar materialmente vestígios da prática do possível abuso”, explica Levy.

Crimes sexuais

No mês de junho, dois funcionários de uma escola particular do município de Itapajé foram presos após serem acusados de abuso sexual contra uma criança de 6 anos. De acordo com o delegado André Firmino, antigo titular responsável pela investigação do caso, um dos suspeitos confessou ter abusado sexualmente do aluno dentro do banheiro. Além disso, disse que outras crianças também foram vítimas.

“Um dos acusados confessou o crime e disse os detalhes. O outro nega a autoria. Ele também disse que há outras vítimas”, esclareceu o delegado André Firmino ao Tribuna do Ceará. Devido à repercussão do caso, André afirma que a Polícia, junto ao Ministério Público do Ceará (MP-CE), está trabalhando com cautela para identificar as outras crianças vítimas de abuso sexual.

> Leia Mais: “Meu filho está tomando medicação forte”, lamenta mãe de criança abusada sexualmente em escola

José Gomes Ferreira e Leôncio Alves Sousa trabalhavam no setor de serviços gerais da instituição. Além deles, outros homens foram presos por serem suspeitos de ter cometido crimes sexuais na região. Antônio Artur Martins Barroso, de 23 anos, é acusado de estuprar uma adolescente de 14 anos. A prisão aconteceu no dia 4 de junho. Por último, no dia 7 de junho, foi a vez de Paulo Ricardo Francelino de Sousa que foi condenado a 9 anos de prisão por estupro de vulnerável.

Nova delegada

As investigações sobre os casos de abuso sexual e estupro na cidade estavam sob a responsabilidade do delegado André Firmino. No entanto, a partir da próxima segunda-feira (9), serão tratados com a nova titular, a delegada Rogéria Neusa Costa. Segundo a Secretaria de Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS), a nova titular é recém-empossada e tem experiência em atuações de crimes sexuais. A mudança  deve-se ao pedido de transferência de André Firmino para outra região.