"Ceará vive uma guerra que caça o profissional da segurança", lamenta Associação após morte de PMs

NOTA DE PESAR

“Ceará vive uma guerra que caça o profissional da segurança”, lamenta Associação após morte de PMs

A nota foi divulgada após a morte de três policiais em um bar, na tarde desta quinta-feira (23), em Fortaleza

Por Tribuna do Ceará em Segurança Pública

23 de agosto de 2018 às 19:25

Há 4 meses
APS lamentou a morte dos policiais nesta quinta-feira (FOTO: Tribuna do Ceará)

APS lamentou a morte dos policiais nesta quinta-feira (FOTO: Tribuna do Ceará)

Após o assassinato de três policiais em Fortaleza, nesta quinta-feira (23), a Associação dos Profissionais de Segurança (APS) divulgou nota de pesar e cobrou ações da Secretaria da Segurança Pública. O crime foi registrado em um bar, na Vila Manuel Sátiro.

“Mais uma vez, a corda pende para o lado mais fraco. E o cenário não muda! O Ceará vive uma guerra, uma guerra entre o bem e o mal. Uma guerra que caça o profissional da Segurança Pública, que o amedronta, que o ameaça e que lhe tira a vida”, informa a nota.

Um dos policiais assassinados estava de folga no momento do crime. As vítimas foram identificadas como sargento José Augusto de Lima (58 anos), tenente Antonio Cezar Oliveira Gomes (50) e o subtenente Sanderley Cavalcante Sampaio (46), sendo, somente, o subtenente do serviço ativo.

“O que vemos é que o crime organizado está cada vez mais forte e que é ele que decide: quem vive e quem morre, quem entra e quem sai. Muitos profissionais de segurança foram expulsos de suas residências, outros não tiveram nem a chance de se retirarem. Mas quem é o responsável? Está claro que a motivação foi o pleno exercício da função. Eles morreram por serem policiais militares”, lamenta a APS.

Também em nota, a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) afirmou que “não medirá esforços para identificar e prender os suspeitos”. Uma aeronave da Coordenadoria Integrada de Operações Aéreas (Ciopaer) participa das buscas.

A população pode ajudar os trabalhos de investigação da Polícia repassando informações que ajudem a identificar e localizar os suspeitos. Para isso, basta ligar para o disque denúncia da SSPDS pelo número 181 ou para o 190 da Coordenadoria Integrada de Operações de Segurança (Ciops). O sigilo das denúncias é garantido.

O Ministério Público do Ceará se solidarizou com os familiares e amigos dos policiais e afirmou que a Procuradoria Geral de Justiça adotará todas as providências possíveis para auxiliar as investigações “e levar a julgamento os responsáveis por esse bárbaro crime”.

Publicidade

Dê sua opinião

NOTA DE PESAR

“Ceará vive uma guerra que caça o profissional da segurança”, lamenta Associação após morte de PMs

A nota foi divulgada após a morte de três policiais em um bar, na tarde desta quinta-feira (23), em Fortaleza

Por Tribuna do Ceará em Segurança Pública

23 de agosto de 2018 às 19:25

Há 4 meses
APS lamentou a morte dos policiais nesta quinta-feira (FOTO: Tribuna do Ceará)

APS lamentou a morte dos policiais nesta quinta-feira (FOTO: Tribuna do Ceará)

Após o assassinato de três policiais em Fortaleza, nesta quinta-feira (23), a Associação dos Profissionais de Segurança (APS) divulgou nota de pesar e cobrou ações da Secretaria da Segurança Pública. O crime foi registrado em um bar, na Vila Manuel Sátiro.

“Mais uma vez, a corda pende para o lado mais fraco. E o cenário não muda! O Ceará vive uma guerra, uma guerra entre o bem e o mal. Uma guerra que caça o profissional da Segurança Pública, que o amedronta, que o ameaça e que lhe tira a vida”, informa a nota.

Um dos policiais assassinados estava de folga no momento do crime. As vítimas foram identificadas como sargento José Augusto de Lima (58 anos), tenente Antonio Cezar Oliveira Gomes (50) e o subtenente Sanderley Cavalcante Sampaio (46), sendo, somente, o subtenente do serviço ativo.

“O que vemos é que o crime organizado está cada vez mais forte e que é ele que decide: quem vive e quem morre, quem entra e quem sai. Muitos profissionais de segurança foram expulsos de suas residências, outros não tiveram nem a chance de se retirarem. Mas quem é o responsável? Está claro que a motivação foi o pleno exercício da função. Eles morreram por serem policiais militares”, lamenta a APS.

Também em nota, a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) afirmou que “não medirá esforços para identificar e prender os suspeitos”. Uma aeronave da Coordenadoria Integrada de Operações Aéreas (Ciopaer) participa das buscas.

A população pode ajudar os trabalhos de investigação da Polícia repassando informações que ajudem a identificar e localizar os suspeitos. Para isso, basta ligar para o disque denúncia da SSPDS pelo número 181 ou para o 190 da Coordenadoria Integrada de Operações de Segurança (Ciops). O sigilo das denúncias é garantido.

O Ministério Público do Ceará se solidarizou com os familiares e amigos dos policiais e afirmou que a Procuradoria Geral de Justiça adotará todas as providências possíveis para auxiliar as investigações “e levar a julgamento os responsáveis por esse bárbaro crime”.