Chega ao fim greve de agentes penitenciários após onda de rebeliões no Ceará

ACORDO

Chega ao fim greve de agentes penitenciários após onda de rebeliões no Ceará

Categoria aceitou a contraproposta do governo estadual de reajuste escalonado da gratificação

Por Tribuna Bandnews FM em Segurança Pública

22 de Maio de 2016 às 08:34

Há 2 anos
Para o diretor do Sindasp-CE, Luis Carlos de Sousa, a maioria das 139 cadeias do Ceará está em situação precária (FOTO: Reprodução Whatsapp)

Para o diretor do Sindasp-CE, Luis Carlos de Sousa, a maioria das 139 cadeias do Ceará está em situação precária (FOTO: Reprodução Whatsapp)

Chegou ao fim a greve dos agentes penitenciários do estado do Ceará na noite de sábado (21). Após 19 horas de paralisações e uma reunião com a cúpula do governo estadual, a categoria aceitou a contraproposta do governo.

A principal reivindicação dos agentes era o reajuste de 100% da gratificação por atividade de risco. Em entrevista coletiva, o secretário de Justiça, Hélio Leitão, disse que a contraproposta do governo é dar um reajuste escalonado da gratificação.

Rebeliões

Durante a manhã de sábado, rebeliões em série ocorreram nas unidades prisionais CPPL I, II, III e IV e no presídio feminino, todos localizados em Itaitinga, a 32 quilômetros de Fortaleza. Tudo começou após os agentes penitenciários impedirem a visita dos familiares aos detentos logo no início da manhã.

O Ministério Público Estadual do Ceará vai abrir investigação para apurar as responsabilidades pelos atos. O órgão aponta que pelo menos quatro pessoas morreram nas rebeliões. A Secretaria de Justiça diz que, até o momento, foram registradas duas mortes nos presídios.

O secretário de Justiça atribui a responsabilidade pelos danos, tanto de vidas, quanto de patrimônio público, aos agentes penitenciários que, mesmo após a Justiça determinar ilegal a greve, seguiu com o movimento.

A greve afetou também a unidade prisional conhecida como Carrapicho, em Caucaia. Lá, agentes encapuzados impediram a entrada dos visitantes.

Familiares de detentos das CPPLs 2, 3 e 4 fecharam o acesso às unidades pela BR-116 (FOTO: PRF-CE)

Familiares de detentos das CPPLs 2, 3 e 4 fecharam o acesso às unidades pela BR-116 (FOTO: PRF-CE)

Outras regiões

Segundo o sindicato dos agentes penitenciários, 43 cadeias em todo o estado foram afetadas pela paralisação. A tensão também aconteceu em outras regiões do estado, não só na Região Metropolitana.

Até o final da tarde de sábado, 12 detentos estavam foragidos da cadeia pública de Camocim, no litoral oeste do estado. A unidade tinha 163 internos, mais do que o dobro da capacidade, que é de 67. Ao todo, 19 presos conseguiram escapar. A fuga ocorreu após um motim, que começou as 23h de sexta-feira (19), quando os internos atearam fogo aos colchões e impediram a entrada do reforço policial.

A PM segue reforçando o policiamento da unidade. A visita, que ocorria no sábado, foi suspensa, o que provocou protesto de familiares, dissipado ao longo do dia.

Confira a entrevista com Hélio Leitão para a rádio Tribuna Bandnews FM:

Acompanhe o caso:

Série de rebeliões simultâneas ocorre em 8 presídios do Ceará

Presos compartilham vídeos de quebra-quebra em rebelião na CPPL 4

Ministério Público vai apurar se agentes penitenciários tiveram culpa por caos em presídios

Publicidade

Dê sua opinião

ACORDO

Chega ao fim greve de agentes penitenciários após onda de rebeliões no Ceará

Categoria aceitou a contraproposta do governo estadual de reajuste escalonado da gratificação

Por Tribuna Bandnews FM em Segurança Pública

22 de Maio de 2016 às 08:34

Há 2 anos
Para o diretor do Sindasp-CE, Luis Carlos de Sousa, a maioria das 139 cadeias do Ceará está em situação precária (FOTO: Reprodução Whatsapp)

Para o diretor do Sindasp-CE, Luis Carlos de Sousa, a maioria das 139 cadeias do Ceará está em situação precária (FOTO: Reprodução Whatsapp)

Chegou ao fim a greve dos agentes penitenciários do estado do Ceará na noite de sábado (21). Após 19 horas de paralisações e uma reunião com a cúpula do governo estadual, a categoria aceitou a contraproposta do governo.

A principal reivindicação dos agentes era o reajuste de 100% da gratificação por atividade de risco. Em entrevista coletiva, o secretário de Justiça, Hélio Leitão, disse que a contraproposta do governo é dar um reajuste escalonado da gratificação.

Rebeliões

Durante a manhã de sábado, rebeliões em série ocorreram nas unidades prisionais CPPL I, II, III e IV e no presídio feminino, todos localizados em Itaitinga, a 32 quilômetros de Fortaleza. Tudo começou após os agentes penitenciários impedirem a visita dos familiares aos detentos logo no início da manhã.

O Ministério Público Estadual do Ceará vai abrir investigação para apurar as responsabilidades pelos atos. O órgão aponta que pelo menos quatro pessoas morreram nas rebeliões. A Secretaria de Justiça diz que, até o momento, foram registradas duas mortes nos presídios.

O secretário de Justiça atribui a responsabilidade pelos danos, tanto de vidas, quanto de patrimônio público, aos agentes penitenciários que, mesmo após a Justiça determinar ilegal a greve, seguiu com o movimento.

A greve afetou também a unidade prisional conhecida como Carrapicho, em Caucaia. Lá, agentes encapuzados impediram a entrada dos visitantes.

Familiares de detentos das CPPLs 2, 3 e 4 fecharam o acesso às unidades pela BR-116 (FOTO: PRF-CE)

Familiares de detentos das CPPLs 2, 3 e 4 fecharam o acesso às unidades pela BR-116 (FOTO: PRF-CE)

Outras regiões

Segundo o sindicato dos agentes penitenciários, 43 cadeias em todo o estado foram afetadas pela paralisação. A tensão também aconteceu em outras regiões do estado, não só na Região Metropolitana.

Até o final da tarde de sábado, 12 detentos estavam foragidos da cadeia pública de Camocim, no litoral oeste do estado. A unidade tinha 163 internos, mais do que o dobro da capacidade, que é de 67. Ao todo, 19 presos conseguiram escapar. A fuga ocorreu após um motim, que começou as 23h de sexta-feira (19), quando os internos atearam fogo aos colchões e impediram a entrada do reforço policial.

A PM segue reforçando o policiamento da unidade. A visita, que ocorria no sábado, foi suspensa, o que provocou protesto de familiares, dissipado ao longo do dia.

Confira a entrevista com Hélio Leitão para a rádio Tribuna Bandnews FM:

Acompanhe o caso:

Série de rebeliões simultâneas ocorre em 8 presídios do Ceará

Presos compartilham vídeos de quebra-quebra em rebelião na CPPL 4

Ministério Público vai apurar se agentes penitenciários tiveram culpa por caos em presídios