Cearense é condenado por importar semente de maconha da Holanda


Cearense é condenado por importar semente de maconha da Holanda

Antônio Welson Coutinho usou o nome e o endereço da namorada para realizar a compra. Réu cumprirá pena em regime aberto

Por Tribuna do Ceará em Segurança Pública

20 de setembro de 2015 às 18:03

Há 4 anos
O juiz considerou que Antônio Welson tentava importar matéria-prima para a produção de drogas. (FOTO: Flickr/ Creative Commons/ Brett Levin)

O juiz considerou que Antônio Welson tentava importar matéria-prima para a produção de drogas. (FOTO: Flickr/ Creative Commons/ Brett Levin)

O marceneiro Antônio Welson Coutinho da Silva pediu, através de um site holandês, 15 sementes de maconha. O pacote estava endereçado ao Bairro Pedras, em Fortaleza, mas foi apreendido no Serviço de Remessas Postais Internacional da Alfândega de São Paulo. Ele foi condenado a cinco anos de prisão, pela 11ª Vara da Justiça Federal do Ceará. A encomenda estava no nome da namorada do réu.

Antônio Welson teve a pena reduzida por ter bons antecedentes criminais, profissão e moradia fixa. O juiz Danilo Fontenelle Sampaio decidiu que o réu deverá pagar multa de um salário e cumprir pena em regime aberto. O juiz considerou que Antônio Welson tentava importar matéria-prima para a produção de drogas. A namorada de Antônio Welson também foi denunciada pelo Ministério Público Federal (MPF), porém foi absolvida no julgamento da ação penal.

Durante o seu depoimento, a namorada do réu informou que tinha ciência de que ele usou o seu computador, dados cadastrais e e-mail para realizar a compra. Todavia, alegou não saber que a importação das sementes de maconha é proibida e tratada como tráfico de drogas no Brasil. A encomenda estava no nome dela e endereçado à sua residência, na Rua Raimundo Matias, no Bairro Pedras, em Fortaleza. A compra teria sido efetuada através de um vale postal, pago em uma agência dos Correios, cujo documento tinha o valor de trinta euros, referente a R$ 100 na época.

No dia 18 de outubro de 2013, data da apreensão, o material suspeito foi submetido à análises na Perícia Criminal, comprovando que era compatível com maconha. As sementes não seriam consideradas capazes de causar dependência física ou psíquica, pois não apresentam substâncias entorpecentes ou psicotrópicas em sua composição. Porém, a estrutura do vegetal pode dar origem à planta proscrita no rol de plantas que poderm originar substâncias entorpecentes ou pscicotrópicas.

Publicidade

Dê sua opinião

Cearense é condenado por importar semente de maconha da Holanda

Antônio Welson Coutinho usou o nome e o endereço da namorada para realizar a compra. Réu cumprirá pena em regime aberto

Por Tribuna do Ceará em Segurança Pública

20 de setembro de 2015 às 18:03

Há 4 anos
O juiz considerou que Antônio Welson tentava importar matéria-prima para a produção de drogas. (FOTO: Flickr/ Creative Commons/ Brett Levin)

O juiz considerou que Antônio Welson tentava importar matéria-prima para a produção de drogas. (FOTO: Flickr/ Creative Commons/ Brett Levin)

O marceneiro Antônio Welson Coutinho da Silva pediu, através de um site holandês, 15 sementes de maconha. O pacote estava endereçado ao Bairro Pedras, em Fortaleza, mas foi apreendido no Serviço de Remessas Postais Internacional da Alfândega de São Paulo. Ele foi condenado a cinco anos de prisão, pela 11ª Vara da Justiça Federal do Ceará. A encomenda estava no nome da namorada do réu.

Antônio Welson teve a pena reduzida por ter bons antecedentes criminais, profissão e moradia fixa. O juiz Danilo Fontenelle Sampaio decidiu que o réu deverá pagar multa de um salário e cumprir pena em regime aberto. O juiz considerou que Antônio Welson tentava importar matéria-prima para a produção de drogas. A namorada de Antônio Welson também foi denunciada pelo Ministério Público Federal (MPF), porém foi absolvida no julgamento da ação penal.

Durante o seu depoimento, a namorada do réu informou que tinha ciência de que ele usou o seu computador, dados cadastrais e e-mail para realizar a compra. Todavia, alegou não saber que a importação das sementes de maconha é proibida e tratada como tráfico de drogas no Brasil. A encomenda estava no nome dela e endereçado à sua residência, na Rua Raimundo Matias, no Bairro Pedras, em Fortaleza. A compra teria sido efetuada através de um vale postal, pago em uma agência dos Correios, cujo documento tinha o valor de trinta euros, referente a R$ 100 na época.

No dia 18 de outubro de 2013, data da apreensão, o material suspeito foi submetido à análises na Perícia Criminal, comprovando que era compatível com maconha. As sementes não seriam consideradas capazes de causar dependência física ou psíquica, pois não apresentam substâncias entorpecentes ou psicotrópicas em sua composição. Porém, a estrutura do vegetal pode dar origem à planta proscrita no rol de plantas que poderm originar substâncias entorpecentes ou pscicotrópicas.